Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
Mais um programa musical. E daqueles, cara. Você sabe ...

Ver mais

617 – O Clube da Música Autoral
617 – O Clube da Música Autoral
Uma das coisas mais fascinantes de quem se dispõe, como ...

Ver mais

616 – Na média
616 – Na média
Num ambiente construído para que as pessoas fiquem “na ...

Ver mais

615 – Fake News? Procure o viés
615 – Fake News? Procure o viés
Nova Iorque, madrugada de março de 1964. No bairro do ...

Ver mais

LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
Professor, consultor, com vasta experiência no setor ...

Ver mais

LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 - Hoje conversamos com Tiemi Yamashita, ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Lições de viagem 11 – Santa Catarina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 11 Santa Catarina e seus diferenciais  Percebi que me encontrava num estado diferenciado na primeira vez que estive em Santa Catarina, em 1980, quando fui ministrar aulas em dois ...

Ver mais

Solidão em rede: estamos cada vez mais solitários
Mauro Segura
Transformação
Vivemos a "cultura do estresse", de não perder tempo e usar cada minuto para sermos mais produtivos. Mas isso tem um preço.

Ver mais

1936, 1984, 1918
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, ...

Ver mais

Região de conflito duplamente em foco
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Região de conflito duplamente em foco “Fronteiras? Nunca vi uma. Mas ouvi dizer que existem na mente de algumas pessoas.” Thor Heyerdahl Não é sempre que alguns dos focos mais controvertidos das ...

Ver mais

Cafezinho 82 – Paciência
Cafezinho 82 – Paciência
O que uma árvore frondosa precisa para se manter firme ...

Ver mais

Cafezinho 81 – A Confederação
Cafezinho 81 – A Confederação
A Confederação mais eficiente do Brasil é a dos bandidos.

Ver mais

Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Ao contrário do que acreditam coxinhas e petralhas, o ...

Ver mais

Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Engajamento vem do francês engager, que quer dizer “se ...

Ver mais

E Marx tinha razão…

E Marx tinha razão…

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Karl Marx (um dia se provará antepassado de Groucho), era um comediante não intencionado. Legou toda uma horda de comediantes sem graça, mas também algumas coisas aproveitáveis, como a frase sobre a História se repetir; uma vez como tragédia, e outra como farsa (trecho de O 18 Brumário de Luís Bonaparte). Se não conhecia o Brasil, ao menos deveria prever o espírito de seus seguidores – ele mesmo um parasita, abastecido pela mesada de Friedrich Engels (dizem não ser a única coisa que o outro alemão lhe fornecia), sem trabalhar e morando com todo o conforto em Londres, cidade que lhe serviu de palco, durante a revolução industrial, para estúpidas teses como a mais-valia e outras demências.

Eis que chega a hora de outra farsa. A nossa.

Até o mais avesso à História do Brasil já ouviu falar do grande Osvaldo Cruz, saneador do Rio de Janeiro (então capital federal) e de outras importantes cidades portuárias, como Santos. Não foi uma tarefa simples; em 1903, o presidente da República Rodrigues Alves deu-lhe carta branca para afastar a praga da Febre Amarela. Custasse o que custasse. Basicamente, limpando as cidades dos focos do mosquito transmissor. Mas a situação era pavorosa; a doença se alastrara, e as mortes multiplicavam-se. Navios estrangeiros evitavam nossos portos, apavorados com a peste.

Pra piorar a situ de Cruz, o povo se pelava de medo da vacina; mesmo sem whatsApp, os boatos cresciam exponencialmente à moda antiga, de boca em boca, por sobre os muros vizinhos, nas conversas de comadres: Quem fosse inoculado sofreria uma série de doenças, poderia até morrer. Enfim, nada muito diferente dos hoaxes atuais (e tem cada um… taspariu, como brasileiro é crédulo). A revolta foi tão grave, tão profunda, que o Exército foi chamado a conter a população insurgente, contrária à vacinação obrigatória (a charge da época, acima, é autoexplicativa); foi a Revolta da Vacina, em 1904. A ciência venceu a parada e, resolvida a pinimba, tá tranquilo, tá favorável, Cruz continuou seu trabalho em vastas regiões amazônicas. Pegou firme e pesado até 1909.

Os ingratos (e ignorantes) brasileiros quase levaram Cruz ao túmulo. Porém, o corajoso cientista não cedeu às pressões e boçalidades reinantes; venceu a Febre Amarela (e outras doenças), livrando o povo da praga, instituindo a vacinação obrigatória, fundando institutos de pesquisa e fábricas de vacinas. De quebra, recolocou o Brasil na rota da marinha mercante e no comércio mundial. Hoje, esse paulista é reconhecido como um dos grandes vultos da Pátria. Um herói de fato, admirado internacionalmente pelo trabalho magistral.

O nome do vetor, do transmissor da febre amarela, combatido por Cruz 110 anos atrás, é nosso conhecido: Mosquito Aedes Aegypti.

Pois é. O mosquito fragorosamente derrotado há mais de um século, à base de tecnologia primária – alicerçada com muito empenho, tenacidade, trabalho duro, honestidade – é o mesmo que hoje Dilma chama de “mosquita”. Bom, pra quem diz “presidenta”, nada a estranhar. Mas olha o Aedes de novo aí geeeeeente… mais de 100 anos passados, trazendo Zika, Dengue e baratos afins.

Marx estava certo (só nisso): A História se repete, e a farsa está aí, pra quem quiser ver (lulistas e milicianos-mortadela são imunes à razão). Dilma quer combater a “mosquita” com discurso, com palavrório. Fala em “guerra”, em união de brasileiros, como lemas de coesão. Coisa babaca, ridícula, anacrônica, calhorda, com cheiro do mesmo bolor dos anos em que abraçava o terrorismo em nome da cubanização do Brasil. A única coisa que essa sujeita quer é permanecer no poder, não importando o preço (literal ou não). E assim segue a coisa, com muito discurso e nenhum resultado. Enquanto isso, povo doente, hospitais lotados, sofrimento no varejo e no atacado. E nenhuma esperança racional.

Novamente citando Marx (ao contrário) e seu 18 Brumário, só uma Revolução pode salvar a Banânia, que desce a ladeira sem freios, na maior recessão dos últimos 25 anos e na maior demência dos últimos 100; mas uma Revolução Industrial, óbvio, tal e qual a da Inglaterra nos séculos XVIII e XIX. Porque o que essa gentinha denomina “revolução” só traz desemprego, miséria, picaretas cubanos, doença, desespero, falência, fome, corrupção, ódio, mentira, conversa mole. E Aedes. Como tragédia e como farsa.

 

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes