Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

626 – AlôTénica – A Podpesquisa
626 – AlôTénica – A Podpesquisa
O programa reproduz a conversa entre Luciano Pires, Leo ...

Ver mais

625 – João Amoêdo
625 – João Amoêdo
Continuando a conversa com candidatos a Presidente nas ...

Ver mais

624 – Paulo Rabello de Castro
624 – Paulo Rabello de Castro
Na medida do possível, estamos conversando com ...

Ver mais

623 – A lógica da adequação
623 – A lógica da adequação
O tema de hoje é negociação, partindo da famosa análise ...

Ver mais

LíderCast 119 – Fabiano Calil
LíderCast 119 – Fabiano Calil
Educação financeira é seu mote, até o dia em que ele ...

Ver mais

LíderCast 118 – Maria Luján Tubio
LíderCast 118 – Maria Luján Tubio
Jovem argentina, com vivência em vários países e que ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 117 – Alice Quaresma
LíderCast 117 – Alice Quaresma
Artista plástica, uma história sensacional de uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Precisamos reaprender a olhar
Mauro Segura
Transformação
Numa era em que o tempo parece escoar pelos dedos, ironicamente precisamos reaprender a "sentar e observar".

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Homenagem aos Economistas 2018 Memoráveis citações  “Aquele que for somente um economista não tem condições de ser um bom economista, pois todos os nossos problemas tocam em questões de ...

Ver mais

Empurrando com a barriga
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Empurrando com a barriga  Cenários da economia brasileira “A arte da previsão consiste em antecipar o que acontecerá e depois explicar o porquê não aconteceu.” Winston Churchill  Considerações ...

Ver mais

Loop
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A entrevista de Jair Bolsonaro ao programa Roda Viva, na TV Cultura, deu o que falar. Não pelos motivos esperados, por paradoxal que pareça; mas pela inexperiência dos jornalistas, que fizeram um ...

Ver mais

Cafezinho 97 – Os ciclos
Cafezinho 97 – Os ciclos
A vida acontece, em ciclos. E fica a cada dia mais ...

Ver mais

Cafezinho 96 – A cozinha e a lixeira
Cafezinho 96 – A cozinha e a lixeira
O Brasil é uma grande cozinha. Nela existe uma lixeira. ...

Ver mais

Cafezinho 95 – Banco traseiro
Cafezinho 95 – Banco traseiro
A fila anda! A gente muda! O tempo passa! O mundo é ...

Ver mais

Cafezinho 94 – Jornalismo e civilidade
Cafezinho 94 – Jornalismo e civilidade
O povo quer personalidade, opinião consistente e gente ...

Ver mais

E se fosse diferente?

E se fosse diferente?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A esquerda em geral, e oportunistas em particular, usaram a morte da vereadora carioca Marielle Franco, assassinada a tiros em 14/03, como palanque; e da forma mais vitimista possível. É óbvio que os assassinos devem ser encontrados, julgados e apodrecer na cadeia; mas usaram a morte dessa pobre mulher como munição contra algo que classificam como “extrema direita” – inexistente no Brasil. Se “ser de direita” já é praticamente um crime de pensamento, que dirá pertencer ao seu extremo. Enfim: Tratam a morte de Marielle como crime político maquinado por Temer, FHC e qualquer outro que não goste de Lula ou seu séquito de babões. Esqueceram convenientemente que crime político, queima de arquivo, foi a morte de Celso Daniel, que ia abrir a boca sobre fatos que só descobrimos com o advento da Lava Jato. Mas isso é outro assunto, morto e enterrado, com ou sem trocadilho.

Não se sabe quem matou Marielle, mas suponhamos, como alega a extrema esquerda (essa sim em índices epidêmicos aqui na Banânia), que os mandantes do crime foram Sérgio Moro, Donald Trump, FHC, Temer, o fantasma de Médici e outros que o momento possa sugerir, e que foi executado pela CIA, FBI, Exército Brasileiro e Polícia, todos juntos, babando de alegria por exterminar uma pobre mulher por puro prazer.

Vamos supor que esse bando de assassinos monstruosos, golpistas e sei-lá-mais-o-que sejam identificados como responsáveis pelo crime. E suponhamos que isso ocorra neste mês. Um inquérito policial seria aberto e que, em meio a perícias, análises de filmes, objetos, cápsulas de balas e testemunhas variadas, bem como inquiridos todos os bandidões neonazistas-racistas-genocidas-misóginos declarados, a investigação fosse concluída em um ou dois anos. Gleisi Hoffman, Lindbergh Farias, Maria do Rosário, Paulo Pimenta e toda a claque lulista estaria pedindo prisão imediata de todos eles, se possível sua decapitação com um machado pouco afiado pra aumentar o suplício dos infelizes. De preferência com Jean Wyllys recitando discursos de Fidel Castro ao megafone, à sombra de uma estátua de Stalin, esse apóstolo incompreendido.

E suponhamos que o ministério público denuncie esses vilões de filme de terror, sendo a denúncia aceita, e depois de uns 400 recursos de seus advogados (que a extrema esquerda vai chamar de bandidos, cafajestes, imundos, defensores de assassinos e etc), julgados, saia uma sentença em uns 10 ou 12 anos. Daí, novos recursos, uns 893 no mínimo, com juízes xingados e agredidos publicamente mas contando com o apoio de jornais-TVs-mídias (todas obviamente escravos dos EUA e odiando pobres, índios e nordestinos) e em mais uns 14 anos o processo chegaria, em 27 carretas, ao STJ, com todos os monstruosos assassinos e mandantes livres como pássaros. Mais uns 5 anos, e as carretas, agora em número de 43, levariam esse mar de papel ao STF, aguardando mais uma chuva de recursos, alguns deles importados do direito  islandês e tasmaniano. Lá, depois de uma intoxicação de papel, liminares, discursos e perorações intermináveis, bem como a leitura do parecer escrito por um ET advogado vindo de Saturno, o processo seria finalizado com uma sessão corrida de 17 dias, na qual 2 dos 11 ministros morreriam de exaustão, e outros 4.645 espectadores de pura chatice. Então, finalmente, em 2051, viria a condenação final. Ufa. Mas nada de prender ninguém. A lulada, Dilma à frente, recorreria à ONU, à banda da marinha da Bolívia e à associação de bairros de Piratininga denunciando demora proposital no julgamento. Os russos aplaudiriam o discurso de Dilminha, achando que ela falava em coreano; os coreanos do norte também, mas crendo que ela discursava em russo. Sucesso total.

No transcurso de todos esses anos, a extrema esquerda gritaria, berraria, esgoelaria, aqui e no exterior, nas ruas e nas mídias “progressistas” guevaristas-lulistas-cubânicas que essa demora toda era só para inocentar tais monstros, que os juízes eram comprados e os promotores nazistas, a polícia federal formada por torturadores sem coração; artistas “engajados”, militantes “ativistas” exigiriam o enforcamento imediato de todos – depois de linchados, obviamente – porque essa coisa de julgamento não passa de mania burguesa, muito chata. As luletes cacarejariam sobre a demora ser apenas álibi para atingir a prescrição e a impunidade, esse terror legalizado, aproveitado só por bandidos. Histéricos, repetiriam todo santo dia que bandido não pode ficar fora da cadeia, ou seja, prisão imediata dos assassinos; se desse, escalpelados. Até serem lembrados que a justiça estava cumprindo exatamente o que eles defendiam como privilégio exclusivo de Lula: Prisão só em ultimíssima instância, depois de percorridos todos os Tribunais e consultado o fantasma de Lênin no terreiro de Pai Chávez de Ogumzovitch.

Aí, nos embargos dos embargos dos embargos dos embargos dos embargos dos embargos dos embargos dos embargos, a plêiade nazi-imperialista seria totalmente inocentada. Motivo? A alegação, acolhida, de não serem criminosos; apenas fizeram o que todo mundo faz, vítimas de uma sociedade corrupta contaminando as pessoas, originalmente puras como anjos.

Sinal trocado, como na matemática ginasiana, essa insanidade, esse hospício jurídico, é tudo que a esquerda defende em prol de Lula como fosse a coisa mais correta do mundo. Mas aí seria justiça de primeiríssima qualidade, companheiro. Injustiça é só no caso de “nós” (eles) perderem, e “eles” (nós) vencermos.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes