Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

De volta para o presente…

De volta para o presente…

Filipe Aprigliano - Iscas do Apriga -

 

O que seria o tempo explicado de forma simples? Não falo aqui do contínuo espaço-tempo (inclusive, se você não sabe do que se trata, vá pesquisar, porque é muito interessante), falo apenas do tempo que podemos experimentar como seres humanos.

A primeira visão do tempo é bem popular e aceita em qualquer boteco. Imagine que seria um fluxo unidirecional de momentos, e na perspectiva do indivíduo, seria a cadeia de eventos que se sucederam desde o momento em que se tornou consciente de si.

A segunda visão, que faz mais sentido para mim, já gera grande polêmica pelos bares desse Brasil. Nessa perspectiva o tempo como experiência não existe, a única coisa que podemos experimentar é o presente, um eterno presente, onde a vastidão e implacabilidade do tempo teórico são irrelevantes. Nessa visão, todas as experiências de passado e futuro não são reais, ou seja, são produtos da mente, produzidas sob os parâmetros de cada um, nas circunstâncias momentâneas de cada um.

Pois bem, qual a relevância dessa discussão? Quem leu minha isca “Existo, logo penso” (e não se ofendeu com o conteúdo) sabe da minha teoria de que quase tudo que pensamos ser é pura ilusão. Ao contrário do que anos de construções equivocadas nos levam a crer, não somos nossos pensamentos, nossa personalidade e nossos corpos, e sim os observadores e criadores da nossa própria existência.

Enfim, para quem interessar possa, gostaria de propor algumas mudanças de perspectiva mais práticas, deixando um pouco de lado a diarreia mental.

A mais importante proposição é essa: Saia da máquina do tempo mental! Volte para o presente, ou seja, abandone os delírios da sua mente e volte para o mundo real.

Muitos são os motivadores para esse movimento, e eu poderia desenvolvê-los mais, mas como isso é uma isca, vou apenas elencá-los:

 

  1. Se o seu passado foi bom, revivê-lo com frequência é uma fuga, provavelmente pelo medo da mudança;
  2. Se o seu passado foi ruim, revivê-lo com frequência também é uma fuga, provavelmente pelo medo dos sofrimentos e fracassos se repetirem;
  3. Se o futuro que você projeta é bom, visitá-lo com frequência não é a melhor forma de torná-lo realidade;
  4. Se o futuro que você projeta é ruim, visitá-lo com frequência é a melhor forma de torná-lo realidade.

 

Em todos os casos, seja vivendo no passado ou no futuro, não estar no presente vai privá-lo de enxergar oportunidades que estão bem na frente do seu nariz. Além de consumir energia que podia estar direcionada a executar coisas de uma forma mais consciente.

Isso é muito importante, a consciência, vamos voltar a esse conceito logo em seguida. Mas antes perceba que o medo é uma constante em todos os impulsos de não viver no presente: o medo de errar, o medo de perder, o medo de sofrer, o medo da mudança.

Para se livrar do medo são precisas algumas posturas simples, mas que você deve se forçar a exercitar com frequência, até que se tornem hábitos subconscientes:

 

  1. Sempre aceitar as coisas sobre as quais não tem controle: assim que uma dessas coisas for identificada, não gaste nem mais um segundo da vida sofrendo por isso, reserve sua energia para algo produtivo;
  2. Sempre agradecer por todas as coisas: apreciar o emprego, a casa, a saúde, a família, os amigos, os talentos e também os eventos ruins e desafiadores, mas que trazem frutos de crescimento e evolução pessoais. Se você deseja algo mais, sempre compare o valor desse algo mais com todo o resto que você já tem, e seja sempre grato;
  3. Sempre dar chance a empatia antes de julgar: quando alguém te irritar, pense como seria estar no lugar dela física e emocionalmente, se isso não for possível, pense como seria se alguém que você ama estivesse no lugar dela;
  4. Sempre praticar o bom humor: procure pelo absurdo em tudo, mude a perspectiva de um problema, de um desafio, de um drama, até encontrar uma que seja absurda para essa situação, e se for adequado, não deixe de compartilhar com quem está a sua volta. Tudo na vida tem um lado absurdo, é só procurar.

 

São muitas recomendações iniciadas com o “sempre”, e é aí que entra a tal da consciência. Nenhuma dessas tarefas é possível enquanto você viaja no tempo, é preciso estar presente, atento a tudo que ocorre, percebendo e corrigindo constantemente seus pensamentos e emoções.

Nesse sentido somos observadores e criadores. Conscientes de tudo que ocorre no presente, podemos alocar energia nas emoções certas, na hora certa, e criar o mundo que desejamos, sem ansiedade e com prazer pela vida, encontrando realização no próprio processo de viver.

Esse é o primeiro passo, talvez o mais importante, tornar-se consciente de que existe um presente, rico em prazeres e oportunidades, que passou despercebido até agora. Os próximos passos envolvem a evolução dessa consciência, a tomada de total responsabilidade pela própria vida, e a capacidade de vislumbrar e construir qualquer futuro que se deseje.

Se você acha que essas são apenas frases de efeito, você precisa urgentemente abandonar a imagem que tem de si próprio e começar essa jornada.

Gostaria apenas de finalizar agradecendo ao Leo Gura, do site actualized.org, que me ajudou a organizar minha própria jornada em níveis que nunca imaginei possíveis. Entre as coisas mais impactantes que ele me ensinou:

A sociedade em que vivemos (da cultura pop e das redes sociais) torna os nossos sonhos muito rasos. A primeira coisa a fazer é abandonar  a crença de que existe um limite para o que podemos realizar como indivíduos.

Obrigado pelo seu tempo. Quem sabe nos falamos novamente?

Ver Todos os artigos de Filipe Aprigliano