Iscas Intelectuais
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

Da Virada

Da Virada

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

-Sobre a dissolução parte 1-

A primeira vez que ouvi que a Terra teria seu eixo virado foi em minha puberdade por volta de 1982. Seria um cataclismo de proporções inimagináveis. O mar invadiria a terra, o mundo como conhecemos acabaria e pouco do que existe restaria. Da puberdade à minha vida adulta sempre o mesmo mito ressurge no imaginário coletivo e vários fins apoteóticos apareceriam: na virada de 1999 para 2000; no cataclismo do tsunami no oceano Índico em 2004; em 2012 com o fim do calendário Maia.

Sempre apareceu e existiu  um maluco a bradar que a humanidade está no fim. E sempre existiram discípulos que abobadamente, para destilar sua raiva torciam que o fim chegasse, para então constituir a humanidade prometida, como povo eleito pelos céus. Mas virou?

Novamente nos deparamos com pessoas sem capacidade de percepção real dos movimentos subjetivos do universo, interpretando literalmente as coisas. Falando de portais dimensionais, de alienígenas, de fim de mundo, tentando dar um pequeno sentido à sua vida sem graça, pra poder talvez se diferenciar em alguma coisa não muito bem definida. Tudo bem, vou apanhar na rua pelo chefe da frota intergaláctica de Naimaizum.

Ao fazer uma reflexão sobre nosso momento histórico, em especial com o fim de 2014, vi que mundo do mundo que acreditava e conhecia que ele foi extinto. E nisto tudo virou. Eu um dia acreditei que a política teria conserto, que as manifestações populares talvez acordassem o gigante; que teríamos um governo que iria combater a corrupção; que a esquerda ao chegar no poder não se venderia a bancos, às empresas de telefonia, aos esquemas de lavagem de dinheiro de empreiteiras.

2014 foi um ano problemático. Foi o ano da humilhação:  dos 7 a 1 na derrota no futebol para a Alemanha; foi o ano de estampar a vergonha de ser brasileiro; de assistir diariamente nos noticiários mega esquemas de corrupção; foi o ano em que testemunhamos o fim do judiciário – que beneficiou os políticos do mensalão; foi o ano da certeza da impunidade para bandidos; um ano de arrocho de estagnação do crescimento, de dificuldade econômica; de recorde de arrecadação tributária e ao mesmo tempo do  desaparecimento deste dinheiro público. Ano em que a saúde se torna complicada e que a educação tem seus piores índices na história. Ano em que a esquerda dá lucro a autarquias como a FIFA, isentando a de tributação. 2014 foi o ano do fim, da queda das máscaras, da desculpa que não cola mais, da transparência, da evidência clara do lado oculto de cada um que foi posto em outdoor. Foi o ano de reeleger bandidos e de lhes dar a senha do cofre. Foi o ano em que o embate político evidenciou não existir escrúpulos e que as mentiras prevalecem.

Eu quero comemorar a chegada de 2015 para tentar esquecer o pesadelo de 2014. Talvez abrir uma garrafa de espumante pra gritar comemorando a subida de mais impostos neste  período. Nosso mundo virou, o que hoje ele é não sabemos, mas que os antigos discursos que já não existem, isto é o fato que teremos de lidar…

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima