Iscas Intelectuais
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
Neste cenário onde até “bom dia” leva patada, o que é ...

Ver mais

647 – Father Hunger
647 – Father Hunger
Quanta gente perdida e desorientada, quanta carência, ...

Ver mais

646 – Harry Nilsson
646 – Harry Nilsson
Mais um daqueles especiais musicais que você gosta ...

Ver mais

645 – O Brasil e a demanda por dar certo
645 – O Brasil e a demanda por dar certo
Estamos em período de mudanças ou apenas nos preparando ...

Ver mais

LíderCast 139 – Nívio Delgado
LíderCast 139 – Nívio Delgado
De carinha do Xerox a Diretor Superintendente da maior ...

Ver mais

LíderCast 138 – Ricardo Abiz
LíderCast 138 – Ricardo Abiz
Empreendedor também, um pioneiro em diversas áreas de ...

Ver mais

LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
Empreendedor, sócio da Pronto Light, outro típico ...

Ver mais

LíderCast 136 – Paulo Farnese
LíderCast 136 – Paulo Farnese
Empreendedor, fundador da agência EAí?, envolvido com ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Liberte-se de sua profissão
Mauro Segura
Transformação
A profissão é uma espécie de carimbo, que nos identifica como profissional e sela nosso reconhecimento. Por outro lado, o carimbo de uma profissão pode ser extremamente limitante, fechando portas ...

Ver mais

Da cor do Racismo Espanhol 2: a luta por justiça continua…
Jota Fagner
Origens do Brasil
E a minha amiga, a professora que foi discriminada na Espanha, continua seu relato. Por: Stella da Silva Lima   Uma professora espanhola viaja até o Brasil para visitar a irmã, também ...

Ver mais

O que move o ser humano é o desejo de não se mover um dia
Henrique Szklo
Tudo o que o homem criou e que deu certo desde o tempo em que vivíamos em cima das árvores, ou seja, desde os primórdios de nossa existência, está relacionado ao desejo de conquistar mais ...

Ver mais

Biografias para começar bem o ano
Mauro Segura
Transformação
Período de férias é sempre bom para ler livros. Aqui você encontra dezenas de recomendações de livros de biografias que foram referendados pelos usuários do LinkedIn.

Ver mais

Cafezinho 143 – 13 dias
Cafezinho 143 – 13 dias
É pra descer a lenha mesmo, cobrar o que está errado, ...

Ver mais

Cafezinho 142 – Renan Não
Cafezinho 142 – Renan Não
Eu não sei o que você está fazendo aí, cara, mas eu ...

Ver mais

Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Como cães de Pavlov, estamos condicionados a babar.

Ver mais

Cafezinho 140 – A Espiral do Silêncio
Cafezinho 140 – A Espiral do Silêncio
Não enxergar o que Temer fez de bom foi uma escolha à ...

Ver mais

Diferentes olhares

Diferentes olhares

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Diferentes olhares

Metade cheia e metade vazia do copo

“Nós tivemos uma economia no ano passado caindo, e no ano anterior também, uma queda que se acentuou um pouco mais do que se estava esperando. Quando a economia começa a crescer, como é o caso agora, mas sai de uma base um pouco mais baixa, ela tem um crescimento médio, comparado com a média do ano anterior, menor.”

Henrique Meirelles

A economia, que entre outras coisas já foi chamada de “ciência lúgubre”, constitui-se, inegavelmente, num campo do conhecimento abrangente, complexo e repleto de peculiaridades que tornam a sua compreensão uma tarefa que pode exigir atenção e ampla capacidade de interpretação.

Duas publicações lançadas quase ao mesmo tempo apresentam pontos de vista diametralmente opostos a respeito da economia brasileira, deixando o leitor menos atento – ou menos preparado – completamente perdido.

A primeira delas apareceu na prestigiosa revista The Economist, cuja matéria de capa, com o titulo On the up (Para cima), focaliza a surpreendente retomada do crescimento da economia mundial. A capa mostra sete balões, representando as economias dos Estados Unidos, China, União Europeia, Reino Unido, Japão, Índia e Brasil.

A matéria deve ter sido comemorada pelo governo brasileiro, em especial pela equipe econômica liderada pelo ministro Henrique Meirelles, pois reflete o início da recuperação da nossa economia, após dois anos com queda acumulada do PIB de 7,2%. Diversos acontecimentos contribuíram para o clima de relativo otimismo constante na matéria, entre os quais podem ser destacados: (i) o aumento divulgado pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, em fevereiro, de 35.612 empregos, depois de 22 meses de queda; (ii) o sucesso nos leilões de concessão de quatro aeroportos pelo governo federal, evidenciando clara disposição de investidores do Brasil e do exterior em voltar a apostar no País; e (iii) a divulgação da agência de avaliação de riscos de crédito Moody’s de que manteve o grau Ba2 do Brasil, alterando, porém, a nota de sua dívida soberana de negativa para estável, o que pode ser entendido como um primeiro passo rumo à reconquista do grau de investimento (investment grade).

A segunda, que não mereceu qualquer comemoração, está contida no Relatório Anual das Nações Unidas sobre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), em que 159 países registraram melhora, 13 registraram queda e 16 ficaram estagnados, entre os quais o Brasil. Ainda assim, o País permanece no grupo classificado como sendo de Alto Desenvolvimento Humano. O IDH considera quatro níveis: muito alto, alto, médio e baixo. Este resultado põe fim ao avanço que o Brasil vinha experimentando nas últimas onze edições do Relatório.

O IDH representa um avanço nos indicadores de desenvolvimento dos países. Antigamente, as classificações (ou rankings) consideravam apenas a variação anual do Produto Interno Bruto (PIB) de cada país, o que consistia numa comparação meramente quantitativa da variação do que cada país produzia de um ano para outro. Posteriormente, a ONU passou a considerar o Coeficiente de Gini, cuja representação gráfica era a Curva de Lorenz, em que se considerava não apenas a variação da renda nacional, mas também o seu grau de distribuição. O IDH, concebido com a colaboração de Amartya Sen, ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 1998, é mais abrangente, composto por indicadores de três dimensões: saúde (em que considera não apenas a mortalidade infantil, mas também a longevidade); educação (considerando não só o grau de analfabetismo, mas também o volume de matrículas nos três níveis de ensino); e a renda per capita, calculada com base no critério de paridade do poder de compra.

O IDH trabalha com uma escala de 0 a 1 e o Brasil alcançou o indicador de 0,754, repetindo o resultado do ano anterior, o que lhe confere a 79ª posição do ranking, empatado com ilha de Granada. A título de informação, o primeiro lugar no ranking ficou com a Noruega, que alcançou o IDH de 0,949.

Examinando os dados do Relatório, constata-se que o fator que mais contribuiu para o fraco desempenho do Brasil foi o indicador renda, consequência do crescimento negativo registrado pela economia brasileira em 2015 (ano em que os dados foram coletados) e 2016, o que significa que não se pode esperar resultado muito diferente no Relatório do ano que vem, uma vez que o PIB per capta caiu 8,5% em 2015 e 2016, mais até do que a queda acumulada do PIB. Como bem observou o Prof. Fernando de Holanda Barbosa Filho, pesquisador da FGV-RJ: “Como o IDH não piorou, ficou estável, quer dizer que a gente continua evoluindo em saúde e educação”.

Como é possível duas interpretações tão diferentes?

Neste caso, a explicação não é tão difícil. A matéria da revista The Economist leva em conta os recentes avanços conseguidos na área econômica e faz uma projeção considerando a possiblidade de melhora. Sua análise, portanto, é feita olhando para o futuro. Já a análise contida no Relatório da ONU considera apenas os indicadores de 2015 referentes à saúde, à educação e à renda per capita. Seu resultado, portanto, é feito com base nos dados do passado.

Diferentes olhares, diferentes interpretações: um dos olhares vê o lado cheio do copo, a expectativa de melhora; o outro vê o lado vazio do copo, o mau desempenho recente da economia brasileira.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências e indicações bibliográficas

FORMENTI, Lígia. Desenvolvimento freia pela 1ª vez em 11 anos; Brasil está mais desigual, diz IDH. O Estado de S. Paulo, 22 de março de 2017, p. A 14.

MACHADO, Luiz Alberto. A dança dos números.  Ideias Liberais, Ano V, Nº 87, 1998.

Referências e indicações webgráficas

MACEDO, Roberto. Índices de Confiança voltaram a subir em janeiro. Disponível em http://espacodemocratico.org.br/artigo/roberto-macedo-indices-de-confianca-voltaram-a-subir-em-janeiro/.

PASCARELLI, Mario. O conformismo do subdesempenho satisfatório. Disponível em http://www.mariopascarelli.com/2017/03/22/o-conformismo-subdesempenho-satisfatorio/.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado