Iscas Intelectuais
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
Neste cenário onde até “bom dia” leva patada, o que é ...

Ver mais

647 – Father Hunger
647 – Father Hunger
Quanta gente perdida e desorientada, quanta carência, ...

Ver mais

646 – Harry Nilsson
646 – Harry Nilsson
Mais um daqueles especiais musicais que você gosta ...

Ver mais

645 – O Brasil e a demanda por dar certo
645 – O Brasil e a demanda por dar certo
Estamos em período de mudanças ou apenas nos preparando ...

Ver mais

LíderCast 139 – Nívio Delgado
LíderCast 139 – Nívio Delgado
De carinha do Xerox a Diretor Superintendente da maior ...

Ver mais

LíderCast 138 – Ricardo Abiz
LíderCast 138 – Ricardo Abiz
Empreendedor também, um pioneiro em diversas áreas de ...

Ver mais

LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
Empreendedor, sócio da Pronto Light, outro típico ...

Ver mais

LíderCast 136 – Paulo Farnese
LíderCast 136 – Paulo Farnese
Empreendedor, fundador da agência EAí?, envolvido com ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Liberte-se de sua profissão
Mauro Segura
Transformação
A profissão é uma espécie de carimbo, que nos identifica como profissional e sela nosso reconhecimento. Por outro lado, o carimbo de uma profissão pode ser extremamente limitante, fechando portas ...

Ver mais

Da cor do Racismo Espanhol 2: a luta por justiça continua…
Jota Fagner
Origens do Brasil
E a minha amiga, a professora que foi discriminada na Espanha, continua seu relato. Por: Stella da Silva Lima   Uma professora espanhola viaja até o Brasil para visitar a irmã, também ...

Ver mais

O que move o ser humano é o desejo de não se mover um dia
Henrique Szklo
Tudo o que o homem criou e que deu certo desde o tempo em que vivíamos em cima das árvores, ou seja, desde os primórdios de nossa existência, está relacionado ao desejo de conquistar mais ...

Ver mais

Biografias para começar bem o ano
Mauro Segura
Transformação
Período de férias é sempre bom para ler livros. Aqui você encontra dezenas de recomendações de livros de biografias que foram referendados pelos usuários do LinkedIn.

Ver mais

Cafezinho 144 – O mundo é um moinho
Cafezinho 144 – O mundo é um moinho
Cada um entende como quer. Ou como pode.

Ver mais

Cafezinho 143 – 13 dias
Cafezinho 143 – 13 dias
É pra descer a lenha mesmo, cobrar o que está errado, ...

Ver mais

Cafezinho 142 – Renan Não
Cafezinho 142 – Renan Não
Eu não sei o que você está fazendo aí, cara, mas eu ...

Ver mais

Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Como cães de Pavlov, estamos condicionados a babar.

Ver mais

Como tornar o Brasil melhor se não formos melhores?

Como tornar o Brasil melhor se não formos melhores?

Bruno Garschagen - Ciência Política -

A imagem que temos de países desenvolvidos é quase sempre idealizada. Quando pensamos na Inglaterra e nos Estados Unidos, por exemplo, só temos coisas boas em mente, como se esses países não enfrentassem problemas sérios e não tivessem uma parcela da população pouco afeita aos bons modos, à higiene e à inteligência.

Sim, senhoritas e cavalheiros, ingleses e americanos sofrem com suas próprias vicissitudes, mas há uma distinção fundamental: eles convertem as suas virtudes e herança histórica em senso comum, num padrão a ser valorizado e respeitado pela sociedade como influência positiva, e ainda conseguem projetá-los internacionalmente como identidade nacional; nós, brasileiros, alçamos os nossos vícios, aquilo que temos de pior, a um padrão geral de conduta, a uma regra desviada que fundamenta a nossa cultura e o nosso senso comum, além de repudiarmos e ridicularizarmos a nossa história. É este conjunto desonroso que celebramos nacionalmente e notabilizamos internacionalmente.

Puxem pela memória. Quando você pensa num inglês, o que vem à cabeça: um lorde ou um operário careca e rude bebendo num pub? Quando você pensa num americano, o que vem à cabeça: um vencedor do prêmio Nobel ou um pobre da periferia? Quando você pensa num brasileiro, o que vem à cabeça: um grande empresário ou um malandro sempre pronto a dar um golpe?

Não sei como é possível construir um país melhor se nós, brasileiros, achamos o Brasil uma grande porcaria e alimentamos um orgulho inexplicável em nos identificarmos como os piores na comparação com outros países. O Brasil é uma grande janela quebrada que ajudamos diariamente a destruir.

Nutrimos um exclusivismo da desgraça que nos paralisa. Se somos inferiores, se nada aqui é bom, por qual razão empreender esforços para melhorar? Nosso vitimismo tornou-se um historicismo fatal: somos e sempre seremos os piores. Mais: queremos ser os piores – mesmo que os piores sejam sempre os outros, os “brasileiros”.

Essa atitude perante os outros e diante da vida conforta quem nada pretende fazer e rebaixa quem pretende ou tenta fazer. A qualidade média do que construímos é, por isso, inferior ao que poderia ser. Aqueles que tentam são, de alguma maneira, prejudicados por aqueles que preferem não tentar.

Se a ausência de vontade e a aceitação passiva e fatalista do que é medíocre passam a ser o senso comum, a nossa cultura refletirá os distintos graus de mediocridade. Tal ambiente desestimula a superação das adversidades e premia a banalidade. Com o tempo, sequer temos capacidade de reconhecer o melhor do pior, o bom do ruim, o Bem do Mal.

O que fazer?

Dar o melhor de si e exigir o melhor dos outros. É árduo, doloroso, incerto e desconfortável. Porém, antes de pensar em construir um país melhor, devemos ser melhores.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen