Iscas Intelectuais
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Por que você afirmar que é de direita ajuda a esquerda?
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

De ignorância e prepotência sobre o Brasil

De ignorância e prepotência sobre o Brasil

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Sabe o primeiro erro que comete a maioria dos correspondentes estrangeiros no Brasil?

É tentar medir a temperatura social pelo bucólico ou pelo estereótipo nacional. Muitos desses repórteres não se envolvem de fato nem se informam nos lugares, com grupos e pessoas que decidem a realidade brasileira.

Uma foto e uma reportagem com personagens locais na Amazônia, só isso, não dão ao repórter a mínima condição de falar sobre política ambiental. Mas escrevem sobre a degradação da mata com pretensa propriedade.

Essa discussão, esses atores estão em Brasília depois das 6 da tarde, quando, fora do escritório, falam a verdade. Estão na indústria que lida com insumos da floresta no restante do país as mentes que decidem o desmatamento ou a preservação.

É tolo, preguiçoso e ingênuo o repórter posar na floresta para uma fotografia, ao lado de um índio ou um ribeirinho, e tentar convencer seu espectador que retratou alguma realidade da questão socioambiental.

Isso é turismo, não jornalismo.

O mesmo acontece com a cobertura sobre o drama brasileiro, a crise e a ebulição sociopolítica de agora.

Reproduzem nas suas reportagens as expressões “elite”, “país dividido” e “manifestações contra tudo o que está aí” sem explicar muito de nada.

Não vão ouvir  em profusão quem está no olho do furacão brasileiro, seja um líder de grupo na Paulista, seja o cidadão comum de classe baixa, média ou alta que resolveu se expor diariamente ao dizer que suas esperanças no país estão comprometidas cada vez mais. Suas vidas, seus negócios pequenos ou grandes.

Um exemplo é a discussão do câmbio. Salvo quando um economista fala, se resume ao pobre argumento de a “elite que viu sua viagem a Miami ficar mais cara” ou “seu produto importado subir de preço”.

Tenha dó! O dólar alto mata o microempreendedor da loja de produtos baratos, no centrão ou na periferia, muito mais rápido que outro empreendedor. De que elite socioeconômica estamos falando?

E qual o problema de existir elite no Brasil? Elites intelectuais, empreendedoras, sociais, de movimentos sociais, de ativismo religioso, humanitária, educacional, etc. Elite só faz bem no exterior? Elite é, antes de tudo, uma parcela que se destaca.

Portanto, se algo na economia atrapalha o grande negócio ou o empreendedor de sucesso que lida com importação, a crítica é rasa e não se olha para outras consequências como a perda de empregos e de impostos que o negócio declinante deixa de gerar. O assunto ganha, não raro, resenhas desinformadas com aquele preconceito de séculos atrás quando a “Coroa” – e seus coroados correspondentes do primeiro mundo hoje em dia – decidia o que a colônia e os colonizados podiam ter ou reclamar.

O dólar descontrolado, só pra ficar neste exemplo, encarece a gasolina do carrão tanto quanto o diesel do busão. E o asfalto que cobriria ruas lamacentas da periferia e  estradas dos rincões brasileiros, um derivado também de petróleo. Convenhamos que não é difícil compreender isso.

O Brasil experimentou uma ascensão social desde o Plano Real com a estabilidade da moeda. É lá que começou o sucesso econômico brasileiro e que ganhou continuidade histórica no governo seguinte, o de Lula, e que o atual governo está pondo a perder.

É esse o verbo que precisa ser mais bem compreendido. Perder.

Nós, os brasileiros, não queremos mais perder a estabilidade, a moeda forte, a ascensão social de todos os níveis, os carros que compramos, as passagens que adquirimos, a esperança no futuro, o orgulho nacional que está, novamente, sendo açodado por falsos heróis que, diferente dos mocinhos, ficam ricos com estatais, sindicatos e toda sorte de corrupção milionária.

Os brasileiros consumiram e melhoraram de vida econômica, embora careçam de cultura e educação. Mas muitos deixaram de ser aqueles estereótipos de pobreza que tanto fascinam os “intelectuais” da esquerda falsa e facilitavam a cobertura do repórter estrangeiro que vinha com o texto pronto sobre “o gigante adormecido”.

As caras e bocas brasileiras são em maior número e mais difíceis de serem retratadas. É preciso humildade e muita observação para compreender tudo o que fala “português do Brasil” por aqui.

E o mais sintomático: a classe média, nova ou antiga, decidiu assumir o país e se expor, ir pra rua, desde 2013.

Considerar isso um momento passageiro apenas representa sério risco de cair num erro grosseiro de análise sobre a evolução sociológica de um povo.

Evoluímos de um país diverso para uma sociedade complexa, demandante, vilã e vítima do Estado e de si mesma. Daí as carências que ainda persistem, bem menores que antes, mas hoje discutidas, abertas e não omitidas jamais.

Isso tudo deu um nó cego nas resenhas e nos resenhistas simplistas que escrevem nas trevas da preguiça e do conceito de outrora.

Pra se entender um país é preciso mais que frequentar os escritórios ou gabinete. Muito mais que falar com personalidades do morro ou da praia.

Pra se entender o Brasil é preciso por os pés na rua e sentir o asfalto quente.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto