Assine o Café Brasil
Iscas Intelectuais
A rã e o escorpião
A rã e o escorpião
Isca intelectual de Luciano Pires, dizendo que é como ...

Ver mais

Fake News
Fake News
Isca intelectual lembrando da teoria dos Quatro Rês, ...

Ver mais

Matrizes da Violência
Matrizes da Violência
Isca intelectual lembrando que os presídios brasileiros ...

Ver mais

Mudei de ideia
Mudei de ideia
Isca intelectual de Luciano Pires incentivando que você ...

Ver mais

544 – Persuadível
544 – Persuadível
Podcast Café Brasil 544 - Persuadível. Vivemos numa ...

Ver mais

543 – Desengajamento moral
543 – Desengajamento moral
Podcast Café Brasil 543 - Desengajamento moral. Como é ...

Ver mais

542 – Tapestry
542 – Tapestry
Podcast Café Brasil 542 - Tapestry. Em 1971 uma cantora ...

Ver mais

541 – A festa do podcast
541 – A festa do podcast
Podcast Café Brasil 541 - A festa do Podcast. ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

A verdade inconveniente da política atual
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o risco imediato para o futuro do mundo não é a desgraça do populismo: é o casamento incestuoso entre a degradação da política de hoje com a ...

Ver mais

A força da vocação
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu nunca quis ser o maior ou o melhor. Queria apenas desenhar.” (Mauricio de Sousa)   Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali. É quase impossível que estes personagens de histórias em quadrinhos ...

Ver mais

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o que está acontecendo neste momento no Rio de Janeiro revela que a relação do carioca com a política não mudou muito desde o final do século 19.

Ver mais

Que grandeza…
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Ah… nada como o amor sincero à Pátria, o dar-se pelo povo… Nada como ver políticos desprendidos, servindo à nação uma verdadeira aula de civismo, espalhando sabedoria e exemplo de ...

Ver mais

Cunha e o Zap

Cunha e o Zap

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

​​​Eduardo Cunha finalmente se foi. Talvez para sempre. E mesmo que tente um dia reeleger-se deputado federal, ou mesmo fiscal de quarteirão, terá muito a explicar aos eleitores e à Justiça. Aqueles podem até perdoá-lo, ou cair em sua conversa mole; esta, não. Cunha deve um cacife inteiro à Justiça, e não será meia-dúzia de cestas básicas que satisfarão o juiz criminal. O futuro do quase-ex-presidente da Câmara dos deputados está irremediavelmente selado perante a Lei. Não vale nem uma ficha do poquerzinho entre amigos na quarta à noite. Já era.

​​​Alguns de seus correligionários reclamaram, claro; o choro e o esperneio são livres, e um sujeito desse naipe nunca está só em suas ações subterrâneas. Mas não houve (nem haverá) pneus queimados, ruas e estradas bloqueadas, cusparadas na cara, discursos idiotas, teses imbecis, ameaças, atentados, vandalismo, incentivo à guerra civil e à luta de classes, invasões, agressões, xingamentos, louvor a terroristas, passeatas movidas a R$ 50 e mortadela, ode a bandidos, silogismos hipócritas, nem assassinato de nenhum Celso Daniel da vida. Nada disso.

​​​A razão é uma só: Por mais desonesto que seja, por mais falcatruas que tenha cometido, por mais que mereça a prisão, Cunha nunca arregimentou uma horda mercenária a lhe servir, aterrorizando seus inimigos. Cunha sempre foi um bagre ensaboado, com muita coisa a explicar e dinheiro a devolver, mas jamais pensou em cercar-se de militantes a soldo como sua guarda pessoal, paga com dinheiro público. Nem teve o poder de lançar ataques nas ruas contra quem se lhe opõe. Não consta que tenha mandado robôs cuspir no rosto de seus detratores, nem financiado blogs sujos a defender o indefensável. E, por pior que seja, o suspeitíssimo dinheiro que mantinha escondido na Suíça estava em seu nome, não no de laranjas ou paus-mandados.

​​​Cunha pode ser o que for, mas ao menos teve a fugaz decência de não fingir-se de santo, nem de se esconder atrás de mercenários disfarçados de defensores de “políticas sociais”. Cunha pode ser um tumor, mas será extirpado definitivamente e deixará, no máximo, uma pequena cicatriz. O lulismo é um câncer do qual não temos a certeza da cura e, mesmo debelado, só o será depois de um tratamento longo e doloroso. Para corpos e mentes. Algumas mentes (e bolsos) resistirão mais que a doença maldita.
​​​Por final, os honestos comemoram a saída de Cunha porque não aceitam falcatruas, nem têm bandido de estimação. Os desonestos comemoram por acreditar que sua defenestração garantirá mais umas chicanas em favor de Dilma. Gente desprezível.
​​​​​​                                    ***
​​​A recente novela judicial sobre a suspensão dos serviços de whatsapp teve lances inacreditáveis, mesmo para quem está acostumado com barbaridades jurídicas: Querendo punir a empresa controladora do programa de celular mais popular do País, essencial para trabalho, conversa e lazer de aproximadamente 90 milhões de brasileiros, o excelentíssimo magistrado optou pela brilhante ideia de suspender os serviços do aplicativo. Poderia ter multado a empresa, prendido algum diretor, bloqueado ativos, mandado alguém pra cama sem sobremesa, sei lá; preferiu impedir a comunicação gratuita de metade dos brasileiros. Impressionante. Deve ter sido o único caso na história do mundo onde os consumidores responderam pela desídia do fornecedor de serviços.

​​​A nota cômica (porém não menos espantosa) ficou por conta de uma vara criminal de São Paulo; seu titular, também juiz federal, ordenou que o whatsapp utilizado por sua vara tivesse seus serviços imediatamente restabelecidos, intimando as operadoras de telefonia de sua decisão. Só não explicou pra quem seus escreventes enviariam mensagens, visto que os serviços do velho e bom “zap” continuariam suspensos para os demais 89.999.999 usuários.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes