Iscas Intelectuais
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Bolsonaro e Transformação Digital
Carlos Nepomuceno
Vivemos o início de Revolução Civilizacional na qual ao se plantar um "pé de cooperativa de táxi" por mais que se tome litros de Design Thinking não nasce nunca um Uber.

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Crime? Tem certeza?

Crime? Tem certeza?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                        Em que mundo estamos, meu Deus? Até onde chegarão as patrulhas do politicamente correto? Aonde vai essa mania de encontrar “crimes gravíssimos” onde não há nada demais? Não sei quem ganha com isso, mas sei muito bem quem perde: Todo mundo. Chega desse coitadismo jeca, querendo proteger não-sei-quem de não-sei-quê a cada detalhe mínimo da vida. Chega dessa robotização nos costumes que nos empurra, mais e mais, para a idiotia total, para a histeria sem freios.

                        Atenção à foto acima: Para o movimento Negro É, não só é a foto de um criminoso, como é o exato momento do flagrante de delito de racismo, cometido pelo próprio, exaurido e comprovado.

                        Não, não é brincadeira. Não minha, pelo menos.

                       Essa imagem ilustra o cartaz de divulgação da peça “Satã – Um show para Madame”, espetáculo teatral ficto-biográfico revivendo as estripulias do icônico carioca Madame Satã (1900-1976), tido como o primeiro travesti, assumidérrimo, a fazer sucesso nas casas noturnas brasileiras nas décadas de 30 e 40. Pois, segundo o movimento Negro É, o ator/produtor retratado acima, Leandro Melo, é um criminoso contumaz; teve a audácia, o desplante, o desrespeito de ser um ator branco atuando no papel de um personagem histórico negro. E tem mais: com requintes de crueldade, Leandro “ousa” aparecer maquiado na foto, com o rosto metade vermelho e metade preto.

                       Difícil de entender? Pois é. Como advogado, sempre estranhei crimes que precisam ser “explicados” para causar revolta. Se é crime, é automaticamente tão aviltante, tão repulsivo, que dispensa apresentações ao respeitável público. Crime não é atração de circo. Enfim, o mencionado movimento “explica” qual o “crime” de Leandro: Racismo. Sim, nessa visão espantosa, Leandro é um criminoso, um racista. Vejamos a nota explicativa, a bula inquisitória emitida pelo tal grupo, na acusação contra o réu, devidamente condenado de antemão, adiantado no tempo e no espaço: “Não está fácil, se apropriam da história de um homem negro, usam blackface e querem nos ensinar sobre racismo”,

                       Primeiro: Leandro nunca pretendeu se apresentar de rosto pintado de negro. Foi apenas uma situação pictórica para destacar a imagem; tanto que metade de seu rosto era vermelho, obviamente remetendo à dualidade do nome artístico adotado pela personagem central, cujo nome verdadeiro era João Francisco dos Santos.

                       Segundo: Nunca se soube que um ator branco viver um personagem negro fosse racismo. Novidade total.

                       Terceiro: É bom lembrar aos incautos que acusar outrem, pura e simplesmente, de ser racista, portanto imputando-lhe ação delitiva, é calúnia – e isso sim é crime. Deu pra entender? Não é dado a ninguém julgar o próximo, atividade exclusiva do judiciário.

                       Quarto: O inventivo movimento deveria, na verdade, elogiar Leandro por enaltecer e tornar mais conhecida a figura polêmica de Madame Satã que, vivo estivesse, certamente debocharia dessa atitude absolutamente desnecessária, que fomenta justamente o contrário da causa que alega defender.

                       Quinto: O contrário pode? Otelo, o Mouro de Veneza, de Shakespeare, sempre é encenado com um negro como protagonista – mas que originalmente seria um árabe. E o que dizer da conhecida comédia As Branquelas, que semana sim, semana não, passa nas TVs aberta ou fechada? Nela, dois atores negros, totalmente maquiados, se fazem passar por duas jovens brancas, loiras, fúteis, abobalhadas, inúteis. Nunca, ninguém classificou isso como racismo – ainda bem, pois seria ridículo.

                        Sexto e último: Racismo é crime e deve ser combatido a todo tempo, a qualquer custo; mas não significa que por baixo de cada pedra há um racista vampirizando os pobres seres humanos de todas as cores. Muito menos num simples cartaz como esse. Racismo denota intenção; não pode ser travestido de armadilha para abocanhar qualquer desavisado por uma interpretação extremamente imaginativa.

                       Não será a primeira nem a última vez que esse naipe de exagero ocorre; é, infelizmente, comum que se enxergue um crime grave onde não há nada. Já tratei do assunto aqui, a respeito da campanha de uma conhecida marca de uísque: http://www.portalcafebrasil.com.br/iscas-intelectuais/consciencia-branca/

                       A piada é velha (uns garantem sua veracidade); um aluno de Sigmund Freud lhe pergunta se os muitos charutos fumados avidamente pelo famoso professor de psicanálise não seriam o tal símbolo fálico do qual sempre falava. Freud retrucou que, na imensa maioria das vezes, um charuto é apenas um charuto.

                       O politicamente correto está nos tornando insanos. Não se enxerga mais que um cartaz é apenas um cartaz?

crime_tem_certeza_img2

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes