Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

643 – Dominando a Civilidade
643 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

642 – A caverna de todos nós
642 – A caverna de todos nós
Olhe em volta, quanta gente precisando de ajuda, quanta ...

Ver mais

641 – O delito de ser livre
641 – O delito de ser livre
Na ofensiva contra a liberdade, fica cada vez mais ...

Ver mais

640 – O monumento à incompetência
640 – O monumento à incompetência
É muito fácil e confortável examinar o passado com os ...

Ver mais

LíderCast 135 – Thalis Antunes
LíderCast 135 – Thalis Antunes
Gestor de Conteúdo da Campus Party, que tinha tudo para ...

Ver mais

LíderCast 134 – Diego Porto Perez
LíderCast 134 – Diego Porto Perez
O elétrico Secretário de Esportes do Governo de ...

Ver mais

LíderCast 133 – Dennis Campos e Cláudio Alves
LíderCast 133 – Dennis Campos e Cláudio Alves
Empreendedores que criam no grande ABC uma agência de ...

Ver mais

LíderCast 132 – Alessandro Loiola
LíderCast 132 – Alessandro Loiola
Médico, escritor, um intelectual inquieto, capaz de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

O mundo platônico e suas consequências
Carlos Nepomuceno
Live de terça O mundo platônico e suas consequências Live de terçaO mundo platônico e suas consequênciasTENHA VISÃO MAIS SOFISTICADA SOBRE O NOVO SÉCULO!TURMA PERMANENTE, COMECE HOJE!"O ...

Ver mais

O Trivium – uma introdução
Alexandre Gomes
As Sete Artes Liberais era a forma que os jovens eram preparados desde a Antiguidade até a alta Idade Média para educação superior. E a introdução nas Sete Artes era pelo Trivium, um método que ...

Ver mais

Live de terça – a liderança liberal
Carlos Nepomuceno
Live de terçaA liderança liberalTENHA VISÃO MAIS SOFISTICADA SOBRE O NOVO SÉCULO!TURMA PERMANENTE, COMECE HOJE!"O curso me ajudou a pensar o digital como meio e não fim". – JEAN ...

Ver mais

A Tribo da Política – ou a Democracia das Identidades
Alessandro Loiola
Talvez nunca antes na história desses país os recorrentes embates na Internet tenham mostrado de modo tão claro nossa admirável habilidade de nos submetermos à polarização político-ideológica. ...

Ver mais

Cafezinho 132 – Os cagonautas
Cafezinho 132 – Os cagonautas
Seu chefe é um cagonauta? Hummmm...tome cuidado, viu?

Ver mais

Cafezinho 131 – Compartilhe!
Cafezinho 131 – Compartilhe!
Seja a mídia que você quer ver no mundo

Ver mais

Cafezinho 130 – Juniorização
Cafezinho 130 – Juniorização
Está dada vez mais difícil falar com o Presidente, o ...

Ver mais

Cafezinho 129 – Minority Report Tropical
Cafezinho 129 – Minority Report Tropical
O Brasil se transformou na República do Futuro do Subjuntivo.

Ver mais

Compatibilizar o curto e o longo prazo

Compatibilizar o curto e o longo prazo

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Compatibilizar o curto e o longo prazo

O grande desafio

“Estamos presos na armadilha da renda média, a condição de países que lograram sair da pobreza mas empacaram, não conseguindo dar o salto seguinte para se tornarem países desenvolvidos.”

Fabio Giambiagi e Rodrigo Zeidan

Como seria de se esperar, no período que se estende da eleição à posse presidencial, o noticiário fica inundado de especulações referentes aos ocupantes dos cargos de primeiro escalão e a respeito das principais diretrizes da política econômica.

Nesse segundo aspecto, há uma compreensível ênfase em questões macroeconômicas e em resultados esperados para o curto prazo.

Por que compreensível?

Em primeiro lugar porque, embora o Brasil tenha superado desde a implementação do Plano Real em 1994 a fase de níveis elevados e não civilizados de inflação, ainda há um resíduo de cultura inflacionária, que tinha como algumas de suas características a preocupação obsessiva com a sobrevivência e um extraordinário curto prazismo[1].

Em segundo lugar, porque, com exceção dos xiitas e dos economistas heterodoxos, que, segundo Ana Carla Abrão, “fazem contas igualmente heterodoxas – e erradas”, há consenso sobre a necessidade urgente de reduzir o déficit público, para o que será fundamental promover a reforma da Previdência.

Nessas análises, que se constituem em esmagadora maioria, a busca de maior equilíbrio fiscal é vista como um pré-requisito para a retomada do crescimento econômico.

Em Apelo á razão, excelente livro recém-lançado pela Editora Record, Fabio Giambiagi e Rodrigo Zeidan chamam a atenção para diversos fatores que nos prendem à “armadilha da renda média, a condição de países que lograram sair da pobreza mas empacaram, não conseguindo dar o salto seguinte para se tornarem países desenvolvidos”.

No referido livro, cuja leitura recomendo fortemente – e que deveria ser lido pelos que terão a responsabilidade de dirigir a nossa economia – os autores lembram que muitos dos esforços tentados no Brasil nas últimas décadas tiveram – quando muito – efeito passageiro, com o retorno a uma situação igual ou muito próxima da que se pretendia melhorar.

Esse fenômeno fica claro na afirmação de Cássio Casseb, conhecido executivo do mercado financeiro, citada no livro: “O Brasil é um país onde você passa quinze dias fora e muda tudo, mas passa quinze anos fora e não muda nada”.

Entre várias partes muito interessantes do livro, creio valer a pena reproduzir a maneira didática pela qual Giambiagi e Zeidan descrevem o processo pelo qual as nossas despesas públicas foram crescendo a ponto de se transformar no enorme problema que representam hoje.

Na base da ideia de que “sempre cabe mais um”, fomos enchendo o “ônibus” do Estado brasileiro com novos ocupantes, que com o passar do tempo tornaram o “veículo” demasiadamente pesado para o tipo de sociedade moderna. É um Estado incapaz de dar conta dos desafios dos novos tempos, que devem privilegiar mais temas como educação, inovação, pesquisa e ciência e tecnologia, e despesas que aliviem a situação dos mais pobres, com espaço reduzido na atual configuração das despesas.

Concordando, pois, plenamente, quanto à necessidade de tentar aprovar logo no início as reformas fiscal e previdenciária, sugiro ao novo governo que dê atenção, simultaneamente, a questões microeconômicas que serão de fundamental importância para permitir o aumento da produtividade dos nossos agentes econômicos e, em consequência, a recuperação da competitividade da economia brasileira.

Algumas dessas ações encontram-se umbilicalmente ligadas, como, por exemplo, a necessidade de promover uma simplificação tributária, que terá tanto efeito macroeconômico (reduzindo o custo e aumentando a eficiência da máquina arrecadadora), como microeconômico (reduzindo a pressão sobre os agentes produtivos).

Além da simplificação tributária, é necessário continuar, acelerar e aprofundar as ações com vistas a melhorar o ambiente de negócios no País, com medidas que reduzam o excesso de regulamentação e provoquem ampla desburocratização dos procedimentos relacionados à abertura, funcionamento e fechamento de empresas. Ainda que o Brasil tenha melhorado no ranking da pesquisa Doing Business, realizada pelo Banco Mundial, subindo 16 posições no último relatório, é forçoso reconhecer que nossa posição continua muito aquém de nosso potencial, uma vez que estamos abaixo de diversos países sul-americanos e de outros de renda comparável à nossa nos dois mais relevantes estudos dessa natureza: o Doing Business, do Banco Mundial, que reúne 190 países, e o estudo promovido pelo Institute of Managerial Develpment (IMD), que reúne 61 países.

Se conseguirmos avançar nesses aspectos, repito, estaremos contribuindo para a elevação da produtividade dos nossos agentes econômicos, para a recuperação da competitividade da economia brasileira e, assim, pavimentando a estrada que liga o curto e o longo prazo na busca de um crescimento sustentável.

Evidentemente, a par dessas ações no campo da economia, o novo governo terá que adotar ações inteligentes em setores complementares e igualmente fundamentais, tais como saúde, segurança, infraestrutura, política externa e educação, cujos resultados, muitas vezes, custam a aparecer.

Para concluir, algumas observações com referência à educação. Como bem observam Giambiagi e Zeidan, “é mito afirmar que gastamos pouco com educação. É o contrário, somos o segundo país de renda média que mais gasta com essa rubrica no mundo – apenas a Costa Rica gasta mais do que nós, em proporção do PIB”.

Corroborando esta afirmação, os autores afirmam, com base nos dados do INEP e do IBGE: “não só gastamos muito, mas também aumentamos bastante a participação dos gastos com educação como proporção do PIB”.

Considerando, portanto, que o volume de investimento em educação no Brasil já é significativo, é preciso focar na qualidade desse investimento, buscando aquele que ofereça a melhor taxa de retorno social. E, de acordo com James Heckman, ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 2000, reconhecido mundialmente como uma das maiores autoridades no assunto, a maior taxa de retorno ocorre com os programas pré-natais.

Será necessário, nesse sentido, alterar a ênfase dos últimos governos que investiram proporcionalmente muito mais em educação superior do que em programas pré-natais e programas de primeira infância. Como bem observam Giambiagi e Zeidan, os benefícios sociais são muito maiores quando os investimentos ocorrem nos primeiros anos da vida das pessoas, ao passo que os benefícios privados são maiores nos investimentos em ensino superior e nos programas de capacitação profissional.

A diferença entre retornos privados e sociais ao longo do tempo é a razão pela qual, na maior parte do mundo, a provisão de educação básica é papel do Estado, enquanto é aceitável que o sistema privado forneça parte do ensino superior. E aqui temos a primeira lição básica para o Brasil: não faz sentido falar em universalizar ensino superior quando o básico é péssimo.

Este é, aliás, um bom exemplo para a afirmação “governar é fazer escolhas”. Ao examinarmos a realidade da educação brasileira, constatamos a existência de necessidade de investimentos em todos os níveis. Como, porém, não há recursos para tanto, é preciso escolher o tipo de investimento que oferece maior retorno social e este é, sem dúvida, o investimento nos primeiros anos da vida das pessoas. Ainda que elas não votem e não convençam seus pais a votar!!!

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas e webgráficas

ABRÃO, Ana Carla. Envelhecer é uma conquista. O Estado de S. Paulo, 6 de novembro de 2018, p. B 6.

GIAMBIAGI, Fabio; ZEIDAN, Rodrigo. Apelo à razão: reconciliação com a lógica econômica – por um Brasil que deixe de flertar com o populismo, com o atraso e com o absurdo. Rio de Janeiro: Record, 2018.

GIANNETTI, Eduardo. Ética e inflação. O Estado de São Paulo, 14 de julho de 1992. Reproduzido em As partes & o todo. São Paulo: Siciliano, 1995.

PUPO, Fábio. Brasil atinge a 109ª posição em ranking de ambiente de negócios. Valor Econômico, 31 de outubro de 2018. Disponível em https://www.valor.com.br/brasil/5961361/brasil-atinge-109-posicao-em-ranking-de-ambiente-de-negocios.

RORIZ, José Ricardo. O desnecessário processo burocrático. O Estado de S. Paulo, 6 de novembro de 2018, p. B 2.

[1] Num parágrafo, Eduardo Giannetti sintetiza extraordinariamente bem o que era viver naquele contexto: “A convivência com a inflação é uma escola de oportunismo, imediatismo e corrupção. A ausência de moeda estável encurta os horizontes do processo decisório, torna os ganhos e perdas aleatórios, acirra os conflitos pseudodistributivos, premia o aproveitador, desestimula a atividade produtiva, promove o individualismo selvagem, inviabiliza o cálculo econômico racional e torna os orçamentos do setor público peças de ficção contábil.”

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado