Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

639 – Chega de falar de política
639 – Chega de falar de política
Diversos ouvintes mandam mensagens pedindo para que eu ...

Ver mais

638 – O efeito Dunning-Kruger
638 – O efeito Dunning-Kruger
Cara, eu fico besta com a quantidade de gente que ...

Ver mais

637 – LíderCast 10
637 – LíderCast 10
Olha só, chegamos na décima temporada do LíderCast. Com ...

Ver mais

636 – As duas éticas da eleição
636 – As duas éticas da eleição
Gravei um LíderCast da Temporada 11, que só vai ao ar ...

Ver mais

LíderCast 132 – Alessandro Loiola
LíderCast 132 – Alessandro Loiola
Médico, escritor, um intelectual inquieto, capaz de ...

Ver mais

LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
Henrique Szklo e Lena Feil – Henrique se apresenta como ...

Ver mais

LíderCast 130 – Katia Carvalho
LíderCast 130 – Katia Carvalho
Mudadora de vidas, alguém que em vez de apenas lamentar ...

Ver mais

LíderCast 129 – Guga Weigert
LíderCast 129 – Guga Weigert
DJ e empreendedor, que a partir da experiência com a ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Capitalismo Versus Esquerdismo*
Alessandro Loiola
Uma das consequências involuntárias do capitalismo é que ele coloca diferentes culturas e sociedades em contato direto muito mais amplo umas com as outras. Liga as pessoas entre si muito mais ...

Ver mais

A cavalgada de um cowboy
Jota Fagner
Origens do Brasil
Cowboy não havia dormido bem. Tinha feito corridas até às duas da manhã. O trabalho como moto-taxista costumava não render muito, mas em época de alta temporada a demanda era muito grande. ...

Ver mais

O ENEM e a (anti-)educação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Nos dois últimos fins-de-semana, milhões de candidatos ao ensino superior realizaram as provas do ENEM. O vestibular é o telos do ensino fundamental e médio no Brasil. As escolas privadas assumem ...

Ver mais

Compatibilizar o curto e o longo prazo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Compatibilizar o curto e o longo prazo O grande desafio “Estamos presos na armadilha da renda média, a condição de países que lograram sair da pobreza mas empacaram, não conseguindo dar o salto ...

Ver mais

Cafezinho 124 – À luz do sol
Cafezinho 124 – À luz do sol
É assim, com a luz do sol, que a gente faz a limpeza.

Ver mais

Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Ter consciência sobre o que é certo e errado todo mundo ...

Ver mais

Cafezinho 122 – Vira a chave
Cafezinho 122 – Vira a chave
Mudar de assunto no calor dos acontecimentos é ...

Ver mais

Cafezinho 121 – Papo de bêbado
Cafezinho 121 – Papo de bêbado
Voltar democraticamente aos trilhos. Se essa não é sua ...

Ver mais

Colonizados

Colonizados

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Colonizados

De que é feita nossa tradição de curtir sofrimento, de rimar amor com dor? Estes dias refazia um velho estudo de música popular brasileira revisitando o tradicional e o clássico nos boleros, da música romântica dos anos 60, no samba e pagode, no pop, no sertanejo, no rock nacional não é raro depararmos com o lamento existencial, com a dor de corno, a fossa, o canto do desespero. A dor de amor, o sofrimento cantado é cult…por estas bandas não é raro que se monte um altar para o sofrimento em verso e proza…”não tenho casa, não tenho carro”; “vou botar placa de venda nesta casa”; “Lá vai ele com a cabeça enfeitada”…

Nosso cancioneiro popular em todos os estilos evidencia que o chamado povo alegre e festeiro adota o sofrimento e o chifre como estilo de vida, e a dor de cotovelo como processo existencial. O ser subjugado, que leva chicotada, que é apático, que aceita tudo, que pode ser humilhado, roubado, espezinhado e que após ser violentado vai cantarolar sua dor existencial em uma melodia, em vários estilos. Curtir sofrer!

Todo subdesenvolvimento cultural, de nossa educação, saúde programado em agenda política de estado, neste cenário pervertido de valores e ideais é ainda parte de nossa mentalidade de seres colonizados, feitos a escravidão que amam seu senhor e o chicote que estala, ardido nas costas. Sobem todos os impostos, cai a qualidade de vida, saúde e educação pioram, desmandos e mais desmandos políticos, conquistas seculares são extirpadas e o povo contente vai as ruas pedir para que se mantenha a corrupção e a péssima gestão da máquina pública, feliz por ter hoje mais de 50% do que ganha destinado a um governo corrupto. Feliz por ter de voltar a viver com uma inflação que esta em disparada. Isto é a tradição de gostar de apanhar na mentalidade de colonizado. Uma persona sombria que virou tradição no Brasil. Ser este que se apaga, que perde sua identidade, que omite sua opinião, que finge que tudo que ocorre , que isto não é com ele. Todavia mensalmente as contas dobram, o custo de vida com a inflação aumenta muito, mas fazer o que? Logo reelegemos os mesmos bandidos que tem ficha suja, envolvidos em escândalos e muita corrupção para depois continuar cantarolando a tristeza como estilo de vida. Casar com a rapariga, pra depois ter assunto quando se leva o chifre. Amar o sofrer que vira sentido de vida.

Hoje isto se reflete em nossa saúde, no judiciário, no serviço público em geral, nas mentiras de promessas de campanha, na loucura dos nossos gestores, e principalmente na população que acaba rindo e fazendo chacota constante da anarquia existente que faz da falta de lei, ou da legislação que aceita a corrupção um hábito. tradição que advém desde o Brasil colônia, em uma terra que se acostumou a ser explorada, devassada, regrada ao chicote, um hábito pernicioso conivente e silencioso. O masoquismo de curtir sofrer, de achar bom virar manchete de jornal internacional diante do maior escândalo de corrupção do planeta terra, e como Gení e o capitão do Zepelim, no final ainda deitar e sorrir…mais uma enrrabada certeira, no meio de tanta sujeira,e todo mundo caladinho, aceitando feliz até o próximo escândalo que promete ser maior que o primeiro…E você curte apanhar deste tanto caladinho?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima