Iscas Intelectuais
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

583 – A regra dos dois desvios
583 – A regra dos dois desvios
Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mudança, inovação e o espírito conservador
Bruno Garschagen
Ciência Política
Mudei de casa recentemente. Muito mais do que necessário, mudei porque quis, porque considerei que seria melhor. Mudar é sempre, porém, um tormento. Embalar os pertences, transportá-los para ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Mesmo uma obra de arte, só tem utilidade de houver uma ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

Duas listas diferentes

Duas listas diferentes

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Já assistiu A Lista de Schindler? Não? Assista, é excelente. Já viu? Veja de novo. Uma das cenas mais tocantes é a da elaboração da lista de pessoas que o protagonista pretende “comprar” do diretor do campo de extermínio de Auschwitz para impedir que sejam enviadas às câmaras de gás. Foi chamada de A Lista da Vida, com toda razão. Quem lá estava seria salvo; quem não estivesse caminharia para a morte lenta e agônica. Os escolhidos passaram à História como “os judeus de Schindler”, mais de 2 mil seres humanos salvos da morte certa pela coragem de um único homem. Estive visitando Auschwitz em 2009, e posso garantir que é uma das maiores representações da expressão “inferno na Terra” de que já se teve notícia. Sair de lá com vida era praticamente um milagre, que um milhão de exterminados e apenas um punhado de sobreviventes confirma.

Estar na lista era sinônimo de salvação.

Aqui, na Banânia, deputistas e senateiros de vários partidos, apoiados de forma retumbante pela escumalha em fuga da lava Jato, decidiram criar uma nova lista de salvação, desta feita inspirada pelos mais baixos instintos, e não pela hombridade. Uma lista de auto-salvação, uma lista de morte – morte da democracia.

Essa imundície em forma de projeto de lei pode ser assim explicada: Uma variante de eleição proporcional, na qual o eleitor (melhor chamar de vítima mesmo) opta não pelos candidatos de sua preferência, mas sim por uma entre várias listas fechadas, de candidatos escolhidos pelos partidos. O fim do mundo.

Resumo da ópera: Segundo essa gentalha, aprovada essa indecência, não votaríamos mais em candidatos, só em partidos. Não é de espantar que essa calhordagem sem limites parta exatamente de quem está enroladíssimo com a justiça. É uma forma de maquiar a situação ruim e levar a vítima, ops, eleitor, a engolir um (ou mais) peixe podre no meio dos bagres de sempre. Eunício Oliveira (PMDB/CE), cuja folha corrida dispensa maiores apresentações, afirma que a aprovação dessa imundície é “fundamental”. Só se for para ele; para nós, aqui no fundo do porão do navio negreiro da Banânia, vivendo com as migalhas que Brasília nos envia com ares de soberba magnânima, seria passagem só de ida para o inferno. Se já estamos num purgatório tentando escolher os menos piores, avaliem só se não pudermos contar nem ao menos com essa opção?

Não por acaso, a lulada amou a ideia, abraçando-a com carinho e ânimo desmedidos. Os sujeitos, independentemente de partido (visto que nenhum deles apresenta uma linha de pensamento e conduta digna de assim ser chamada, pois o desejo de locupletar-se sobrepõe qualquer ideologia, filosofia ou razão política), unem-se contra nós e a favor, unicamente, deles próprios, e a prova cabal disso é um detalhe do projeto, uma fofura: Os parlamentares atuais teriam preferência nessas listas fechadas, mantendo o foro privilegiado e a enorme probabilidade de reeleição. Não é um mimo?

Tenham vergonha na cara, por favor. Pelo menos um mínimo, só pra disfarçar.

Aprovada essa imundície, estaremos ainda mais próximos da Venezuela – no sentido da desgraça total. Vade retro. E atenção: Pra valer já nas eleições de 2018, essa bandidagem teria de ser aprovada até setembro deste ano. Dá pra sentir na cara e no suor abundante dos inimigos da democracia o desespero pra acelerar a coisa toda.

A lista de Schindler tirava as pessoas do horror. A de Eunício nos leva a ele. E sem volta.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes