Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Colonizados

Colonizados

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

De que é feita nossa tradição de curtir sofrimento, de rimar amor com dor? Estes dias refazia um velho estudo de música popular brasileira revisitando o tradicional e o clássico nos boleros, da musica romântica dos anos 60, no samba e pagode, no pop, no sertanejo, no rock nacional… não é raro depararmos com o lamento existencial, com a dor de corno, a fossa, o canto do desespero. A dor de amor, o sofrimento cantado é cult… por estas bandas não é raro que se monte um altar para o sofrimento em verso e proza… “não tenho casa, não tenho carro”; “vou botar placa de venda nesta casa”; “Lá vai ele com a cabeça enfeitada”…

Nosso cancioneiro popular em todos os estilos evidencia que o chamado povo alegre e festeiro adota o sofrimento e o chifre como estilo de vida, e a dor de cotovelo como processo existencial. O ser subjugado, que leva chicotada, que é apático, que aceita tudo, que pode ser humilhado, roubado, espezinhado e que após ser violentado vai cantarolar sua dor existencial em uma melodia, em vários estilos. Curtir sofrer!

Todo subdesenvolvimento cultural, de nossa educação, saúde programado em agenda política de estado, neste cenário pervertido de valores e ideais é ainda parte de nossa mentalidade de seres colonizados, feitos a escravidão que amam seu senhor e o chicote que estala, ardido nas costas. sobem todos os impostos, cai a qualidade de vida, saúde e educação pioram, desmandos e mais desmandos políticos, conquistas seculares são extirpadas e o povo contente vai as ruas pedir para que se mantenha a corrupção e a péssima gestão da máquina pública, feliz por ter hoje mais de 50% do que ganha destinado a um governo corrupto. Feliz por ter de voltar a viver com uma inflação que esta em disparada.  Isto é a tradição de gostar de apanhar na mentalidade de colonizado. Uma persona sombria que virou tradição no Brasil.

Ser este que se apaga, que perde sua identidade, que omite sua opinião, que finge que tudo que ocorre, que isto não é com ele. Todavia mensalmente as contas dobram, o custo de vida com a inflação aumenta muito, mas fazer o que? Logo reelegemos os mesmos bandidos que tem ficha suja, envolvidos em escândalos e muita corrupção para depois continuar cantarolando a tristeza como estilo de vida. Casar com a rapariga, pra depois ter assunto quando se leva o chifre. Amar o sofrer que vira sentido de vida.

Hoje isto se reflete em nossa saúde, no judiciário, no serviço público em geral, nas mentiras de promessas de campanha, na loucura dos nossos gestores, e principalmente na população que acaba rindo e fazendo chacota constante da anarquia existente que faz da falta de lei, ou da legislação que aceita a corrupção um hábito, tradição que advém desde o Brasil colônia, em uma terra que se acostumou a ser explorada, devassada, regrada ao chicote, um hábito pernicioso conivente e silencioso. O masoquismo de curtir sofrer, de achar bom virar manchete de jornal internacional diante do maior escândalo de corrupção do planeta terra, e como Gení e o capitão do Zepelim, no final ainda deitar e sorrir… mais uma enrabada certeira, no meio de tanta sujeira, e todo mundo caladinho, aceitando feliz até o próximo escândalo que promete ser maior que o primeiro… E você curte apanhar deste tanto caladinho?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima