Iscas Intelectuais
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

601 – Alfabetização para a Mídia II
601 – Alfabetização para a Mídia II
Publicamos um videocast sobre Alfabetização para a ...

Ver mais

600 – God Save The Queen
600 – God Save The Queen
Café Brasil 600... Chegou a hora de comemorar outra ...

Ver mais

599 – Gastando tempo
599 – Gastando tempo
Quem ouve o Café Brasil há algum tempo sabe da minha ...

Ver mais

598 – O bovárico
598 – O bovárico
Madame Bovary é um livro clássico que nos apresenta a ...

Ver mais

LíderCast 97 – Michael Oliveira
LíderCast 97 – Michael Oliveira
Michael Oliveira, que é criador e apresentador do ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e ...

Ver mais

Como não combater a inflação
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Como não combater a inflação  O livro que, infelizmente, poucos leram “Os controles são profunda e intrinsecamente imorais. Substituindo o governo da lei e da cooperação voluntária no mercado ...

Ver mais

Como vencer um debate tendo razão
Bruno Garschagen
Ciência Política
O estrondoso sucesso do psicólogo canadense Jordan Peterson tem mostrado coisas extremamente interessantes sobre como parte da sociedade reage diante de alguém que sabe defender corajosamente as ...

Ver mais

O oitavo círculo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Faz uns bons anos, no departamento de trânsito de uma pequena e pacata cidade do interior paulista. Um cliente sofreu alguns danos em seu carro, devido aos quebra-molas exagerados, muito acima ...

Ver mais

Cafezinho 48 – As reformas
Cafezinho 48 – As reformas
Reformas estruturais implicam em mudanças na forma como ...

Ver mais

Cafezinho 47 – Os poblema
Cafezinho 47 – Os poblema
Como as mídias sociais revelaram o tamanho do desastre ...

Ver mais

Cafezinho 46 – Experimente
Cafezinho 46 – Experimente
Experimente abrir uma empresa. Seja o dono.

Ver mais

Cafezinho 45 – O louco
Cafezinho 45 – O louco
Na semana passada, quase sete anos após a apresentação ...

Ver mais

Duas listas diferentes

Duas listas diferentes

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Já assistiu A Lista de Schindler? Não? Assista, é excelente. Já viu? Veja de novo. Uma das cenas mais tocantes é a da elaboração da lista de pessoas que o protagonista pretende “comprar” do diretor do campo de extermínio de Auschwitz para impedir que sejam enviadas às câmaras de gás. Foi chamada de A Lista da Vida, com toda razão. Quem lá estava seria salvo; quem não estivesse caminharia para a morte lenta e agônica. Os escolhidos passaram à História como “os judeus de Schindler”, mais de 2 mil seres humanos salvos da morte certa pela coragem de um único homem. Estive visitando Auschwitz em 2009, e posso garantir que é uma das maiores representações da expressão “inferno na Terra” de que já se teve notícia. Sair de lá com vida era praticamente um milagre, que um milhão de exterminados e apenas um punhado de sobreviventes confirma.

Estar na lista era sinônimo de salvação.

Aqui, na Banânia, deputistas e senateiros de vários partidos, apoiados de forma retumbante pela escumalha em fuga da lava Jato, decidiram criar uma nova lista de salvação, desta feita inspirada pelos mais baixos instintos, e não pela hombridade. Uma lista de auto-salvação, uma lista de morte – morte da democracia.

Essa imundície em forma de projeto de lei pode ser assim explicada: Uma variante de eleição proporcional, na qual o eleitor (melhor chamar de vítima mesmo) opta não pelos candidatos de sua preferência, mas sim por uma entre várias listas fechadas, de candidatos escolhidos pelos partidos. O fim do mundo.

Resumo da ópera: Segundo essa gentalha, aprovada essa indecência, não votaríamos mais em candidatos, só em partidos. Não é de espantar que essa calhordagem sem limites parta exatamente de quem está enroladíssimo com a justiça. É uma forma de maquiar a situação ruim e levar a vítima, ops, eleitor, a engolir um (ou mais) peixe podre no meio dos bagres de sempre. Eunício Oliveira (PMDB/CE), cuja folha corrida dispensa maiores apresentações, afirma que a aprovação dessa imundície é “fundamental”. Só se for para ele; para nós, aqui no fundo do porão do navio negreiro da Banânia, vivendo com as migalhas que Brasília nos envia com ares de soberba magnânima, seria passagem só de ida para o inferno. Se já estamos num purgatório tentando escolher os menos piores, avaliem só se não pudermos contar nem ao menos com essa opção?

Não por acaso, a lulada amou a ideia, abraçando-a com carinho e ânimo desmedidos. Os sujeitos, independentemente de partido (visto que nenhum deles apresenta uma linha de pensamento e conduta digna de assim ser chamada, pois o desejo de locupletar-se sobrepõe qualquer ideologia, filosofia ou razão política), unem-se contra nós e a favor, unicamente, deles próprios, e a prova cabal disso é um detalhe do projeto, uma fofura: Os parlamentares atuais teriam preferência nessas listas fechadas, mantendo o foro privilegiado e a enorme probabilidade de reeleição. Não é um mimo?

Tenham vergonha na cara, por favor. Pelo menos um mínimo, só pra disfarçar.

Aprovada essa imundície, estaremos ainda mais próximos da Venezuela – no sentido da desgraça total. Vade retro. E atenção: Pra valer já nas eleições de 2018, essa bandidagem teria de ser aprovada até setembro deste ano. Dá pra sentir na cara e no suor abundante dos inimigos da democracia o desespero pra acelerar a coisa toda.

A lista de Schindler tirava as pessoas do horror. A de Eunício nos leva a ele. E sem volta.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes