Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
Mais um programa musical. E daqueles, cara. Você sabe ...

Ver mais

617 – O Clube da Música Autoral
617 – O Clube da Música Autoral
Uma das coisas mais fascinantes de quem se dispõe, como ...

Ver mais

616 – Na média
616 – Na média
Num ambiente construído para que as pessoas fiquem “na ...

Ver mais

615 – Fake News? Procure o viés
615 – Fake News? Procure o viés
Nova Iorque, madrugada de março de 1964. No bairro do ...

Ver mais

LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
Professor, consultor, com vasta experiência no setor ...

Ver mais

LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 - Hoje conversamos com Tiemi Yamashita, ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Lições de viagem 11 – Santa Catarina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 11 Santa Catarina e seus diferenciais  Percebi que me encontrava num estado diferenciado na primeira vez que estive em Santa Catarina, em 1980, quando fui ministrar aulas em dois ...

Ver mais

Solidão em rede: estamos cada vez mais solitários
Mauro Segura
Transformação
Vivemos a "cultura do estresse", de não perder tempo e usar cada minuto para sermos mais produtivos. Mas isso tem um preço.

Ver mais

1936, 1984, 1918
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, ...

Ver mais

Região de conflito duplamente em foco
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Região de conflito duplamente em foco “Fronteiras? Nunca vi uma. Mas ouvi dizer que existem na mente de algumas pessoas.” Thor Heyerdahl Não é sempre que alguns dos focos mais controvertidos das ...

Ver mais

Cafezinho 82 – Paciência
Cafezinho 82 – Paciência
O que uma árvore frondosa precisa para se manter firme ...

Ver mais

Cafezinho 81 – A Confederação
Cafezinho 81 – A Confederação
A Confederação mais eficiente do Brasil é a dos bandidos.

Ver mais

Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Ao contrário do que acreditam coxinhas e petralhas, o ...

Ver mais

Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Engajamento vem do francês engager, que quer dizer “se ...

Ver mais

Consciência… branca?

Consciência… branca?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A notícia chamou atenção nos jornais impressos e eletrônicos: “Câmara de Sertãozinho cria dia em Homenagem à Consciência Branca”. Hein?

Pois é: Entre outras medidas, o presidente da Câmara decretou ponto facultativo no município no dia 21 de novembro, um dia depois da validação de idêntico benefício no Dia da Consciência Negra. A ideia do chefe do legislativo local fez chover críticas, e protestos, vindas principalmente de movimentos negros que pretendem derrubar a medida. A ideia realmente é mais do que boba, é desnecessária. Mas as críticas são fortes: Chamam a atitude do vereador de “preconceito”. Será?

Outra que deu o que falar foi a imagem propagada pelo uísque Johnnie Walker no Facebook pela mesma data: Um portrait de um jovem negro com a palavra “branco” e um texto conclamando ao fim do racismo. Recebeu um dilúvio de xingamentos, ameaças, críticas, afirmando que a bebida escocesa estaria culpando os negros pelo racismo. Será mesmo?

A proposta do legislativo de Sertãozinho é infantil, até meio ridícula; a imagem do uísque pode até ser mal esclarecida… mas em nenhum dos casos houve racismo, intolerância, preconceito ou algo do gênero. Tá na hora de tirar o pé do acelerador nessa fúria de acusar tudo e todos de serem criminosos. Discriminação e racismo devem ser combatidos, sempre; mas daí a interpretar as ações alheias como crime é muito complicado. Fica parecendo as “previsões” de Nostradamus: Cada um entende uma coisa diferente. Aí não dá.

Infelizmente, os críticos dos dois casos confundem a doença com o remédio; pretendem combater uma intolerância sugerida (ou imaginada) com violência declarada. Isso equivale a espancar alguém pra diminuir a violência.

Faz lembrar o “remédio” dos comunistas, que acreditam ser a intervenção do Estado a solução mágica para todos os problemas sociais e econômicos. E quando o Estado falha (como falhou em todos os casos no mundo onde essa tática foi aplicada), eles alegam que mais intervenção do Estado é a nova solução. Até que o problema acabe de vez com o povo… e o Estado juntos. Vide União Soviética, Cuba, Albânia, Venezuela, Coreia do Norte e qualquer outro lugar que abraçou essa demência.

Infelizmente caminhamos para o mesmo resultado negativo no quesito da palavra “cor”, esse vocábulo usado de forma odiosa, bastarda, que segrega sempre e nunca junta. Nos anos 80, esse “campo” foi retirado dos documentos oficiais, a pedido das minorias, porque dava espaço ao preconceito. Hoje, voltamos a ela para combater o mesmo preconceito alegado. Qual o nexo disso?

Intolerância racial é ruim sempre, de qualquer jeito. Inaceitável. Mas também não dá pra partir pra esse tudo ou nada de enxergar em qualquer ato uma ofensa racial. O ex-presidente do STF, Joaquim Barbosa, foi acusado de não ser negro “o suficiente”, pois agiria “como branco”. Poucas (talvez nenhuma) entidades de direitos humanos ou liberdades civis saíram em defesa dele. Mas se sublevam contra uma foto na qual interpretam intolerância? Toleram o explícito e malham o possivelmente inexistente? Qual a razão disso?

A ex-candidata à Presidência Marina Silva foi igualmente, humilhada, xingada e ridicularizada pelas tropas lulistas durante a campanha eleitoral. Não se ouviram vozes em sua defesa, nem de ONGs étnicas, mesmo sendo ela frágil, mulher, humilde e negra. Por quê? Será que há preconceito seletivo? Preconceito útil, que pode ser explorado politicamente, e por isso é perdoado de imediato? Mais um “mal necessário”, mais um fim que justifica os meios, como a morte de Celso Daniel e o Petrolão?

Também não se vê ninguém chamando de racista ou preconceituoso o ex-atual-co-presidente Lula, que acusa a elite branca (principalmente a paulista) de todas as maldades do planeta. Se tiver olhos azuis então, é caso de fuzilamento sumário. Isso é correto? Ou isso não é preconceito, não é apologia à luta racial? Bom, nenhuma novidade pra que passou a vida pregando a luta de classes e a ditadura do proletariado como epifânia mágica para a igualdade e a paz interplanetária.

Sim, black is beautiful, como se dizia nos anos 70. Mas nem por isso a brancura é necessariamente feia ou ruim. Na dúvida, melhor evitar a Câmara de Sertãozinho e tomar só uísque Black & White, enquanto não vislumbram alguma mensagem racista subliminar nele.

Consciencia... Branca imagem 1

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes