Iscas Intelectuais
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

652 – A realidade real
652 – A realidade real
Vivemos um tempo no qual muita gente tem dificuldades ...

Ver mais

651 – Era uma vez…
651 – Era uma vez…
A melhor forma de ensinar política para crianças – e ...

Ver mais

650 – A Espiral do Silêncio
650 – A Espiral do Silêncio
Temos um sexto sentido para perceber a tendência da ...

Ver mais

649 – Quando eu tiver 64
649 – Quando eu tiver 64
Fui dar uma olhada nos comentários dos ouvintes do Café ...

Ver mais

LíderCast 140 – Carlos Nepomuceno
LíderCast 140 – Carlos Nepomuceno
Doutor em Ciência da Informação, jornalista, escritor e ...

Ver mais

Vem aí a Temporada 11 do LíderCast
Vem aí a Temporada 11 do LíderCast
Está chegando a Temporada 11 do LíderCast!

Ver mais

LíderCast 139 – Nívio Delgado
LíderCast 139 – Nívio Delgado
De carinha do Xerox a Diretor Superintendente da maior ...

Ver mais

LíderCast 138 – Ricardo Abiz
LíderCast 138 – Ricardo Abiz
Empreendedor também, um pioneiro em diversas áreas de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

A vida é muito melhor com boechatividade
Henrique Szklo
Como a maioria dos brasileiros, fiquei consternado com a morte do jornalista Ricardo Eugênio Boechat. Não posso dizer que eu era exatamente um fã, mas como sob minha perspectiva, ele utilizou em ...

Ver mais

Noblesse Oblige
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não dá pra saber quem é pior: A autora da bobagem, orgulhosa de sua total falta de noção, ou quem a defende, alegando lutar contra uma misoginia tão falsa quanto a cara de pau do arrivismo ...

Ver mais

Venezuela, Reforma Previdência & Futuro PT
Carlos Nepomuceno
Resumo da Live: Assistir completa: Formação Digital Bimodal: Programa de Formação Bimodal Lives antigas: https://nepo.com.br/category/o-melhor-de-2019/lives-do-nepo-o-digital-na-politica/

Ver mais

Metade cheia do copo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Metade cheia do copo Um pouco de otimismo, pra variar  “A troca está para a evolução cultural como o sexo está para a evolução biológica.” Matt Ridley Em agosto do ano passado, a convite do ...

Ver mais

Cafezinho 151 – Chato à Bessa
Cafezinho 151 – Chato à Bessa
É impressionante ver como o mundo mudou.

Ver mais

Cafezinho 150 – O PAI
Cafezinho 150 – O PAI
No Brasil, imediato é longo prazo.

Ver mais

Cafezinho 149 – Nação, não governo
Cafezinho 149 – Nação, não governo
O Ministro da Educação anuncia que vai impulsionar o ...

Ver mais

Cafezinho 148 – Os Hostis
Cafezinho 148 – Os Hostis
Neste final de semana o Brasil parou para assistir a ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo

É mais fácil seguir o grupo

Jota Fagner - Origens do Brasil -

Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico.

A esquerda acredita na chegada do socialismo real, a direita no liberalismo redentor. Comecemos pelo socialismo. Segundo essa crença, as pessoas terão igualdade de oportunidades numa sociedade muito mais integrada e empática. O liberalismo, por sua vez, prega uma perspectiva não menos utópica. De acordo com essa visão de mundo, basta deixar o mercado com total liberdade que ele se autorregulará. Esse processo seria, na concepção liberal, o único modo de diminuir as desigualdades e permitir que a história siga o seu rumo natural em direção a uma sociedade mais justa.

É claro que eu estou fazendo simplificações grosseiras das duas correntes ideológicas, mas é só para que fique evidente o quanto elas são, em essência, utópicas. A ideia de uma evolução social contínua deixa de considerar os movimentos de resistência e oposição. Não acredito num processo histórico que seja linear, etapista e escatológico. Um pouco de estudo da História pode ajudar na compreensão do quanto alguns processos são cíclicos, outros são completamente caóticos, imprevisíveis, desordenados.

A necessidade humana de colocar ordem em tudo contribui para essa escatologia reinante. Além disso, temos a herança do cristianismo que, como argumenta John Gray, forneceu alicerce teórico para as religiões políticas dos últimos séculos.

Observe o fervor das militâncias nos centros universitários, nas organizações comerciais, nas redações de jornais e revistas, nos ambientes públicos. É pura e simples pregação religiosa e doutrinária.

John Gray afirma que,

A política moderna é um capítulo na história da religião. Os grandes movimentos revolucionários que tanto influenciaram a história dos dois últimos séculos foram episódios da história da fé: momentos do longo processo de dissolução do cristianismo e ascensão da moderna religião política. O mundo em que vivemos no início do novo milênio está coberto de escombros de projetos utópicos, os quais, embora estruturados em termos seculares que negavam a verdade da religião, constituíam de fato veículos para os mitos religiosos.

Num país em que faz parte da cultura se apegar a todos os santos e crenças, as religiões políticas encontraram solo fértil para sua proliferação e desenvolvimento. Mas essa não é uma característica exclusiva dos brasileiros, é apenas mais uma apropriação cultural que desenvolveu traços muito regionais e caricatos. Gray complementa sua análise explicando que,

Apesar de ser apresentada nas roupagens de ciência social, esta crença de que a humanidade estaria no limiar de uma nova era não passa da mais recente versão de crenças apocalípticas que remontam às épocas mais antigas.

Em resumo, estamos substituindo as religiões tradicionais por suas versões políticas. Semelhante ao cristão recém convertido, o militante deseja pregar a boa-nova a todos que encontrar em seu caminho. Às vezes, no entanto, acontece de o evangelizador encontrar alguém que milita por um credo diferente. É nesse momento que a intolerância pode resultar em perda da civilidade. E é sobre isso que precisamos refletir constantemente. Afinal, que tipo de avanço acreditamos estar construindo quando a simples diferença de opinião transforma o outro em alguém inferior? Será que as diferenças só devem ser aceitas quando nos é conveniente? É preciso abandonar o comportamento de manada, é preciso refletir em privado. Infelizmente é mais fácil seguir o grupo.

 

José Fagner Alves Santos

Ver Todos os artigos de Jota Fagner