Iscas Intelectuais
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Bolsonaro e Transformação Digital
Carlos Nepomuceno
Vivemos o início de Revolução Civilizacional na qual ao se plantar um "pé de cooperativa de táxi" por mais que se tome litros de Design Thinking não nasce nunca um Uber.

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Cunha e o Zap

Cunha e o Zap

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

​​​Eduardo Cunha finalmente se foi. Talvez para sempre. E mesmo que tente um dia reeleger-se deputado federal, ou mesmo fiscal de quarteirão, terá muito a explicar aos eleitores e à Justiça. Aqueles podem até perdoá-lo, ou cair em sua conversa mole; esta, não. Cunha deve um cacife inteiro à Justiça, e não será meia-dúzia de cestas básicas que satisfarão o juiz criminal. O futuro do quase-ex-presidente da Câmara dos deputados está irremediavelmente selado perante a Lei. Não vale nem uma ficha do poquerzinho entre amigos na quarta à noite. Já era.

​​​Alguns de seus correligionários reclamaram, claro; o choro e o esperneio são livres, e um sujeito desse naipe nunca está só em suas ações subterrâneas. Mas não houve (nem haverá) pneus queimados, ruas e estradas bloqueadas, cusparadas na cara, discursos idiotas, teses imbecis, ameaças, atentados, vandalismo, incentivo à guerra civil e à luta de classes, invasões, agressões, xingamentos, louvor a terroristas, passeatas movidas a R$ 50 e mortadela, ode a bandidos, silogismos hipócritas, nem assassinato de nenhum Celso Daniel da vida. Nada disso.

​​​A razão é uma só: Por mais desonesto que seja, por mais falcatruas que tenha cometido, por mais que mereça a prisão, Cunha nunca arregimentou uma horda mercenária a lhe servir, aterrorizando seus inimigos. Cunha sempre foi um bagre ensaboado, com muita coisa a explicar e dinheiro a devolver, mas jamais pensou em cercar-se de militantes a soldo como sua guarda pessoal, paga com dinheiro público. Nem teve o poder de lançar ataques nas ruas contra quem se lhe opõe. Não consta que tenha mandado robôs cuspir no rosto de seus detratores, nem financiado blogs sujos a defender o indefensável. E, por pior que seja, o suspeitíssimo dinheiro que mantinha escondido na Suíça estava em seu nome, não no de laranjas ou paus-mandados.

​​​Cunha pode ser o que for, mas ao menos teve a fugaz decência de não fingir-se de santo, nem de se esconder atrás de mercenários disfarçados de defensores de “políticas sociais”. Cunha pode ser um tumor, mas será extirpado definitivamente e deixará, no máximo, uma pequena cicatriz. O lulismo é um câncer do qual não temos a certeza da cura e, mesmo debelado, só o será depois de um tratamento longo e doloroso. Para corpos e mentes. Algumas mentes (e bolsos) resistirão mais que a doença maldita.
​​​Por final, os honestos comemoram a saída de Cunha porque não aceitam falcatruas, nem têm bandido de estimação. Os desonestos comemoram por acreditar que sua defenestração garantirá mais umas chicanas em favor de Dilma. Gente desprezível.
​​​​​​                                    ***
​​​A recente novela judicial sobre a suspensão dos serviços de whatsapp teve lances inacreditáveis, mesmo para quem está acostumado com barbaridades jurídicas: Querendo punir a empresa controladora do programa de celular mais popular do País, essencial para trabalho, conversa e lazer de aproximadamente 90 milhões de brasileiros, o excelentíssimo magistrado optou pela brilhante ideia de suspender os serviços do aplicativo. Poderia ter multado a empresa, prendido algum diretor, bloqueado ativos, mandado alguém pra cama sem sobremesa, sei lá; preferiu impedir a comunicação gratuita de metade dos brasileiros. Impressionante. Deve ter sido o único caso na história do mundo onde os consumidores responderam pela desídia do fornecedor de serviços.

​​​A nota cômica (porém não menos espantosa) ficou por conta de uma vara criminal de São Paulo; seu titular, também juiz federal, ordenou que o whatsapp utilizado por sua vara tivesse seus serviços imediatamente restabelecidos, intimando as operadoras de telefonia de sua decisão. Só não explicou pra quem seus escreventes enviariam mensagens, visto que os serviços do velho e bom “zap” continuariam suspensos para os demais 89.999.999 usuários.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes