Iscas Intelectuais
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica “Nossos filhos terão mais de quase tudo, com uma gritante exceção: eles não terão mais tempo. À medida que a renda e os salários ...

Ver mais

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem
Henrique Szklo
Tem gente que acha que os políticos não são corruptos. Nós é que somos certinhos demais. Já o meu amigo Rodriguez diz que o pior tipo de político é o honesto, porque, além de trouxa, é traidor da ...

Ver mais

Somos quem podemos ser
Jota Fagner
Origens do Brasil
Já faz um tempo que venho desiludido quanto aos resultados da educação. Ainda acredito que ela seja essencial, mas já consigo enxergar que não basta. Uma pessoa bem instruída não é garantia de ...

Ver mais

História da riqueza no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
História da riqueza no Brasil  Cinco séculos de pessoas, costumes e governos “A proposta de uma revolução copernicana na análise e interpretação da história do Brasil – esta é a marca ...

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Meu voto é estratégico, para aquilo que o momento exige.

Ver mais

Do respeito à lei

Do respeito à lei

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Por Adalberto Piotto

Não é preciso ser jurista pra ver o quanto é estapafúrdia a tese de anulação dos atos de Cunha, o do impeachment em especial, para o gosto do governo e do PT, dado o seu afastamento do mandato e da presidência da Câmara, decisão liminar do ministro Teori Zavascki referendada pelo pleno do STF nesta quinta.

O argumento matreiro – e por que não golpista – da AGU de José Eduardo Cardoso, não se sustenta legal e factualmente.

No momento da aceitação do pedido impeachment, Eduardo Cunha gozava de suas prerrogativas de presidente da Câmara. Não exercê-las para o acolhimento ou não do pedido de impeachment, é que seria “desvio de função”, como alega Cardoso no seu desesperado ofício de atestar como ilegal e imoral tudo o que escancare as ilegalidades de Dilma.

Além do mais, há um fato inegável que foram os votos de 376 deputados pela admissibilidade do pedido de impedimento.

A Câmara poderia recusar. Não o fez. Fez, sim, o contrário, levando o processo ao Senado. Tudo ritualizado pelo Supremo, detentor de todas as informações.

Anular as decisões de Cunha, dentro de suas prerrogativas, seria o mesmo que imaginar a anulação de todos os atos de Dilma se ela for afastada definitivamente ou condenada.

Anularam-se os de Collor? Não. Porque não se cassou sua candidatura, teoricamente o único caso capaz de invalidar um eleito.

Mesmo assim, até que se afaste ou se condene alguém, o réu se mantém no seu direito de defesa ou no exercício de seus direitos e prerrogativas. E isso é legal e regido por legislação própria que não condena ninguém até que sejam obedecidos todos os ritos e procedimentos do processo legal.

Ignorar isso tudo na defesa de teses estapafúrdias ao arrepio da lei, sob o desespero da causa perdida, é ignorar a Constituição, o Estado Democrático de Direito, o modus operandi do Congresso e, por que não dizer, a lógica.

Dilma, por ora, e os parlamentares até o final de seus mandatos foram eleitos e estão no exercício de suas funções até que a lei os tire de lá, goste-se ou não deles.

Assim como Cunha esteve até ontem.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto