Iscas Intelectuais
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

652 – A realidade real
652 – A realidade real
Vivemos um tempo no qual muita gente tem dificuldades ...

Ver mais

651 – Era uma vez…
651 – Era uma vez…
A melhor forma de ensinar política para crianças – e ...

Ver mais

650 – A Espiral do Silêncio
650 – A Espiral do Silêncio
Temos um sexto sentido para perceber a tendência da ...

Ver mais

649 – Quando eu tiver 64
649 – Quando eu tiver 64
Fui dar uma olhada nos comentários dos ouvintes do Café ...

Ver mais

LíderCast 140 – Carlos Nepomuceno
LíderCast 140 – Carlos Nepomuceno
Doutor em Ciência da Informação, jornalista, escritor e ...

Ver mais

Vem aí a Temporada 11 do LíderCast
Vem aí a Temporada 11 do LíderCast
Está chegando a Temporada 11 do LíderCast!

Ver mais

LíderCast 139 – Nívio Delgado
LíderCast 139 – Nívio Delgado
De carinha do Xerox a Diretor Superintendente da maior ...

Ver mais

LíderCast 138 – Ricardo Abiz
LíderCast 138 – Ricardo Abiz
Empreendedor também, um pioneiro em diversas áreas de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

A vida é muito melhor com boechatividade
Henrique Szklo
Como a maioria dos brasileiros, fiquei consternado com a morte do jornalista Ricardo Eugênio Boechat. Não posso dizer que eu era exatamente um fã, mas como sob minha perspectiva, ele utilizou em ...

Ver mais

Noblesse Oblige
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não dá pra saber quem é pior: A autora da bobagem, orgulhosa de sua total falta de noção, ou quem a defende, alegando lutar contra uma misoginia tão falsa quanto a cara de pau do arrivismo ...

Ver mais

Venezuela, Reforma Previdência & Futuro PT
Carlos Nepomuceno
Resumo da Live: Assistir completa: Formação Digital Bimodal: Programa de Formação Bimodal Lives antigas: https://nepo.com.br/category/o-melhor-de-2019/lives-do-nepo-o-digital-na-politica/

Ver mais

Metade cheia do copo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Metade cheia do copo Um pouco de otimismo, pra variar  “A troca está para a evolução cultural como o sexo está para a evolução biológica.” Matt Ridley Em agosto do ano passado, a convite do ...

Ver mais

Cafezinho 151 – Chato à Bessa
Cafezinho 151 – Chato à Bessa
É impressionante ver como o mundo mudou.

Ver mais

Cafezinho 150 – O PAI
Cafezinho 150 – O PAI
No Brasil, imediato é longo prazo.

Ver mais

Cafezinho 149 – Nação, não governo
Cafezinho 149 – Nação, não governo
O Ministro da Educação anuncia que vai impulsionar o ...

Ver mais

Cafezinho 148 – Os Hostis
Cafezinho 148 – Os Hostis
Neste final de semana o Brasil parou para assistir a ...

Ver mais

Da Virada

Da Virada

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

-Sobre a dissolução parte 1-

A primeira vez que ouvi que a Terra teria seu eixo virado foi em minha puberdade por volta de 1982. Seria um cataclismo de proporções inimagináveis. O mar invadiria a terra, o mundo como conhecemos acabaria e pouco do que existe restaria. Da puberdade à minha vida adulta sempre o mesmo mito ressurge no imaginário coletivo e vários fins apoteóticos apareceriam: na virada de 1999 para 2000; no cataclismo do tsunami no oceano Índico em 2004; em 2012 com o fim do calendário Maia.

Sempre apareceu e existiu  um maluco a bradar que a humanidade está no fim. E sempre existiram discípulos que abobadamente, para destilar sua raiva torciam que o fim chegasse, para então constituir a humanidade prometida, como povo eleito pelos céus. Mas virou?

Novamente nos deparamos com pessoas sem capacidade de percepção real dos movimentos subjetivos do universo, interpretando literalmente as coisas. Falando de portais dimensionais, de alienígenas, de fim de mundo, tentando dar um pequeno sentido à sua vida sem graça, pra poder talvez se diferenciar em alguma coisa não muito bem definida. Tudo bem, vou apanhar na rua pelo chefe da frota intergaláctica de Naimaizum.

Ao fazer uma reflexão sobre nosso momento histórico, em especial com o fim de 2014, vi que mundo do mundo que acreditava e conhecia que ele foi extinto. E nisto tudo virou. Eu um dia acreditei que a política teria conserto, que as manifestações populares talvez acordassem o gigante; que teríamos um governo que iria combater a corrupção; que a esquerda ao chegar no poder não se venderia a bancos, às empresas de telefonia, aos esquemas de lavagem de dinheiro de empreiteiras.

2014 foi um ano problemático. Foi o ano da humilhação:  dos 7 a 1 na derrota no futebol para a Alemanha; foi o ano de estampar a vergonha de ser brasileiro; de assistir diariamente nos noticiários mega esquemas de corrupção; foi o ano em que testemunhamos o fim do judiciário – que beneficiou os políticos do mensalão; foi o ano da certeza da impunidade para bandidos; um ano de arrocho de estagnação do crescimento, de dificuldade econômica; de recorde de arrecadação tributária e ao mesmo tempo do  desaparecimento deste dinheiro público. Ano em que a saúde se torna complicada e que a educação tem seus piores índices na história. Ano em que a esquerda dá lucro a autarquias como a FIFA, isentando a de tributação. 2014 foi o ano do fim, da queda das máscaras, da desculpa que não cola mais, da transparência, da evidência clara do lado oculto de cada um que foi posto em outdoor. Foi o ano de reeleger bandidos e de lhes dar a senha do cofre. Foi o ano em que o embate político evidenciou não existir escrúpulos e que as mentiras prevalecem.

Eu quero comemorar a chegada de 2015 para tentar esquecer o pesadelo de 2014. Talvez abrir uma garrafa de espumante pra gritar comemorando a subida de mais impostos neste  período. Nosso mundo virou, o que hoje ele é não sabemos, mas que os antigos discursos que já não existem, isto é o fato que teremos de lidar…

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima