Iscas Intelectuais
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Bolsonaro e Transformação Digital
Carlos Nepomuceno
Vivemos o início de Revolução Civilizacional na qual ao se plantar um "pé de cooperativa de táxi" por mais que se tome litros de Design Thinking não nasce nunca um Uber.

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Do Sucesso a depressão

Do Sucesso a depressão

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

pitbull ataque

 

Do Sucesso a depressão

Estes dias fui instigado por uma série de artigos e comentários que infelizmente acabei lendo nas redes sociais sobre a morte do ator norte americano Robin Williams que sofreu de depressão por mais de 10 anos se tratando sem êxito. No ar um vazio e a dúvida: Por que?

 

Mas ele não foi o único: O comediante John Belushi; o cantor do Nirvana Kurt Cobain; O Ator australiano Heath Ledger; a dupla Champignon e Chorão; o humorista Hermes, só para citar alguns de uma lista imensa. O que passa?

 

Um dos comentários mais comuns que vi nestes últimos dias é um bem típico de quem não sabe nada sobre depressão. Mas ele era rico, tinha tudo, podia sair com quem quisesse, era famoso.

Nestes mais de 20 anos de prática profissional como analista e psicólogo clínico atendi muita gente de sucesso e dinheiro com depressão: atores, cantores, empresários. Uma doença não escolhe quem vai atacar. Uma boa parte das pessoas não sabe que dinheiro, poder e solidão andam juntos.

Muita gente que tem sucesso não tem direito a levar uma vida comum. Não tem sossego pra comer um lanche em um shopping center, e ou sair com o filho em um parquinho. A fama tem um alto preço. Muitos para manter o sucesso vivenciam uma profunda despersonalização virando um papel, uma representação, um joguete das rodas sociais e das revistas de fofoca.

Muitos tem uma profunda perda de identidade que deteriora, sonhando com a vida comum, mas permanecendo presos pelo poder ao que foi conquistado.

 

Muitas pessoas não sabem que os pacientes com depressão são pessoas com alma sensível, mais observadoras, críticas da existência. O outro lado da melancolia descrita na filosofia por Hipócrates e por Sócrates mostra existir consciência porém com o rompimento da alegria, o ser que fica desanimado, sem vontade. Na antiguidade isto já fazia parte das observações que hoje boa parte das pessoas não percebe.

 

Hoje na estrutura social que vivemos na qual sofremos uma intensa despersonalização, na qual existe o rompimento notório da identidade, em uma estrutura na qual pessoas se transformam diariamente em objetos descartáveis, em uma sociedade violenta, competitiva, na qual a religião virou apenas negócio, não é de se estranhar que exista uma enxurrada de casos de depressão que atinge todas as classes, credo,  todos os níveis de formação intelectual, todas as raças.  A depressão nada mais é que o retrato claro da perda da humanidade, da ruptura com a essência, da nulidade da vontade. Uma boa parte das pessoas já não sabe mais quem é, e qual foi um dia o sonho de sua vida. Alienação e banalidade que para uma alma sensível mata. Poderia ficar semanas escrevendo sobre os vários fatores da depressão.

 

Mas o que me incomoda é ver o sadismo coletivo que rotula, diagnostica, e por fim traça o perfil de um desconhecido por e para uma doença que hoje tem ar de instituição, é o grande carimbo. O fruto disto é o patrulhamento ideológico, o isolamento, o preconceito que surge pelos profissionais de saúde se alastrando por toda sociedade. Por isto relatos de pacientes se tratando há mais de 10 anos sem melhora. Quem se importa?

Uma doença que tem cura, levada por profissionais, por boa parte da sociedade, pela indústria que lucra, com superficialidade. Não foi um ator que morreu, foi mais um de nós que me faz pensar e refletir: até quando vamos tratar deste assunto com banalidade?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima