Iscas Intelectuais
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

Depressão

Depressão

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Foto-depressao

 

Depressão

 

Esta semana a depressão levou mais uma vítima famosa. Diariamente quantos não morrem direta ou indiretamente por ela? Me impressiona ouvir que pessoas como o  Ator norte americano Robin Williams  tratam de depressão por mais de 10 anos sem melhora, caso semelhante ao de Chico Anysio. Mas por que ainda ouvimos falar que depressão não tem cura? Por que ainda existem pessoas sofrendo, se matando por uma doença que hoje tem tratamento com eficácia e cura?

 

Resolvi escrever este artigo como uma homenagem ao ator Robin. Pude acompanhar cerca de 80% de sua produção em diversos filmes: Patch Adams – “O Amor é Contagioso”; “Sociedade dos Poetas mortos”; “Gênio indomável” filme pelo qual ganhou um óscar de melhor ator. Nos filmes é notória a percepção que Robin além de ser um excelente ator era uma alma sensível. De certo crítico como todo bom comediante, atento as nuances do cotidiano, da vida social em seus detalhes.

 

Por anos em minhas aulas de saúde mental usei um filme para iniciar os alunos sobre como melhorar e humanizar as formas de tratamento em saúde.

Patch Adams – O Amor é Contagioso era o filme interpretado por Robin Williams, filme que agora fica emblemático por que nele existe uma cena na qual o personagem, Patch tentaria o suicídio por perder o amor de sua vida, uma colega assassinada. Um filme básico mas que mostrou a grandeza de um ator ao interpretar muito bem o drama de muitas pessoas que acabam por tentar ou cometer o suicídio.  No caso de Patchna última hora ele desiste se transformando posteriormente em um dos maiores referenciais de tratamento humanizado em saúde no mundo. Podia falar de vários personagens e papéis interpretados por Robin mas paro por aqui. Ele não foi meu paciente e não o conheci como ser humano, vi apenas o fruto de sua obra em vários papéis sensíveis de pessoas inteligentes e nisto vi um ponto comum com a história de vários pacientes que trato.

 

Nestes últimos 25 anos de minha existência me dedico a estudar e a tratar pessoas com depressão. Sei que existe cura e que ela ocorre em média entre 8 meses e 1 ano de tratamento, para tanto usamos técnicas e metodologias combinadas. Hoje atendo em média 30 pessoas por semana com diagnóstico de depressão. Fora outros casos da saúde mental. Coordenando o Grupo de Apoio em Saúde Mental e dando ainda supervisão a outros colegas psicólogos e psiquiatras não vi o caso apenas de meus pacientes, mas entendi a doença no atacado, ouvindo e atendendo a milhares de casos. A maior parte dos pacientes é o que Robin nos mostrava, pessoa sensível, mais pacata, pouco introvertida, tendência a melancolia e a um estado bucólico, em sua maior parte pessoas críticas e questionadoras de nossa vida social e do sistema em que vivemos. Uma boa parte dos pacientes que atendi eram muito inteligente.

 

A maior parte das pessoas tem uma visão distorcida da doença. Muitos acham que um ator rico e famoso que ele não teria motivos para ter uma doença como a depressão. Porém como toda doença ela é democrática atacando da mesma forma ricos e pobres, pessoas comuns e celebridades, pessoas de todas idades, crença religiosa enfim todos estamos sujeitos a ter uma doença.

 

Todavia para mim é inadmissível ainda ver que o que poderia ser tratado e curado, ao contrário é negligenciado. O principal motivo disto é em primeiro lugar a falta de informação. Segundo o radicalismo de certos profissionais que tratam a saúde como dogma e não mais como ciência, negando as evoluções e as atualizações necessárias. Por fim o que mata é a teimosia tanto dos profissionais quanto dos pacientes que se acomodam.

Se você é um paciente ou familiar exija a melhora em um tratamento.

Tratar para não melhorar isto não é certo.

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima