Iscas Intelectuais
Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

578 – O Círculo de ouro
578 – O Círculo de ouro
Você já parou para pensar que talvez ninguém faça ...

Ver mais

577 – Dois pra lá, dois pra cá
577 – Dois pra lá, dois pra cá
Existe uma divisão política, social e cultural no ...

Ver mais

576 – Gratitude
576 – Gratitude
Gratitude vem do inglês e francês e significa que ...

Ver mais

Café Brasil Curto 23 – Ideias românticas
Café Brasil Curto 23 – Ideias românticas
Quando a dureza dos números é insuficiente para dar um ...

Ver mais

LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 – Lúcia Helena Galvão Maya é diretora da ...

Ver mais

LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 – Tito Gusmão – Tito Gusmão é um jovem ...

Ver mais

LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 –Marcio Appel executivo à frente da ...

Ver mais

LíderCast 078 Leo Lopes
LíderCast 078 Leo Lopes
LíderCast 078 – Leo Lopes – Leo Lopes é uma referência ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

A hora e a vez da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A hora e a vez da criatividade  Por que não no Brasil? “Eu olho para as coisas como elas sempre foram e pergunto: Por quê? Eu olho para as coisas como elas poderão vir a ser e pergunto: Por que ...

Ver mais

Cala a boca, Magdo!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quem não se lembra do “Cala a boca, Magda”, repetido por Caco Antibes no Sai de Baixo? Magda, sua esposa, era de uma estupidez oceânica, e o bordão era gritado a cada asneira dita pela bela ...

Ver mais

Síndrome de Deus
Tom Coelho
Sete Vidas
“Existe uma força vital curativa com a qual o médico tem de contar. Afinal, não é o médico quem cura doenças: ele deve ser o seu intérprete.” (Hipócrates)   Dediquei-me nas últimas semanas ...

Ver mais

Tá tudo invertido
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Tá tudo invertido Quem diria? “A nova ordem mundial não é explicada pelo declínio dos Estados Unidos da América, mas sim pela ascensão de todos os outros países”. Fareed Zakaria Desde 2009, ...

Ver mais

Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
O nome disso é livre mercado, goste você de Pimenta ...

Ver mais

Cafezinho 4 – A intolerância
Cafezinho 4 – A intolerância
Uma organização conhecida por investir em cultura ...

Ver mais

Cafezinho 3 – A inércia
Cafezinho 3 – A inércia
Issac Newton escreveu que “um objeto que está em ...

Ver mais

Cafezinho 2 – O bobageiro
Cafezinho 2 – O bobageiro
Quando se trata de falar bobagem, pesquisas já ...

Ver mais

Da urgência

Da urgência

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Da urgência
08/01/2016 00:00:00

Há alguns artigos que venho versando sobre o aspecto de como o cenário mundial foi redesenhado pelo fenômeno da transparência. Como por meio de redes sociais o fenômeno do controle social intenso se deflagrou gerando uma ilusão de onipresença na qual tudo e todos são visíveis. Nada mais é escondido, descrito em meu artigo sobre a transparência.

Associado a este fenômeno mundial a ideia de urgência a partir da década de 1970 toma conta da sociedade como uma marca registrada da pós modernidade. Tudo e todos são para ontem. O teor ansioso da forma de vida descrito por Raul Lopes Pedraza em ansiedade cultural, como uma forma titânica, o abissal arquetípico e o rompimento do cenário da noção de presente. O desdobramento da consciência, a dobra do tempo psíquico como cerne e alicerce de um mercado de consumo que se alastra a todas as situações que vão da religiosidade ao lazer. A tentativa ilusória da consciência pós moderna que se compraz na onipotência e onisciência tentando de forma vil e ineficaz controlar tudo e todos. Captar e devorar, todas as informações, livros, tendências, ritmos, lugares tudo ao alcance de dois toques em um aplicativo. tudo tão longe e tão perto… nas mãos o universo mas para onde mesmo é que se deve ir?

O vazio derivativo deste cenário da ansiedade cultural, nada mais é do que a força motriz do mercado de consumo, visto que um cliente satisfeito não consome e não movimenta o mercado. Insatisfação é o cenário que rege o marketing, as vendas, o consumo: do corpo, da moda; da religião; da segurança; dos imóveis; da tecnologia;… das ideologias políticas; o mercado das ilusões feitas de pseudo realidades, reencenadas na pseudo satisfação. Sorria e mostre se feliz, dentro de um status social que não lhe pertence, em uma vida que não é sua.

Um exemplo claro deste imponderável de nossa vida cotidiana atual esta na urgência programática de nossa política. De um lado uma psicose que em discurso fala de uma realidade de um país de primeiro mundo. O delírio da prosperidade, da marolinha, de bonança econômica… tudo depressa demais, sem planejamento, sem realidade, apenas discursos. Do outro lado a ansiedade, a urgência que chega atropelando tudo e todos… Cronos se manifesta e o rombo aparece gerando o tom de desespero dos últimos dias, o sentimento do pai que foi pra forca, de uma insanidade ideológica, na qual o besteirol é rearticulado discursivamente. Aliados viram inimigos de morte, e o grande capital do banco amigo vira o mote da luta que quer poder a qualquer custo. O fundador do partido o carrasco que pede sua cabeça:Helio Bicudo. O inimigo mora ao lado ou dorme consigo? Cuidado, tem veneno em seu prato de comida. Teu vizinho pode ser quem vai lhe empurrar precipício abaixo! Urgência infelizmente abre as portas da bestialidade, da falta de bom senso, da agressividade, da militância fanática que reproduz absurdos presa ao estado psicótico delineado: realidade para quem?  E esta é a marca de nossa pós modernidade. Sobreviver nestes tempos implica em temperança, prudência, planejamento, paciência senso de realidade e cautela… se quiser sobreviver neste caos instalado…

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima