Iscas Intelectuais
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

579 – A arte de falar merda
579 – A arte de falar merda
Tenha um filtro, meu caro, minha cara. Para o bem do ...

Ver mais

578 – O Círculo de ouro
578 – O Círculo de ouro
Você já parou para pensar que talvez ninguém faça ...

Ver mais

577 – Dois pra lá, dois pra cá
577 – Dois pra lá, dois pra cá
Existe uma divisão política, social e cultural no ...

Ver mais

576 – Gratitude
576 – Gratitude
Gratitude vem do inglês e francês e significa que ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 – Lúcia Helena Galvão Maya é diretora da ...

Ver mais

LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 – Tito Gusmão – Tito Gusmão é um jovem ...

Ver mais

LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 –Marcio Appel executivo à frente da ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Sorte? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Chamam a atenção frases do tipo… “Não me inveje, trabalhe!”. Costuma enfeitar vidros traseiros e para-choques de caminhão. E o motivo é simples: Pode não decorar um luxuosíssimo Bugatti ...

Ver mais

Os jacobinos da “nova direita”
Bruno Garschagen
Ciência Política
Quando os antissocialistas mimetizam a mentalidade e a ação política do inimigo, tornam-se o espelho da perfídia.

Ver mais

A hora e a vez da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A hora e a vez da criatividade  Por que não no Brasil? “Eu olho para as coisas como elas sempre foram e pergunto: Por quê? Eu olho para as coisas como elas poderão vir a ser e pergunto: Por que ...

Ver mais

Cala a boca, Magdo!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quem não se lembra do “Cala a boca, Magda”, repetido por Caco Antibes no Sai de Baixo? Magda, sua esposa, era de uma estupidez oceânica, e o bordão era gritado a cada asneira dita pela bela ...

Ver mais

Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Sobre como aprender com nossos insucessos, ...

Ver mais

Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
O nome disso é livre mercado, goste você de Pimenta ...

Ver mais

Cafezinho 4 – A intolerância
Cafezinho 4 – A intolerância
Uma organização conhecida por investir em cultura ...

Ver mais

Cafezinho 3 – A inércia
Cafezinho 3 – A inércia
Issac Newton escreveu que “um objeto que está em ...

Ver mais

Diferentes olhares

Diferentes olhares

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Diferentes olhares

Metade cheia e metade vazia do copo

“Nós tivemos uma economia no ano passado caindo, e no ano anterior também, uma queda que se acentuou um pouco mais do que se estava esperando. Quando a economia começa a crescer, como é o caso agora, mas sai de uma base um pouco mais baixa, ela tem um crescimento médio, comparado com a média do ano anterior, menor.”

Henrique Meirelles

A economia, que entre outras coisas já foi chamada de “ciência lúgubre”, constitui-se, inegavelmente, num campo do conhecimento abrangente, complexo e repleto de peculiaridades que tornam a sua compreensão uma tarefa que pode exigir atenção e ampla capacidade de interpretação.

Duas publicações lançadas quase ao mesmo tempo apresentam pontos de vista diametralmente opostos a respeito da economia brasileira, deixando o leitor menos atento – ou menos preparado – completamente perdido.

A primeira delas apareceu na prestigiosa revista The Economist, cuja matéria de capa, com o titulo On the up (Para cima), focaliza a surpreendente retomada do crescimento da economia mundial. A capa mostra sete balões, representando as economias dos Estados Unidos, China, União Europeia, Reino Unido, Japão, Índia e Brasil.

A matéria deve ter sido comemorada pelo governo brasileiro, em especial pela equipe econômica liderada pelo ministro Henrique Meirelles, pois reflete o início da recuperação da nossa economia, após dois anos com queda acumulada do PIB de 7,2%. Diversos acontecimentos contribuíram para o clima de relativo otimismo constante na matéria, entre os quais podem ser destacados: (i) o aumento divulgado pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, em fevereiro, de 35.612 empregos, depois de 22 meses de queda; (ii) o sucesso nos leilões de concessão de quatro aeroportos pelo governo federal, evidenciando clara disposição de investidores do Brasil e do exterior em voltar a apostar no País; e (iii) a divulgação da agência de avaliação de riscos de crédito Moody’s de que manteve o grau Ba2 do Brasil, alterando, porém, a nota de sua dívida soberana de negativa para estável, o que pode ser entendido como um primeiro passo rumo à reconquista do grau de investimento (investment grade).

A segunda, que não mereceu qualquer comemoração, está contida no Relatório Anual das Nações Unidas sobre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), em que 159 países registraram melhora, 13 registraram queda e 16 ficaram estagnados, entre os quais o Brasil. Ainda assim, o País permanece no grupo classificado como sendo de Alto Desenvolvimento Humano. O IDH considera quatro níveis: muito alto, alto, médio e baixo. Este resultado põe fim ao avanço que o Brasil vinha experimentando nas últimas onze edições do Relatório.

O IDH representa um avanço nos indicadores de desenvolvimento dos países. Antigamente, as classificações (ou rankings) consideravam apenas a variação anual do Produto Interno Bruto (PIB) de cada país, o que consistia numa comparação meramente quantitativa da variação do que cada país produzia de um ano para outro. Posteriormente, a ONU passou a considerar o Coeficiente de Gini, cuja representação gráfica era a Curva de Lorenz, em que se considerava não apenas a variação da renda nacional, mas também o seu grau de distribuição. O IDH, concebido com a colaboração de Amartya Sen, ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 1998, é mais abrangente, composto por indicadores de três dimensões: saúde (em que considera não apenas a mortalidade infantil, mas também a longevidade); educação (considerando não só o grau de analfabetismo, mas também o volume de matrículas nos três níveis de ensino); e a renda per capita, calculada com base no critério de paridade do poder de compra.

O IDH trabalha com uma escala de 0 a 1 e o Brasil alcançou o indicador de 0,754, repetindo o resultado do ano anterior, o que lhe confere a 79ª posição do ranking, empatado com ilha de Granada. A título de informação, o primeiro lugar no ranking ficou com a Noruega, que alcançou o IDH de 0,949.

Examinando os dados do Relatório, constata-se que o fator que mais contribuiu para o fraco desempenho do Brasil foi o indicador renda, consequência do crescimento negativo registrado pela economia brasileira em 2015 (ano em que os dados foram coletados) e 2016, o que significa que não se pode esperar resultado muito diferente no Relatório do ano que vem, uma vez que o PIB per capta caiu 8,5% em 2015 e 2016, mais até do que a queda acumulada do PIB. Como bem observou o Prof. Fernando de Holanda Barbosa Filho, pesquisador da FGV-RJ: “Como o IDH não piorou, ficou estável, quer dizer que a gente continua evoluindo em saúde e educação”.

Como é possível duas interpretações tão diferentes?

Neste caso, a explicação não é tão difícil. A matéria da revista The Economist leva em conta os recentes avanços conseguidos na área econômica e faz uma projeção considerando a possiblidade de melhora. Sua análise, portanto, é feita olhando para o futuro. Já a análise contida no Relatório da ONU considera apenas os indicadores de 2015 referentes à saúde, à educação e à renda per capita. Seu resultado, portanto, é feito com base nos dados do passado.

Diferentes olhares, diferentes interpretações: um dos olhares vê o lado cheio do copo, a expectativa de melhora; o outro vê o lado vazio do copo, o mau desempenho recente da economia brasileira.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências e indicações bibliográficas

FORMENTI, Lígia. Desenvolvimento freia pela 1ª vez em 11 anos; Brasil está mais desigual, diz IDH. O Estado de S. Paulo, 22 de março de 2017, p. A 14.

MACHADO, Luiz Alberto. A dança dos números.  Ideias Liberais, Ano V, Nº 87, 1998.

Referências e indicações webgráficas

MACEDO, Roberto. Índices de Confiança voltaram a subir em janeiro. Disponível em http://espacodemocratico.org.br/artigo/roberto-macedo-indices-de-confianca-voltaram-a-subir-em-janeiro/.

PASCARELLI, Mario. O conformismo do subdesempenho satisfatório. Disponível em http://www.mariopascarelli.com/2017/03/22/o-conformismo-subdesempenho-satisfatorio/.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado