Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Crime? Tem certeza?

Crime? Tem certeza?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                        Em que mundo estamos, meu Deus? Até onde chegarão as patrulhas do politicamente correto? Aonde vai essa mania de encontrar “crimes gravíssimos” onde não há nada demais? Não sei quem ganha com isso, mas sei muito bem quem perde: Todo mundo. Chega desse coitadismo jeca, querendo proteger não-sei-quem de não-sei-quê a cada detalhe mínimo da vida. Chega dessa robotização nos costumes que nos empurra, mais e mais, para a idiotia total, para a histeria sem freios.

                        Atenção à foto acima: Para o movimento Negro É, não só é a foto de um criminoso, como é o exato momento do flagrante de delito de racismo, cometido pelo próprio, exaurido e comprovado.

                        Não, não é brincadeira. Não minha, pelo menos.

                       Essa imagem ilustra o cartaz de divulgação da peça “Satã – Um show para Madame”, espetáculo teatral ficto-biográfico revivendo as estripulias do icônico carioca Madame Satã (1900-1976), tido como o primeiro travesti, assumidérrimo, a fazer sucesso nas casas noturnas brasileiras nas décadas de 30 e 40. Pois, segundo o movimento Negro É, o ator/produtor retratado acima, Leandro Melo, é um criminoso contumaz; teve a audácia, o desplante, o desrespeito de ser um ator branco atuando no papel de um personagem histórico negro. E tem mais: com requintes de crueldade, Leandro “ousa” aparecer maquiado na foto, com o rosto metade vermelho e metade preto.

                       Difícil de entender? Pois é. Como advogado, sempre estranhei crimes que precisam ser “explicados” para causar revolta. Se é crime, é automaticamente tão aviltante, tão repulsivo, que dispensa apresentações ao respeitável público. Crime não é atração de circo. Enfim, o mencionado movimento “explica” qual o “crime” de Leandro: Racismo. Sim, nessa visão espantosa, Leandro é um criminoso, um racista. Vejamos a nota explicativa, a bula inquisitória emitida pelo tal grupo, na acusação contra o réu, devidamente condenado de antemão, adiantado no tempo e no espaço: “Não está fácil, se apropriam da história de um homem negro, usam blackface e querem nos ensinar sobre racismo”,

                       Primeiro: Leandro nunca pretendeu se apresentar de rosto pintado de negro. Foi apenas uma situação pictórica para destacar a imagem; tanto que metade de seu rosto era vermelho, obviamente remetendo à dualidade do nome artístico adotado pela personagem central, cujo nome verdadeiro era João Francisco dos Santos.

                       Segundo: Nunca se soube que um ator branco viver um personagem negro fosse racismo. Novidade total.

                       Terceiro: É bom lembrar aos incautos que acusar outrem, pura e simplesmente, de ser racista, portanto imputando-lhe ação delitiva, é calúnia – e isso sim é crime. Deu pra entender? Não é dado a ninguém julgar o próximo, atividade exclusiva do judiciário.

                       Quarto: O inventivo movimento deveria, na verdade, elogiar Leandro por enaltecer e tornar mais conhecida a figura polêmica de Madame Satã que, vivo estivesse, certamente debocharia dessa atitude absolutamente desnecessária, que fomenta justamente o contrário da causa que alega defender.

                       Quinto: O contrário pode? Otelo, o Mouro de Veneza, de Shakespeare, sempre é encenado com um negro como protagonista – mas que originalmente seria um árabe. E o que dizer da conhecida comédia As Branquelas, que semana sim, semana não, passa nas TVs aberta ou fechada? Nela, dois atores negros, totalmente maquiados, se fazem passar por duas jovens brancas, loiras, fúteis, abobalhadas, inúteis. Nunca, ninguém classificou isso como racismo – ainda bem, pois seria ridículo.

                        Sexto e último: Racismo é crime e deve ser combatido a todo tempo, a qualquer custo; mas não significa que por baixo de cada pedra há um racista vampirizando os pobres seres humanos de todas as cores. Muito menos num simples cartaz como esse. Racismo denota intenção; não pode ser travestido de armadilha para abocanhar qualquer desavisado por uma interpretação extremamente imaginativa.

                       Não será a primeira nem a última vez que esse naipe de exagero ocorre; é, infelizmente, comum que se enxergue um crime grave onde não há nada. Já tratei do assunto aqui, a respeito da campanha de uma conhecida marca de uísque: http://www.portalcafebrasil.com.br/iscas-intelectuais/consciencia-branca/

                       A piada é velha (uns garantem sua veracidade); um aluno de Sigmund Freud lhe pergunta se os muitos charutos fumados avidamente pelo famoso professor de psicanálise não seriam o tal símbolo fálico do qual sempre falava. Freud retrucou que, na imensa maioria das vezes, um charuto é apenas um charuto.

                       O politicamente correto está nos tornando insanos. Não se enxerga mais que um cartaz é apenas um cartaz?

crime_tem_certeza_img2

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes