Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 29 – O menos ruim
Cafezinho 29 – O menos ruim
Comece a reparar nos discursos que você faz e ouve ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Competitividade do Brasil segue em decadência

Competitividade do Brasil segue em decadência

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Competitividade do Brasil segue em decadência

A política comprometendo a nossa competitividade

 “É como uma maratona, se você não corre, a turma toda passa na sua frente. E fomos ultrapassados por muitos porque ficamos parados.”

Carlos Arruda

Duas instituições suíças, o Fórum Econômico Mundial (World Economic Forum) e o IMDInternational Institute for Management Development elaboraram em parceria aquela que se tornou a mais aguardada e respeitada pesquisa sobre competitividade mundial. Após vários anos de parceria, as duas entidades separaram-se e passaram a publicar separadamente o resultado de suas pesquisas. Ao longo de sua existência, ambas as instituições alteraram não apenas o tamanho de suas amostras, mas também os critérios levados em conta em seus estudos. Diversos foram incorporados ou ganharam relevo com o passar dos anos, da mesma forma que outros desapareceram ou tiveram sua importância reduzida, o que reflete a própria evolução da compreensão do fenômeno do desenvolvimento.

No dia 27 de setembro, o Fórum Econômico Mundial – que conta no Brasil com a parceria da Fundação Dom Cabral (FDC) – divulgou os resultados do levantamento deste ano. Este estudo considera que a competitividade é resultado da interação de muitos fatores em diversas áreas de um país, entre as quais a econômica, a política, a jurídica, a científica e outras. Alguns desses fatores são mais facilmente reconhecidos como determinantes para o aumento da produtividade e, por extensão, da competitividade, como é o caso, por exemplo, da estabilidade macroeconômica. Outros, porém, cuja relação de determinação para a competitividade nacional não é tão direta, como é o caso o acesso e da eficiência da justiça, também têm influência marcante na avaliação da capacidade competitiva.

Dada essa explicação preliminar, o que se constata é que os dados do relatório deste ano não foram nada bons para o Brasil, uma vez que numa amostra contendo 138 países, o País ficou na 81ª posição, a pior desde que o levantamento passou a ter as atuais características.

A tabela que se segue revela o desempenho do Brasil a partir de 2005.

Ano Classificação do Brasil
2005 65ª
2006 66ª
2007 72ª
2008 64ª
2009 56ª
2010 58ª
2011 53ª
2012 48ª
2013 56ª
2014 57ª
2015 75ª
2016 81ª

A tabela revela que o Brasil obteve este ano a pior classificação desde que o levantamento passou a ser feito pelo Fórum Econômico Mundial em parceria com a Fundação Dom Cabral. Mostra, também, que após uma fase ascendente – com pequenas interrupções – que se estende até 2012, quando o País obteve sua melhor classificação (48ª), inicia-se uma decadência que acumula 33 posições nos últimos quatro anos e que foi mais acentuada de 2014 para 2015 quando 18 posições foram perdidas.

Uma leitura atenta do relatório permite um sem número de conclusões. Diante da natureza deste artigo, permito-me destacar três delas:

1ª. Há evidente contaminação da economia pela política, cujas instituições e representantes desfrutam – na sua esmagadora maioria – de baixíssimo grau de confiabilidade, o que foi confirmado pelo elevadíssimo índice de abstenções e votos nulos e brancos nas eleições municipais do último domingo. A propósito, no quesito confiança dos políticos o Brasil ficou com a 138ª e última posição entre todas as nações avaliadas.

2ª. Reafirmando um fenômeno já observado quando da divulgação do levantamento do ano passado – quando foi ainda mais perceptível – a piora concentra-se mais nos indicadores que envolvem o setor público, como fica claro ao verificarmos a posição do Brasil em dois quesitos: ambiente institucional, em que ficamos na 120ª posição; e apuração dos efeitos da regulamentação para as empresas, em que ficamos no penúltimo lugar, com 137ª posição.

3ª. Um dos poucos itens em que o País teve uma melhora foi na percepção da independência do Judiciário, em que o Brasil aparece na 79ª colocação, o que se deve, inegavelmente, às ações da operação Lava Jato.

Na outra ponta da tabela, embora tenham ocorrido pequenas alterações na classificação, os 10 melhores posicionados são os mesmos do levantamento anterior: Suíça, Cingapura, Estados Unidos, Holanda, Alemanha, Suécia, Reino Unido, Japão, Hong Kong e Finlândia.

Um último registro a meu ver digno de destaque diz respeito à ascensão da Índia, que pulou do 55º lugar em 2015 para o 39º em 2016, escalando, portanto, 16 posições. Carlos Arruda, professor da Fundação Dom Cabral e coordenador da pesquisa no Brasil, aponta as reformas levadas a efeito recentemente pelo governo indiano como responsáveis por essa ascensão e, seguindo essa linha de raciocínio, acredita que se a agenda de reformas que o Brasil tem pela frente, incluindo mudanças na Previdência, controle nos gastos públicos, reforma da legislação trabalhista e nas concessões de infraestrutura for executada, poderá ter um efeito positivo na apuração dos resultados já a partir do próximo ano.

Como há uma série de outros indicadores, pesquisados por diferentes organismos multilaterais – independentes ou integrantes do sistema das Nações Unidas – é recomendável estar atento a eles à medida que vão sendo divulgados. No mínimo, para ter uma noção de como está o Brasil em comparação com outros países. 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências e indicações bibliográficas

MACHADO, Luiz Alberto. A dança dos números. São Paulo: Instituto Liberal, Série Ideias Liberais, Ano 5, Nº 87, 1998.

SCHELLER, Fernando. Competitividade do País atinge ‘fundo do poço’. O Estado de S. Paulo, 28 de setembro de 2016, p. B 7.

Referências e indicações webgráficas

ALVARENGA, Darlan. Brasil cai para a 81ª posição em ranking de competitividade de países. Disponível em http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/09/brasil-cai-para-81-posicao-em-ranking-de-competitividade-de-paises.html.

BRASIL cai seis posições em ranking de competitividade internacional. Disponível em http://www.institutomillenium.org.br/blog/brasil-cai-seis-posies-em-ranking-de-competitividade-internacional/

FUNDAÇÃO Dom Cabral. Brasil chega à sua pior posição competitiva em 20 anos. Disponível em http://www.fdc.org.br/professoresepesquisa/nucleos/Documents/inovacao/Competitividade/Relat%C3%B3rio_Ranking_Competitividade_WEF_FDC_2016.pdf.

MACHADO, Luiz Alberto. Queda no ranking mundial de competitividade. Disponível em http://www.institutomillenium.org.br/artigos/queda-ranking-mundial-de-competitividade/.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado