Iscas Intelectuais
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica “Nossos filhos terão mais de quase tudo, com uma gritante exceção: eles não terão mais tempo. À medida que a renda e os salários ...

Ver mais

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem
Henrique Szklo
Tem gente que acha que os políticos não são corruptos. Nós é que somos certinhos demais. Já o meu amigo Rodriguez diz que o pior tipo de político é o honesto, porque, além de trouxa, é traidor da ...

Ver mais

Somos quem podemos ser
Jota Fagner
Origens do Brasil
Já faz um tempo que venho desiludido quanto aos resultados da educação. Ainda acredito que ela seja essencial, mas já consigo enxergar que não basta. Uma pessoa bem instruída não é garantia de ...

Ver mais

História da riqueza no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
História da riqueza no Brasil  Cinco séculos de pessoas, costumes e governos “A proposta de uma revolução copernicana na análise e interpretação da história do Brasil – esta é a marca ...

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Meu voto é estratégico, para aquilo que o momento exige.

Ver mais

Diferentes olhares

Diferentes olhares

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Diferentes olhares

Metade cheia e metade vazia do copo

“Nós tivemos uma economia no ano passado caindo, e no ano anterior também, uma queda que se acentuou um pouco mais do que se estava esperando. Quando a economia começa a crescer, como é o caso agora, mas sai de uma base um pouco mais baixa, ela tem um crescimento médio, comparado com a média do ano anterior, menor.”

Henrique Meirelles

A economia, que entre outras coisas já foi chamada de “ciência lúgubre”, constitui-se, inegavelmente, num campo do conhecimento abrangente, complexo e repleto de peculiaridades que tornam a sua compreensão uma tarefa que pode exigir atenção e ampla capacidade de interpretação.

Duas publicações lançadas quase ao mesmo tempo apresentam pontos de vista diametralmente opostos a respeito da economia brasileira, deixando o leitor menos atento – ou menos preparado – completamente perdido.

A primeira delas apareceu na prestigiosa revista The Economist, cuja matéria de capa, com o titulo On the up (Para cima), focaliza a surpreendente retomada do crescimento da economia mundial. A capa mostra sete balões, representando as economias dos Estados Unidos, China, União Europeia, Reino Unido, Japão, Índia e Brasil.

A matéria deve ter sido comemorada pelo governo brasileiro, em especial pela equipe econômica liderada pelo ministro Henrique Meirelles, pois reflete o início da recuperação da nossa economia, após dois anos com queda acumulada do PIB de 7,2%. Diversos acontecimentos contribuíram para o clima de relativo otimismo constante na matéria, entre os quais podem ser destacados: (i) o aumento divulgado pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, em fevereiro, de 35.612 empregos, depois de 22 meses de queda; (ii) o sucesso nos leilões de concessão de quatro aeroportos pelo governo federal, evidenciando clara disposição de investidores do Brasil e do exterior em voltar a apostar no País; e (iii) a divulgação da agência de avaliação de riscos de crédito Moody’s de que manteve o grau Ba2 do Brasil, alterando, porém, a nota de sua dívida soberana de negativa para estável, o que pode ser entendido como um primeiro passo rumo à reconquista do grau de investimento (investment grade).

A segunda, que não mereceu qualquer comemoração, está contida no Relatório Anual das Nações Unidas sobre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), em que 159 países registraram melhora, 13 registraram queda e 16 ficaram estagnados, entre os quais o Brasil. Ainda assim, o País permanece no grupo classificado como sendo de Alto Desenvolvimento Humano. O IDH considera quatro níveis: muito alto, alto, médio e baixo. Este resultado põe fim ao avanço que o Brasil vinha experimentando nas últimas onze edições do Relatório.

O IDH representa um avanço nos indicadores de desenvolvimento dos países. Antigamente, as classificações (ou rankings) consideravam apenas a variação anual do Produto Interno Bruto (PIB) de cada país, o que consistia numa comparação meramente quantitativa da variação do que cada país produzia de um ano para outro. Posteriormente, a ONU passou a considerar o Coeficiente de Gini, cuja representação gráfica era a Curva de Lorenz, em que se considerava não apenas a variação da renda nacional, mas também o seu grau de distribuição. O IDH, concebido com a colaboração de Amartya Sen, ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 1998, é mais abrangente, composto por indicadores de três dimensões: saúde (em que considera não apenas a mortalidade infantil, mas também a longevidade); educação (considerando não só o grau de analfabetismo, mas também o volume de matrículas nos três níveis de ensino); e a renda per capita, calculada com base no critério de paridade do poder de compra.

O IDH trabalha com uma escala de 0 a 1 e o Brasil alcançou o indicador de 0,754, repetindo o resultado do ano anterior, o que lhe confere a 79ª posição do ranking, empatado com ilha de Granada. A título de informação, o primeiro lugar no ranking ficou com a Noruega, que alcançou o IDH de 0,949.

Examinando os dados do Relatório, constata-se que o fator que mais contribuiu para o fraco desempenho do Brasil foi o indicador renda, consequência do crescimento negativo registrado pela economia brasileira em 2015 (ano em que os dados foram coletados) e 2016, o que significa que não se pode esperar resultado muito diferente no Relatório do ano que vem, uma vez que o PIB per capta caiu 8,5% em 2015 e 2016, mais até do que a queda acumulada do PIB. Como bem observou o Prof. Fernando de Holanda Barbosa Filho, pesquisador da FGV-RJ: “Como o IDH não piorou, ficou estável, quer dizer que a gente continua evoluindo em saúde e educação”.

Como é possível duas interpretações tão diferentes?

Neste caso, a explicação não é tão difícil. A matéria da revista The Economist leva em conta os recentes avanços conseguidos na área econômica e faz uma projeção considerando a possiblidade de melhora. Sua análise, portanto, é feita olhando para o futuro. Já a análise contida no Relatório da ONU considera apenas os indicadores de 2015 referentes à saúde, à educação e à renda per capita. Seu resultado, portanto, é feito com base nos dados do passado.

Diferentes olhares, diferentes interpretações: um dos olhares vê o lado cheio do copo, a expectativa de melhora; o outro vê o lado vazio do copo, o mau desempenho recente da economia brasileira.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências e indicações bibliográficas

FORMENTI, Lígia. Desenvolvimento freia pela 1ª vez em 11 anos; Brasil está mais desigual, diz IDH. O Estado de S. Paulo, 22 de março de 2017, p. A 14.

MACHADO, Luiz Alberto. A dança dos números.  Ideias Liberais, Ano V, Nº 87, 1998.

Referências e indicações webgráficas

MACEDO, Roberto. Índices de Confiança voltaram a subir em janeiro. Disponível em http://espacodemocratico.org.br/artigo/roberto-macedo-indices-de-confianca-voltaram-a-subir-em-janeiro/.

PASCARELLI, Mario. O conformismo do subdesempenho satisfatório. Disponível em http://www.mariopascarelli.com/2017/03/22/o-conformismo-subdesempenho-satisfatorio/.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado