Iscas Intelectuais
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

679 – Será que acordamos?
679 – Será que acordamos?
Adalberto Piotto apresenta o programa Cenário Econômico ...

Ver mais

678 – Dominando a Civilidade
678 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

677 – Teorias da Conspiração
677 – Teorias da Conspiração
Vivemos numa sociedade assolada por grandes ...

Ver mais

676 – Homem na Lua 2
676 – Homem na Lua 2
Cinquenta anos atrás o homem pousou na Lua. Mas parece ...

Ver mais

LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
O Abbey é um imigrante africano, que chegou ao Brasil ...

Ver mais

LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
Um dos mais influentes profissionais de comunicação ...

Ver mais

LíderCast 164 – Artur Motta
LíderCast 164 – Artur Motta
Professor que fez transição de carreira e usa podcasts ...

Ver mais

LíderCast 163 – Amanda Sindman
LíderCast 163 – Amanda Sindman
Profissional de comunicação, jornalista e mulher trans. ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Resumo da Aula 2 do Curso On-line de Filosofia (COF)
Eduardo Ferrari
Resumos e Artigos
A segunda aula do COF, ministrada em 21 de março de 2009, teve a duração de 3h43min e foi resumida em menos de cinco minutos de leitura, com o objetivo de levar ao conhecimento do leitor uma ...

Ver mais

A quem interessa a divisão da sociedade?
Jota Fagner
Origens do Brasil
O atual estado de intolerância ao pensamento diferente, manifesto nas agressões que começam nas redes sociais e terminam em confrontos físicos no meio da rua, é o resultado de um processo de ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – MORFOLOGIA CATEGOREMÁTICA (parte 2)
Alexandre Gomes
Depois de listar todas as CATEGORIAS DE PALAVRAS, de acordo com a Gramática Geral irei tratar com mais calma de cada categoria. Seguindo a lista da lição anterior, vamos começar pelo grupo das ...

Ver mais

Simples assim
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Simples assim Excelência em Educação Dia 10 de agosto, compareci a um evento muitíssimo interessante. Estimulado pela chamada do convite eletrônico – Avanços na educação pública: o que podemos ...

Ver mais

Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
O problema do agrotóxico no Brasil não é dos ...

Ver mais

Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Ainda existe hoje uma cultura, muito estimulada por ...

Ver mais

Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Quem é o idiota que quer deliberadamente envenenar seus ...

Ver mais

Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Se não bastassem as dificuldades para comprar, ...

Ver mais

Deslembro

Deslembro

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Deslembro

 Reminiscências do regime militar

“Apesar de ter suas mazelas, nossa estrutura institucional gerou uma democracia vibrante, que assegura eleições regulares, alternância de poder, liberdade de opinião e de organização.”

Rubens Figueiredo

Antonio Paim, no recém-publicado Personagens da política brasileira, nos lembra que no discurso inaugural da campanha presidencial, a 3 de outubro de 1909, no Rio de Janeiro, Rui Barbosa chamou a atenção para a quilométrica distância que separa o militarismo e as instituições militares.

Entre as instituições militares e o militarismo vai, em substância, o abismo de uma contradição radical. O militarismo, governo da nação pela espada, arruína as instituições militares, subalternidade legal da espada à nação. As organizações militares organizam juridicamente a força. O militarismo a desorganiza. O militarismo está para o Exército assim como o fanatismo para a religião, como o charlatanismo para a ciência, como o industrialismo para a indústria, como o mercantilismo para o comércio, como o cesarismo para a realeza, como o demagogismo para a democracia, como o absolutismo para a ordem, como o egoísmo para o eu. Eles são a regra; ele, o desmantelo, o solapamento, a alusão dessa defesa, encarecida nos orçamentos, mas reduzida, na sua expressão real, a um simulacro.

No momento em que o presidente Jair Bolsonaro solta mais uma de suas declarações bombásticas e desnecessárias – envolvendo, desta feita, o pai do atual presidente da OAB –, contribuindo para reabrir a discussão sobre o regime militar, vale a pena refletir sobre o aperfeiçoamento das instituições democráticas vivido pelo Brasil nos últimos anos, sem deixar, contudo, de manter vivas as lembranças do que ocorreu no Brasil – de bom e de ruim – ao longo do ciclo autoritário iniciado em 1964 e que se estendeu até 1985.

O cinema constitui-se numa excelente ferramenta para isso, uma vez que produziu e continua produzindo excelentes filmes a respeito dos regimes autoritários que predominaram na América Latina nas décadas de 1960 e 1970, dos processos de redemocratização que se seguiram e, como no caso de Deslembro, dos traumas vividos pelos filhos dos ativistas políticos de então.

Com esse tipo de reflexão em mente, assisti, recentemente, ao filme Deslembro, que versa sobre a adolescente Joana (Jeanne Boudier), que, depois de passar boa parte da vida no exílio, se vê obrigada a abandonar a França, país onde cresceu e estabeleceu relações, e voltar ao Brasil. A experiência é familiar à diretora, Flávia Castro, que também foi exilada quando criança e retornou ao país nessa fase da vida.

Apesar disso, o filme não é uma autobiografia e oferece oportunidades para refletir sobre determinados aspectos dos períodos de exceção no Brasil e no Chile, já que o padrasto de Joana (Marcio Vito) é um chileno que procura escapar do regime de Pinochet.

A protagonista é uma jovem de 16 anos, cujo pai desapareceu durante o regime militar, que vive suas dúvidas, angústias e rebeldias ao retornar, contra sua vontade, ao Brasil depois de viver durante anos na França.

“A trama”, de acordo com a crítica de Clara Campoli, “se concentra na relação de Joana com o Brasil e com o pai, o desaparecido político Eduardo (Jesuíta Barbosa). O trauma da morte jamais confirmada influencia em muitos aspectos da vida da adolescente, desde a obtenção de autorizações dos pais para uma viagem escolar até sua própria autoimagem. Se uma criança passa por um forte trauma quando é bem pequena, como isso reverbera na versão que ela mesma faz dos fatos?”

O ponto alto do filme, a meu juízo, são os diálogos de Joana com a mãe (Sara Antunes), que evita de todas as formas falar sobre a morte do marido, e com a avó paterna, magnificamente interpretada por Eliane Giardini, que se torna a ponte entre a neta e o filho, a única memória possível que a garota poderia ter do pai.

Sem deixar de focalizar, embalado numa belíssima trilha sonora, aspectos típicos da adolescência como o primeiro amor e experiências com cigarros e maconha, ou ainda a luta íntima de Joana entre a ideologia e o medo de se ter pais ativistas políticos, Deslembro, com certa visão poética, aborda o mesmo tema de outros filmes como O ano em que meus pais saíram de férias e Kamchatka. Mesmo com essa visão poética, e talvez de forma menos direta do que os outros filmes, permite revisitar esse passado ainda recente da nossa história e valorizar, ainda mais, a democracia, que, como bem observou Churchill, “é o pior dos regimes, com exceção de todos os outros que já foram tentados”.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas e webgráficas

CAMPOLI, Clara. Deslembro é triste retrato do trauma da ditadura em crianças. Disponível em https://www.metropoles.com/entretenimento/cinema/critica-deslembro-e-triste-retrato-do-trauma-da-ditadura-em-criancas.

PAIM, Antonio. Personagens da política brasileira. São Paulo: Scriptum Editorial, 2019.

Referências cinematográficas

Título: Kamchatka

Direção: Marcelo Piñeyro

Elenco: Ricardo Darin, Cecília Roth, Héctor Alterio, Matías Del Pozo, Milton De La Canal, Fernanda Mistral, Tomás Fonzi, Mónica Scapparone

País e ano de produção: Argentina, 2002

Duração: 105 min

 

Título: O ano em que meus pais saíram de férias

Direção: Cao Hamburger

Elenco/Vozes: Michel Joelsas, Germano Haiut, Daniela Piepszyk, Simone Spoladare, Eduardo Moreira, Caio Blat, Paulo Autran

País e ano de produção: Brasil, 2006

Duração: 103 min

 

Título: Deslembro

Direção: Flávia Castro

Elenco: Jeanne Boudier, Sara Antunes, Marcio Vito, Eliane Giardini, Jesuíta Barbosa

Fotografia: Heloísa Passos

País e ano de produção: Brasil, 2018

Duração: 96 min

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado