Iscas Intelectuais
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

583 – A regra dos dois desvios
583 – A regra dos dois desvios
Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mudança, inovação e o espírito conservador
Bruno Garschagen
Ciência Política
Mudei de casa recentemente. Muito mais do que necessário, mudei porque quis, porque considerei que seria melhor. Mudar é sempre, porém, um tormento. Embalar os pertences, transportá-los para ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Mesmo uma obra de arte, só tem utilidade de houver uma ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

E se Allende tivesse vencido no Chile em 1973?

E se Allende tivesse vencido no Chile em 1973?

Luciano Pires -

Mais um daqueles textos provocativos de Leandro Narloch que tira o sono de uns aí.

Bem-vindo à República Socialista do Chile, o segundo mais duradouro regime comunista da América Latina. Em setembro de 2013, o Chile comemora os 40 anos da Revolução Salvadora, o heroico episódio em que o presidente Salvador Allende derrotou as tropas do general Augusto Pinochet e implantou um regime revolucionário de partido único que se mantém vibrante até hoje.

Aos 105 anos, mas em pleno vigor intelectual, Salvador Allende continua no cargo de líder supremo da revolução. Desde 2006, ele delegou a maior parte de seus poderes à sua sobrinha Isabel Allende.

Em seu mais recente discurso, proferido durante quatro horas na Praça Mao Tsé-tung e exibido em nosso único canal de TV, Isabel Allende afirmou que as armas nucleares chilenas só serão usadas contra o Peru e a Argentina caso esses países insistam em financiar dissidentes.

São inegáveis os ganhos da revolução. A taxa de analfabetismo e a mortalidade infantil estão entre as de países desenvolvidos –e muito acima dos vizinhos latino-americanos. É verdade que o Chile enfrenta um longo racionamento de comida e o desabastecimento de produtos. Mas é preciso esclarecer que são falhas causadas pelo bloqueio econômico dos Estados Unidos.

Além disso, o governo acaba de anunciar novas fábricas estatais de produtos básicos, que deverão sanar os problemas de abastecimento de pão e roupas já em 2019. Outra boa notícia é que grande parte dos trabalhadores ingressará nas novas indústrias por vontade própria.

Uma das obras de maior destaque da arquitetura socialista chilena é o Muro Chile-Peru. Com extensão total de 160 quilômetros, cobrindo a fronteira com o vizinho do norte, o muro foi construído com a ajuda de engenheiros da Alemanha Oriental. Além da importância como monumento, bem mais imponente que o Muro de Berlim, a obra tem a função de evitar que chilenos incapazes de entender os ideais da revolução caiam nas garras do imperialismo capitalista.

Como toda a revolução que desafia as elites, o regime chileno tem opositores. Blogueiros e organizações, financiados pela CIA, acusam o governo Allende de maquiar estatísticas relevantes para o cálculo do IDH, censurar jornais e ter executado, num fictício campo de concentração no deserto do Atacama, pelo menos 400 mil dissidentes.

É verdade que houve conflitos a partir de 1973, mas os mortos somam a metade desse número –e eram todos eles agentes infiltrados da CIA e seus informantes, condenados em nossos tribunais revolucionários.

Também há exagero na estimativa de chilenos que morreram de frio nos Andes ao tentar atravessar a pé a fronteira para a Argentina. Os opositores da revolução falam em 340 mil mortos –mas o número total não chega a um terço disso.

É lamentável que alguns cidadãos, tomados pelo individualismo burguês, recusem-se a contribuir com a revolução. Não se pode levar a sério os opositores. Dizem que o Chile seria hoje o país mais rico da região se tivesse optado por uma postura econômica neoliberal. Ora, isso é risível. Alucinações e disparates como esse jamais conseguirão abalar os grandes feitos do Via Chilena do Comunismo.


Texto de Leandro Narloch, publicado originalmente em http://linkis.com/folha.com/GF6E

LEANDRO NARLOCH, 35, é jornalista e autor de “Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil” e coautor de “Guia Politicamente Incorreto da América Latina” (ambos pela editora LeYa)

Ver Todos os artigos de Luciano Pires