Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Como tornar o Brasil melhor se não formos melhores?

Como tornar o Brasil melhor se não formos melhores?

Bruno Garschagen - Ciência Política -

A imagem que temos de países desenvolvidos é quase sempre idealizada. Quando pensamos na Inglaterra e nos Estados Unidos, por exemplo, só temos coisas boas em mente, como se esses países não enfrentassem problemas sérios e não tivessem uma parcela da população pouco afeita aos bons modos, à higiene e à inteligência.

Sim, senhoritas e cavalheiros, ingleses e americanos sofrem com suas próprias vicissitudes, mas há uma distinção fundamental: eles convertem as suas virtudes e herança histórica em senso comum, num padrão a ser valorizado e respeitado pela sociedade como influência positiva, e ainda conseguem projetá-los internacionalmente como identidade nacional; nós, brasileiros, alçamos os nossos vícios, aquilo que temos de pior, a um padrão geral de conduta, a uma regra desviada que fundamenta a nossa cultura e o nosso senso comum, além de repudiarmos e ridicularizarmos a nossa história. É este conjunto desonroso que celebramos nacionalmente e notabilizamos internacionalmente.

Puxem pela memória. Quando você pensa num inglês, o que vem à cabeça: um lorde ou um operário careca e rude bebendo num pub? Quando você pensa num americano, o que vem à cabeça: um vencedor do prêmio Nobel ou um pobre da periferia? Quando você pensa num brasileiro, o que vem à cabeça: um grande empresário ou um malandro sempre pronto a dar um golpe?

Não sei como é possível construir um país melhor se nós, brasileiros, achamos o Brasil uma grande porcaria e alimentamos um orgulho inexplicável em nos identificarmos como os piores na comparação com outros países. O Brasil é uma grande janela quebrada que ajudamos diariamente a destruir.

Nutrimos um exclusivismo da desgraça que nos paralisa. Se somos inferiores, se nada aqui é bom, por qual razão empreender esforços para melhorar? Nosso vitimismo tornou-se um historicismo fatal: somos e sempre seremos os piores. Mais: queremos ser os piores – mesmo que os piores sejam sempre os outros, os “brasileiros”.

Essa atitude perante os outros e diante da vida conforta quem nada pretende fazer e rebaixa quem pretende ou tenta fazer. A qualidade média do que construímos é, por isso, inferior ao que poderia ser. Aqueles que tentam são, de alguma maneira, prejudicados por aqueles que preferem não tentar.

Se a ausência de vontade e a aceitação passiva e fatalista do que é medíocre passam a ser o senso comum, a nossa cultura refletirá os distintos graus de mediocridade. Tal ambiente desestimula a superação das adversidades e premia a banalidade. Com o tempo, sequer temos capacidade de reconhecer o melhor do pior, o bom do ruim, o Bem do Mal.

O que fazer?

Dar o melhor de si e exigir o melhor dos outros. É árduo, doloroso, incerto e desconfortável. Porém, antes de pensar em construir um país melhor, devemos ser melhores.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen