Iscas Intelectuais
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

601 – Alfabetização para a Mídia II
601 – Alfabetização para a Mídia II
Publicamos um videocast sobre Alfabetização para a ...

Ver mais

600 – God Save The Queen
600 – God Save The Queen
Café Brasil 600... Chegou a hora de comemorar outra ...

Ver mais

599 – Gastando tempo
599 – Gastando tempo
Quem ouve o Café Brasil há algum tempo sabe da minha ...

Ver mais

598 – O bovárico
598 – O bovárico
Madame Bovary é um livro clássico que nos apresenta a ...

Ver mais

LíderCast 97 – Michael Oliveira
LíderCast 97 – Michael Oliveira
Michael Oliveira, que é criador e apresentador do ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e ...

Ver mais

Como não combater a inflação
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Como não combater a inflação  O livro que, infelizmente, poucos leram “Os controles são profunda e intrinsecamente imorais. Substituindo o governo da lei e da cooperação voluntária no mercado ...

Ver mais

Como vencer um debate tendo razão
Bruno Garschagen
Ciência Política
O estrondoso sucesso do psicólogo canadense Jordan Peterson tem mostrado coisas extremamente interessantes sobre como parte da sociedade reage diante de alguém que sabe defender corajosamente as ...

Ver mais

O oitavo círculo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Faz uns bons anos, no departamento de trânsito de uma pequena e pacata cidade do interior paulista. Um cliente sofreu alguns danos em seu carro, devido aos quebra-molas exagerados, muito acima ...

Ver mais

Cafezinho 48 – As reformas
Cafezinho 48 – As reformas
Reformas estruturais implicam em mudanças na forma como ...

Ver mais

Cafezinho 47 – Os poblema
Cafezinho 47 – Os poblema
Como as mídias sociais revelaram o tamanho do desastre ...

Ver mais

Cafezinho 46 – Experimente
Cafezinho 46 – Experimente
Experimente abrir uma empresa. Seja o dono.

Ver mais

Cafezinho 45 – O louco
Cafezinho 45 – O louco
Na semana passada, quase sete anos após a apresentação ...

Ver mais

De democracia de verdade, não a falaciosa.

De democracia de verdade, não a falaciosa.

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Por Adalberto Piotto

Neste domingo, a lei prosperou na Câmara ao acolher o prosseguimento de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Fez-se tal como a Constituição prevê.

E com absoluto rigor e regramento decidido pelo Supremo Tribunal Federal.

É a lei e a democracia de verdade que se fortaleceram, goste-se ou não do resultado.

Acreditar ou divulgar a falácia do “golpe” – sempre entre aspas -, o discurso único e desesperado de quem perdeu a legitimidade e o argumento, é uma afronta à sensatez, uma esperteza, a crença no inacreditável ou a pretensão da superioridade, nada democrática, diga-se.

Há um rito a seguir. Até aqui foi seguido. A lei brasileira é extremamente ciosa para proteger exageros ou arroubos contra o governante de plantão. Exige 342 votos de deputados no mínimo para qualquer pedido de impeachment. São dois terços dos 513 parlamentares. E só será afastada, temporariamente, pela maioria absoluta dos senadores.

O julgamento com amplo direito de defesa, como já se deu, dar-se-á uma vez mais lá.

Por isso e por tudo o que se tem visto nas ruas,  não há divisão do país, outra falácia que tenta instalar um confronto imaginário que só beneficia quem está perdendo na regra.

Há pessoas defendendo seus pontos de vista. E são diferentes. É da democracia o respeito à divergência.

E vem dela a noção de que o perdedor aceite o resultado.

Ameaçar a ordem pública ou promover chicanas jurídicas porque não foi contemplado com o que queria impor à força, porque a Constituição foi seguida e sua vontade preterida, bem, aí é  realmente um golpe contra a lei e os brasileiros de bem.

Não será aceito.

Ameaçar com violência é premeditação de crime. Isso é agravante.

Não vamos ceder. Há processos e ritos constitucionais.

Dilma e Temer foram eleitos.

Pra ela sair, tem regras.

Pra ele entrar, tem outras regras.

Qualquer coisa além disso, mesmo com perfume libertário, como novas eleições gerais, afronta inicialmente à lei.

Pode-se discutir. Mas querer colocar a hipótese como única saída pacificadora de uma guerra que tentam inventar é tentativa de golpe. Este, sim, de verdade e perigoso.

A cassação da chapa, por acusação de crime eleitoral, já está sendo discutida no TSE. A decisão de lá, embora possa ser contestada, será legítima. É o foro adequado.

Mas o regramento constitucional deve ser o norte de tudo.

Seguimo-lo até aqui.

Vamos continuar a fazê-lo  no Senado.

E apoiar e vigiar as instituições. Elas precisam dos cidadãos para existirem.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto