Iscas Intelectuais
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

597 – Simplifique
597 – Simplifique
O programa de hoje é um presente. Reproduzimos na ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Num cafezinho anterior falei sobre a importância de ...

Ver mais

Cafezinho 38 – A agarra
Cafezinho 38 – A agarra
Basta implantar uma dúvida, uma agarra... e pronto! A ...

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

É a economia, estúpido!… Será mesmo?

É a economia, estúpido!… Será mesmo?

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

É a economia, estúpido!… Será mesmo?

 Economia, política e eleições

“Mesmo com a retomada do crescimento econômico, há problemas com a qualidade do emprego que boa parte da população americana atualmente possui – isso porque, no pós-crise, muitos conseguiram trabalho em tempo parcial e fora das áreas de especialização, coisas que o índice geral de desemprego não capta, mas que explicam a percepção da sociedade em relação à deterioração de sua qualidade de vida.”

Fernanda Magnotta

A expressão que serve de título a este artigo tornou-se conhecida por ocasião da campanha presidencial de Bill Clinton. Foi criada por James Carville, então assessor da campanha de Bill Clinton e foi estampada no QG de campanha do Partido Democrata. Ela captava o espírito predominante na época e foi fator determinante para a vitória sobre George Bush: os eleitores estavam mais preocupados com a crise econômica do que com o triunfo de Bush na Guerra do Golfo.

A relação entre a economia e a política, aliás, foi sempre vista como fator essencial para definir o resultado de disputas eleitorais. Embora a política não seja tão simples e linear, o que se constatava é que quando a economia ia bem, a possibilidade de vitória de quem concorria pela oposição era remota, uma vez que quem estava no poder, sendo associado ao bom momento da economia, tinha grande chance de se reeleger ou de fazer o sucessor.

As campanhas eleitorais exploravam fortemente tal relação e as pesquisas e as matérias divulgadas pela mídia davam eco à mesma.

A dúvida, diante de alguns episódios recentes é: será que a expressão permanece válida?

Confirmando a hipótese, temos pelo menos dois casos muito próximos. O primeiro, ocorrido no final do ano passado, teve lugar na Argentina, com a vitória de Mauricio. Macri, que disputou a Presidência da República fazendo clara oposição ao governo de Cristina Kirchner, cuja gestão era associada por parcela considerável da população como responsável pela aguda crise econômica e social num país que chegou a ter, na metade do século passado, um padrão de vida superior ao de alguns países do sul e do leste da Europa.

O segundo, ainda mais próximo, foi visto nas eleições municipais realizadas no Brasil, onde o grande derrotado foi o Partido dos Trabalhadores (PT). Depois de treze anos exercendo o poder em nível federal, os candidatos do PT foram associados à perversa combinação representada pela péssima gestão e corrupção generalizada. Diante dessa percepção por parte da ampla maioria da população, não foi surpresa a estrondosa derrota dos candidatos do partido, tanto para prefeito como para vereador.

Outros casos, porém, põem em xeque a relação entre situação econômica favorável e resultado eleitoral.

Comecemos pelo exemplo que teve mais repercussão, o dos Estados Unidos. O país chegou às eleições presidenciais com um crescimento econômico consistente iniciado após a grave crise econômico-financeira que teve origem no sistema hipotecário em 2007/2008, com um nível de desemprego baixíssimo e com a avalição positiva do presidente Barack Obama, que obteve uma boa recuperação no final de seus oito anos de mandato. Com esses elementos, era natural esperar a vitória da candidata do Partido Democrata apoiada por Obama, a experiente ex-secretária de Estado Hillary Clinton. Entretanto, quem acabou se elegendo foi o candidato do Partido Republicano, um bem sucedido empresário sem qualquer experiência política e que, durante a campanha, usou e abusou de um discurso e de ações provocativas e preconceituosas.

Na própria América do Sul há um caso que merece uma análise especial, o do Peru. A economia peruana foi a que mais cresceu – junto com a do Paraguai – nas últimas duas décadas. A tabela 1 mostra que, com exceção de 2001 e 2009, quando a crise que teve origem no sistema hipotecário americano teve efeito devastador em todos os países, o Peru cresceu num ritmo bastante satisfatório.

Tabela 1

Produto Interno Bruto (PIB) – Taxa de Crescimento Real

 (crescimento anual do PIB ajustado pela inflação e expressa como uma porcentagem)

Ano Crescimento do PIB (%)
1999 2,4
2000 3,6
2001 -0,3
2002 4,8
2003 4,0
2004 4,5
2005 6,4
2006 8,0
2007 9,0
2008 9,8
2009 0,9
2010 8,8
2011 6,9
2012 6,3
2013 5,1
2014 2,4
2015 3,3

Fonte: CIA World Factbook

Em que pese o excelente desempenho da economia, nenhum dos últimos presidentes conseguiu fazer seu sucessor (no Peru não é permitida a reeleição, embora um presidente possa se candidatar depois de se manter afastado por um mandato). A questão, porém, é mais complexa, pois não apenas foram incapazes de eleger seus sucessores, mas também chegaram ao final de seus mandatos com índices baixíssimos de aprovação, não raras vezes com percentuais inferiores a 10%. Tornando a análise ainda mais difícil, todos os presidentes eleitos deram, com pequenas adaptações, continuidade à política econômica do presidente anterior.

Chamou a atenção, no caso das recentes eleições norte-americanas, a incapacidade das agências de pesquisa bem como da maior parte da imprensa de captar a intenção do eleitorado, o que também se verificou, nos últimos tempos, em duas consultas plebiscitárias, a que redundou na saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) e a representada pela recusa dos colombianos ao acordo de paz firmado pelo governo com o grupo terrorista das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

O que está por trás desses resultados que provocaram enorme surpresa?

Com a palavra os especialistas em política e em comunicação.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências e indicações bibliográficas

GIANNETTI, Eduardo. Os bastidores do desastre. Valor Econômico. Caderno Eu & Fim de Semana, 18 de novembro de 2016, pp. 4 -6.

SAFATLE, Claudia, BORGES, João e OLIVEIRA, Ribamar. Anatomia de um desastre. São Paulo: Portfolio-Penguin, 2016.

Referências e indicações webgráficas

BBC. Trump e Brexit: 5 fatores em comum. Disponível em http://g1.globo.com/mundo/eleicoes-nos-eua/2016/noticia/2016/11/trump-e-brexit-5-fatores-em-comum.html.

MAGNOTTA, Fernanda. “Aqui a gente vê que não é só o Brasil que está no fim da linha”, diz especialista brasileira nos EUA. Disponível em http://noticias.r7.com/internacional/aqui-a-gente-ve-que-nao-e-so-o-brasil-que-esta-no-fim-da-linha-diz-especialista-brasileira-nos-eua-03112016.

MAGNOTTA, Fernanda e DOMINGUES, Juliano. O que esperar da ‘maioria silenciosa’? Disponível em http://brasil.estadao.com.br/blogs/tudo-em-debate/o-que-esperar-da-maioria-silenciosa/.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado