Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Cunha e o Zap

Cunha e o Zap

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

​​​Eduardo Cunha finalmente se foi. Talvez para sempre. E mesmo que tente um dia reeleger-se deputado federal, ou mesmo fiscal de quarteirão, terá muito a explicar aos eleitores e à Justiça. Aqueles podem até perdoá-lo, ou cair em sua conversa mole; esta, não. Cunha deve um cacife inteiro à Justiça, e não será meia-dúzia de cestas básicas que satisfarão o juiz criminal. O futuro do quase-ex-presidente da Câmara dos deputados está irremediavelmente selado perante a Lei. Não vale nem uma ficha do poquerzinho entre amigos na quarta à noite. Já era.

​​​Alguns de seus correligionários reclamaram, claro; o choro e o esperneio são livres, e um sujeito desse naipe nunca está só em suas ações subterrâneas. Mas não houve (nem haverá) pneus queimados, ruas e estradas bloqueadas, cusparadas na cara, discursos idiotas, teses imbecis, ameaças, atentados, vandalismo, incentivo à guerra civil e à luta de classes, invasões, agressões, xingamentos, louvor a terroristas, passeatas movidas a R$ 50 e mortadela, ode a bandidos, silogismos hipócritas, nem assassinato de nenhum Celso Daniel da vida. Nada disso.

​​​A razão é uma só: Por mais desonesto que seja, por mais falcatruas que tenha cometido, por mais que mereça a prisão, Cunha nunca arregimentou uma horda mercenária a lhe servir, aterrorizando seus inimigos. Cunha sempre foi um bagre ensaboado, com muita coisa a explicar e dinheiro a devolver, mas jamais pensou em cercar-se de militantes a soldo como sua guarda pessoal, paga com dinheiro público. Nem teve o poder de lançar ataques nas ruas contra quem se lhe opõe. Não consta que tenha mandado robôs cuspir no rosto de seus detratores, nem financiado blogs sujos a defender o indefensável. E, por pior que seja, o suspeitíssimo dinheiro que mantinha escondido na Suíça estava em seu nome, não no de laranjas ou paus-mandados.

​​​Cunha pode ser o que for, mas ao menos teve a fugaz decência de não fingir-se de santo, nem de se esconder atrás de mercenários disfarçados de defensores de “políticas sociais”. Cunha pode ser um tumor, mas será extirpado definitivamente e deixará, no máximo, uma pequena cicatriz. O lulismo é um câncer do qual não temos a certeza da cura e, mesmo debelado, só o será depois de um tratamento longo e doloroso. Para corpos e mentes. Algumas mentes (e bolsos) resistirão mais que a doença maldita.
​​​Por final, os honestos comemoram a saída de Cunha porque não aceitam falcatruas, nem têm bandido de estimação. Os desonestos comemoram por acreditar que sua defenestração garantirá mais umas chicanas em favor de Dilma. Gente desprezível.
​​​​​​                                    ***
​​​A recente novela judicial sobre a suspensão dos serviços de whatsapp teve lances inacreditáveis, mesmo para quem está acostumado com barbaridades jurídicas: Querendo punir a empresa controladora do programa de celular mais popular do País, essencial para trabalho, conversa e lazer de aproximadamente 90 milhões de brasileiros, o excelentíssimo magistrado optou pela brilhante ideia de suspender os serviços do aplicativo. Poderia ter multado a empresa, prendido algum diretor, bloqueado ativos, mandado alguém pra cama sem sobremesa, sei lá; preferiu impedir a comunicação gratuita de metade dos brasileiros. Impressionante. Deve ter sido o único caso na história do mundo onde os consumidores responderam pela desídia do fornecedor de serviços.

​​​A nota cômica (porém não menos espantosa) ficou por conta de uma vara criminal de São Paulo; seu titular, também juiz federal, ordenou que o whatsapp utilizado por sua vara tivesse seus serviços imediatamente restabelecidos, intimando as operadoras de telefonia de sua decisão. Só não explicou pra quem seus escreventes enviariam mensagens, visto que os serviços do velho e bom “zap” continuariam suspensos para os demais 89.999.999 usuários.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes