Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

639 – Chega de falar de política
639 – Chega de falar de política
Diversos ouvintes mandam mensagens pedindo para que eu ...

Ver mais

638 – O efeito Dunning-Kruger
638 – O efeito Dunning-Kruger
Cara, eu fico besta com a quantidade de gente que ...

Ver mais

637 – LíderCast 10
637 – LíderCast 10
Olha só, chegamos na décima temporada do LíderCast. Com ...

Ver mais

636 – As duas éticas da eleição
636 – As duas éticas da eleição
Gravei um LíderCast da Temporada 11, que só vai ao ar ...

Ver mais

LíderCast 132 – Alessandro Loiola
LíderCast 132 – Alessandro Loiola
Médico, escritor, um intelectual inquieto, capaz de ...

Ver mais

LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
Henrique Szklo e Lena Feil – Henrique se apresenta como ...

Ver mais

LíderCast 130 – Katia Carvalho
LíderCast 130 – Katia Carvalho
Mudadora de vidas, alguém que em vez de apenas lamentar ...

Ver mais

LíderCast 129 – Guga Weigert
LíderCast 129 – Guga Weigert
DJ e empreendedor, que a partir da experiência com a ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Quem não é capaz de rir de si mesmo será sempre um intolerante em potencial
Henrique Szklo
Humorista de verdade não tem lado, não tem ideologia, não tem bandeira. Independentemente de sua posição pessoal, tem de ser livre o suficiente para atirar em tudo o que se mexe e no que não se ...

Ver mais

Capitalismo Versus Esquerdismo*
Alessandro Loiola
Uma das consequências involuntárias do capitalismo é que ele coloca diferentes culturas e sociedades em contato direto muito mais amplo umas com as outras. Liga as pessoas entre si muito mais ...

Ver mais

A cavalgada de um cowboy
Jota Fagner
Origens do Brasil
Cowboy não havia dormido bem. Tinha feito corridas até às duas da manhã. O trabalho como moto-taxista costumava não render muito, mas em época de alta temporada a demanda era muito grande. ...

Ver mais

O ENEM e a (anti-)educação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Nos dois últimos fins-de-semana, milhões de candidatos ao ensino superior realizaram as provas do ENEM. O vestibular é o telos do ensino fundamental e médio no Brasil. As escolas privadas assumem ...

Ver mais

Cafezinho 125 – O chute
Cafezinho 125 – O chute
Se o governador mentiu ou se enganou, peço desculpas ...

Ver mais

Cafezinho 124 – À luz do sol
Cafezinho 124 – À luz do sol
É assim, com a luz do sol, que a gente faz a limpeza.

Ver mais

Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Ter consciência sobre o que é certo e errado todo mundo ...

Ver mais

Cafezinho 122 – Vira a chave
Cafezinho 122 – Vira a chave
Mudar de assunto no calor dos acontecimentos é ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo

É mais fácil seguir o grupo

Jota Fagner - Origens do Brasil -

Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico.

A esquerda acredita na chegada do socialismo real, a direita no liberalismo redentor. Comecemos pelo socialismo. Segundo essa crença, as pessoas terão igualdade de oportunidades numa sociedade muito mais integrada e empática. O liberalismo, por sua vez, prega uma perspectiva não menos utópica. De acordo com essa visão de mundo, basta deixar o mercado com total liberdade que ele se autorregulará. Esse processo seria, na concepção liberal, o único modo de diminuir as desigualdades e permitir que a história siga o seu rumo natural em direção a uma sociedade mais justa.

É claro que eu estou fazendo simplificações grosseiras das duas correntes ideológicas, mas é só para que fique evidente o quanto elas são, em essência, utópicas. A ideia de uma evolução social contínua deixa de considerar os movimentos de resistência e oposição. Não acredito num processo histórico que seja linear, etapista e escatológico. Um pouco de estudo da História pode ajudar na compreensão do quanto alguns processos são cíclicos, outros são completamente caóticos, imprevisíveis, desordenados.

A necessidade humana de colocar ordem em tudo contribui para essa escatologia reinante. Além disso, temos a herança do cristianismo que, como argumenta John Gray, forneceu alicerce teórico para as religiões políticas dos últimos séculos.

Observe o fervor das militâncias nos centros universitários, nas organizações comerciais, nas redações de jornais e revistas, nos ambientes públicos. É pura e simples pregação religiosa e doutrinária.

John Gray afirma que,

A política moderna é um capítulo na história da religião. Os grandes movimentos revolucionários que tanto influenciaram a história dos dois últimos séculos foram episódios da história da fé: momentos do longo processo de dissolução do cristianismo e ascensão da moderna religião política. O mundo em que vivemos no início do novo milênio está coberto de escombros de projetos utópicos, os quais, embora estruturados em termos seculares que negavam a verdade da religião, constituíam de fato veículos para os mitos religiosos.

Num país em que faz parte da cultura se apegar a todos os santos e crenças, as religiões políticas encontraram solo fértil para sua proliferação e desenvolvimento. Mas essa não é uma característica exclusiva dos brasileiros, é apenas mais uma apropriação cultural que desenvolveu traços muito regionais e caricatos. Gray complementa sua análise explicando que,

Apesar de ser apresentada nas roupagens de ciência social, esta crença de que a humanidade estaria no limiar de uma nova era não passa da mais recente versão de crenças apocalípticas que remontam às épocas mais antigas.

Em resumo, estamos substituindo as religiões tradicionais por suas versões políticas. Semelhante ao cristão recém convertido, o militante deseja pregar a boa-nova a todos que encontrar em seu caminho. Às vezes, no entanto, acontece de o evangelizador encontrar alguém que milita por um credo diferente. É nesse momento que a intolerância pode resultar em perda da civilidade. E é sobre isso que precisamos refletir constantemente. Afinal, que tipo de avanço acreditamos estar construindo quando a simples diferença de opinião transforma o outro em alguém inferior? Será que as diferenças só devem ser aceitas quando nos é conveniente? É preciso abandonar o comportamento de manada, é preciso refletir em privado. Infelizmente é mais fácil seguir o grupo.

 

José Fagner Alves Santos

Ver Todos os artigos de Jota Fagner