Iscas Intelectuais
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

692 – Jabustiça
692 – Jabustiça
Justiça... onde é que a gente encontra a justiça? Nos ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

LíderCast 179 – Varlei Xavier
LíderCast 179 – Varlei Xavier
Professor, que levou a figura do palhaço para a sala de ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

O chamado da tribo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O chamado da tribo Grandes pensadores para o nosso tempo “O liberalismo é inseparável do sistema democrático como regime civil de poderes independentes, liberdades públicas, pluralismo político, ...

Ver mais

A chave de fenda
Chiquinho Rodrigues
Toninho Macedo era um daqueles músicos de fim de semana. Amava música e tocava seu cavaquinho “de brincadeira” (como ele dizia) aos sábados e domingos em uma banda de pagode ali do bairro onde ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Cafezinho 230 – Onde começam as grandes causas
Cafezinho 230 – Onde começam as grandes causas
Você tem a força. Mas antes de colocá-la nas grandes ...

Ver mais

Cafezinho 229 – Manicômio Legal
Cafezinho 229 – Manicômio Legal
O manicômio legal no qual estamos presos.

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Destaques da Aula 5 do Curso on-line de Filosofia (COF)

Destaques da Aula 5 do Curso on-line de Filosofia (COF)

Eduardo Ferrari - Resumos e Artigos -

Lembremos que o objetivo dessa série é chamar atenção para o conteúdo do Curso On-line de Filosofia, que pode ser acessado na página do Seminário de Filosofia. Os principais destaques da aula de 2h59min serão apresentados em menos de 5 minutos de leitura, não substituem de forma alguma a experiência de assistir a uma aula completa do Professor Olavo de Carvalho e tem a finalidade de fisgar o leitor para que se torne aluno regular do COF.

No início da quinta aula do COF, em 25 de abril de 2009, o professor reforça a importância da formação literária para o estudo da filosofia. O livro do Olavo, Aristóteles em Nova Perspectiva — A teoria dos Quatro Discursos, trata exatamente disso: a poética (incluída a literatura de ficção) e os outros três tipos de discursos (retórica, dialética e lógica), compõem todo o ferramental do intelecto humano para descrever, estudar e compreender a realidade.

A leitura de clássicos da literatura fornece referências comparativas que são importantíssimas para a análise filosófica de situações reais. Por isso, os livros de ficção dos maiores autores de todos os tempos devem ser lidos como se as estórias e as reações humanas fossem reais. Para compreendermos as mazelas humanas, faz-se necessário trabalhar a imaginação por meio da literatura de ficção. Na mesma linha, um livro de filosofia deve ser lido não apenas partindo-se do pressuposto de que as narrativas sejam reais, mas principalmente deve-se imaginar quais foram as experiências vivenciadas pelo autor que o levaram àquelas conclusões.


Olavo chamou esse exercício de “reconstituição da experiência originária”, que seria responsável por 90% da compreensão de uma obra filosófica.


Ao responder uma pergunta de um aluno, Olavo citou Benedetto Croce, que dizia: “você não entende uma filosofia se você não sabe contra quem ela se levantou polemicamente”. Isso significa que para entender a obra de um filósofo você precisa pesquisar e entender o contexto histórico, dados biográficos, fatos reais da vida do autor e até mesmo quem ele estava tentando refutar com suas ideias. Tudo com o objetivo de conferir se o conteúdo filosófico do autor está respaldado por suas experiências sensíveis, de forma coesa.

Ao ser questionado por outro aluno sobre a existência de uma oposição entre a fé religiosa e a filosofia, o Professor responde que fé nos dias de hoje significa acreditar numa doutrina religiosa.


Porém, a fé relatada na Bíblia Sagrada não pode ser esse tipo de fé, pois não havia uma doutrina na época em que o Senhor Jesus viveu na Terra. A doutrina católica foi sendo construída para refutar os questionamentos dos incrédulos diante dos testemunhos das pessoas que narravam os acontecimentos vivenciados por elas na época de Jesus e dos Apóstolos.


Essa justificativa para o surgimento e o desenvolvimento da doutrina católica a partir da busca de explicações racionais para as objeções aos fatos narrados por testemunhas da época de Cristo, está descrita numa tradução espanhola de um livro raríssimo de Alois Dempf, publicada pela editora Gredos, chamada La concepción del mundo en la Edad Média. A argumentação para essas objeções foi sendo produzida de maneira caótica até que mil anos depois do nascimento e morte de Jesus, elas foram organizadas de maneira lógica em sumas teológicas.

A diferença entre evidência intuitiva e crença infundada consiste em que a primeira gira em torno de uma percepção decorrente da presença do objeto, diretamente ou imaginativamente. Essa existência real do objeto vale mais do que qualquer ideia a respeito dele. Olavo sugere que se busque o desenvolvimento desse senso da realidade concreta, citando Voegelin: “a experiência da realidade é em si mesma transcendente”. Uma crença, por sua vez, apenas permanece enquanto repetida à exaustão.

Segundo o Professor, a realidade é a fonte abundante de ensinamentos que nos guia no caminho da verdade. Diante da percepção da realidade e de sua imensidão, se tivermos a noção de quão ínfimos somos, estaremos no caminho da filosofia. Embora não tenha citado nesta aula, me lembro de outras ocasiões em que Olavo menciona a tensão existente entre saber que somos apenas um átomo na estrutura da realidade, mas que ao mesmo tempo nossa alma imortal transcende o tempo de duração de todas as coisas concretas e reais do mundo físico, que certamente não durarão para sempre como nossas almas.

Ao responder mais uma pergunta sobre a filosofia baseada em experiências reais da vida, Olavo afirmou que não se trata de interpretar sinais a partir da realidade, mas sim de contemplar a realidade como ela mesma se apresenta, citando Santo Tomás de Aquino:

“Nós escrevemos com palavras, mas Deus escreve com palavras e coisas.”

Essa é uma de minhas aulas preferidas, pois começa a se consolidar na cabeça do aluno o fato de que a filosofia nada mais é do que a busca da verdade por meio da tentativa incessante de compreender a realidade que nos cerca.

Ver Todos os artigos de Eduardo Ferrari