Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
Mais um programa musical. E daqueles, cara. Você sabe ...

Ver mais

617 – O Clube da Música Autoral
617 – O Clube da Música Autoral
Uma das coisas mais fascinantes de quem se dispõe, como ...

Ver mais

616 – Na média
616 – Na média
Num ambiente construído para que as pessoas fiquem “na ...

Ver mais

615 – Fake News? Procure o viés
615 – Fake News? Procure o viés
Nova Iorque, madrugada de março de 1964. No bairro do ...

Ver mais

LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
Professor, consultor, com vasta experiência no setor ...

Ver mais

LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 - Hoje conversamos com Tiemi Yamashita, ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Lições de viagem 11 – Santa Catarina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 11 Santa Catarina e seus diferenciais  Percebi que me encontrava num estado diferenciado na primeira vez que estive em Santa Catarina, em 1980, quando fui ministrar aulas em dois ...

Ver mais

Solidão em rede: estamos cada vez mais solitários
Mauro Segura
Transformação
Vivemos a "cultura do estresse", de não perder tempo e usar cada minuto para sermos mais produtivos. Mas isso tem um preço.

Ver mais

1936, 1984, 1918
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, ...

Ver mais

Região de conflito duplamente em foco
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Região de conflito duplamente em foco “Fronteiras? Nunca vi uma. Mas ouvi dizer que existem na mente de algumas pessoas.” Thor Heyerdahl Não é sempre que alguns dos focos mais controvertidos das ...

Ver mais

Cafezinho 82 – Paciência
Cafezinho 82 – Paciência
O que uma árvore frondosa precisa para se manter firme ...

Ver mais

Cafezinho 81 – A Confederação
Cafezinho 81 – A Confederação
A Confederação mais eficiente do Brasil é a dos bandidos.

Ver mais

Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Ao contrário do que acreditam coxinhas e petralhas, o ...

Ver mais

Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Engajamento vem do francês engager, que quer dizer “se ...

Ver mais

Culpados

Culpados

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Por Adalberto Piotto

Eu não acredito que o entorno modifique as pessoas. Pode até mobilizá-las, mas não as muda. A transformação verdadeira só pode vir de dentro delas. Uma autotransformação em si.
A crença acima me faz fazer as coisas tal como as faço, daí não titubear em apontar o dedo para os problemas, mesmo que sob custos pessoais altos, porque só assim, acredito, pode provocar avanços reais na sociedade e em temas controversos, uma definição erudita que tem sido usada para quase tudo que parece não ter solução à vista, o que a empobrece.
Para tudo no mundo é preciso antes individualizar para depois coletivizar. A inversão dessa ordem de atitude normalmente tem produzido espasmos de aparente mudança e muito comodismo. Espera-se que o governo resolva, que a prefeitura resolva, que a chefia resolva, que a manifestação seja grande, sem que se mobilize individualmente a estar lá.
Explico-me mais.
Tome-se como exemplo o caso da dengue que assola o país há muitos anos. Sem incorrer no rame-rame da culpabilização do outro entre os políticos – o que é sintoma, não é doença -, o problema sempre é do Brasil, esse imenso plural conjugado no singular. Isso dá uma sensação de grandeza ao caso que nos parece intransponível, enquanto obstáculo, ou inalcançável, enquanto erradicação do mosquito. Percebe o grau de coletivização que se deu a um problema que começa no individual e sua consequente e indesejada imobilidade?
Quem é o  Brasil senão os brasileiros, mesmo os pobres de espírito que demoram a se perceber como tal, nascidos, morando ou propagando a língua e os códigos desse povo, mas se negando a brasilidade por inteiro? Brasilidade deveria significar tudo o que é do Brasil, feitos e malfeitos, bens e perdas, orgulhos e vergonhas.
Entende o grau de acomodação e covardia diante de um problema individual transformado equivocada e maldosamente em coletivo “do Brasil” para não assumirmos nossa parte no trabalho de cuidar das coisas que nos cercam? Coisas do tipo, como no caso, deixando de virar de cabeça para baixo recipientes que possam conter água.
O Aedes não se procria na imensidão do rio Amazonas, do velho Chico ou do Tietê, da baía da Guanabara e da imensidão de nossa costa atlântica. Nasce e se multiplica na imensa preguiça e falta de honestidade e respeito individual para com o coletivo na diminuta porção de água abandonada, berçário de mosquitos, que deixamos para trás.
Como o problema é do Brasil, os brasileiros esperam que o Brasil, seja lá quem for esse imenso e gigantesco ser, tome as providências enquanto esperamos pelo bem-estar.
A procrastinação da solução da dengue, por falta de envolvimento individual na solução coletiva, não é maior nem menor do que o conjunto dos brasileiros insolentes e preguiçosos. É do mesmo tamanho, correlatas que são as coisas. Verdade que menor que o Brasil porque, graças ao bom Deus, que brasileiro não gostaria de ser, temos exceções.
E são as exceções incomodadas que têm feito a diferença e provocado avanços importantes no combate ao mosquito e à epidemia. Brasileiros do setor público, políticos ou não, e sobretudo brasileiros privados, ricos, médios e pobres que têm conseguido com muito esforço manter o problema “apenas” como uma epidemia, se já grave não fosse, e evitado que se transforme em tragédia humanitária nacional.
A alegação de falta de informação das pessoas neste caso para se mobilizarem e tranformarem sua conduta para com a dengue e o país e suas causas coletivas, de falta de educação de nosso povo e de outros mantras tupiniquins para justificar nossas omissões, não passam de sofismas ancorados no coitadismo endêmico do desavergonhado paternalismo de pretensos intelectuais que não valem a cachaça do boteco onde se imaginam superiores. Superioridade que não dura mais que a ressaca moral que jamais admitirão.
As pessoas sabem do risco da dengue há pelo menos duas décadas e nada fizeram porque se dão o desafortunado benefício de acreditar que moram num país problemático e que problemas existem e são inúmeros. Mais um não fará a diferença. “Esse é o Brasil” ou “Só no Brasil, mesmo”, gostam de dizer.
Problemas que elas causam ou dão continuidade, piorando-os, com seu imobilismo avassalador.
A média do Brasil é omissa porque se dá esse direito e sabota o país ao abandoná-lo à própria sorte, como a um recipiente com água. Sorte que não é outra que não a de seus cidadãos que deveriam fazer a própria do que esperar ajuda divina, não porque vem dos céus, mas porque não carece delas nenhum esforço.
Está mais que na hora de pararmos com a omissão que nos diminui.
É preciso tomar conta do Brasil e assumi-lo de verdade, pra valer.
É isso é tarefa dos brasileiros.
A culpa é de cada um de nós, se mais ou menos, depende igualmente de cada um.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto