Iscas Intelectuais
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

597 – Simplifique
597 – Simplifique
O programa de hoje é um presente. Reproduzimos na ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Num cafezinho anterior falei sobre a importância de ...

Ver mais

Cafezinho 38 – A agarra
Cafezinho 38 – A agarra
Basta implantar uma dúvida, uma agarra... e pronto! A ...

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

Cinco decisões pós-férias

Cinco decisões pós-férias

Mauro Segura - Transformação -

Foram quase três semanas de pleno detox digital, com exceção da publicação de algumas fotos da viagem no Instagram e muitas mensagens trocadas com a família e com amigos no WhatsApp contando nossas atividades de férias. Confesso que vi os e-mails de vez em quando por conta de alguma urgência ou assunto importante. Ahhh, foram dois livros de papel também lidos sem pressa (Perdido em Marte e a biografia de Elon Musk). Eu e minha esposa percorremos o interior de Santa Catarina e o topo do Rio Grande do Sul, conhecendo a região dos cânions, lugares lindíssimos, comida farta e gostosa, muito chão de cascalho e sempre cercados de pessoas afáveis e simpáticas.

As férias me permitiram desacelerar brutalmente. Eu precisava disso. No final, porém, quando a minha espaçonave reentrou em órbita, ainda nos últimos dias de férias, ao olhar a tonelada de e-mails e mensagens nas redes sociais, a tendência foi me incendiar tal qual as naves que atravessam a atmosfera ao reentrarem no planeta. Sabe aquela ansiedade e a sensação de que “não quero isso de volta”? Pois é, rolou!

Esse tempo “fora do ar” me incentivou a repensar o meu trabalho. Apesar de me considerar um cara que busca fazer as coisas de forma diferente e não ter medo de deixar cair alguns pratos, eu cheguei à conclusão de que ainda não faço o suficiente. Também refleti que sou consumido por muitas coisas que merecem um downgrade na escala de prioridades. Acho que a leitura da biografia de Elon Musk ajudou um pouco nisso, apesar de que tenho zero admiração pela sua excentricidade, arrogância e desprezo que demonstra na construção de boas relações humanas. Elon Musk é o cara por trás da Tesla, Space X e Solar City. Ou, falando de outra forma, é o cara que sonha em construir carros totalmente elétricos e autônomos, montar cidades habitáveis em Marte e chegar ao clímax da energia solar e renovável, com o fim dos combustíveis de origem fóssil.

A minha reflexão me levou a duas decisões pós-férias: preciso me reinventar como profissional e preciso salvar mais tempo da minha vida fazendo coisas úteis e que me satisfaçam. A minha área de atuação, que é marketing e comunicação, está de ponta cabeça. Muitos colegas meus, de diferentes segmentos e indústrias, estão numa encruzilhada, como contou o Pyr Marcondes em seu artigo semanas atrás no Meio&Mensagem. Adoro marketing e comunicação e quero continuar nisso, mas tudo que fiz até agora tem pouca serventia para o meu sucesso num futuro próximo trabalhando nessa área. Hoje, trabalho com profissionais formidáveis e estou cercado de gente competente, mas preciso também me aproximar de pessoas bem diferentes de mim, que tenham pensamento e conhecimento bem distintos dos meus. Para fazer isso é necessário salvar tempo, deixando mais pratos caírem, portanto, preciso ser mais sagaz nas escolhas dos pratos.

Tomei cinco decisões que pretendo perseguir nos próximos meses:

1- Falar com estranhos
Vou desobedecer radicalmente o conselho que minha mãe me deu quando criança: vou falar com estranhos!!! Vou falar com pessoas que eu não conheço, me aproximar delas intencionalmente e que vão me provocar a ver as coisas por outro prisma. Vou limpar os preconceitos que tenho sobre determinadas coisas e exercitar isso no dia a dia através do relacionamento com pessoas que pensam e detêm conhecimento bem diferente do meu.

2- Incorporar o espírito de cientista
Vou seguir o mantra do brilhante artigo “O marqueteiro cientista“, de Adriano Araújo, no Meio&Mensagem: adotar regularmente a experimentação para acelerar o meu aprendizado e da organização. Preciso incorporar um perfil de cientista e criar um ambiente de trabalho de laboratório, onde possamos fazer mais experimentos, testar mais coisas novas e tomar mais riscos controlados em marketing e comunicação. Essa é uma forma básica para aprender e evoluir em tempos em que tudo muda o tempo todo.

3- Soltar as amarras da organização
Eu já não sou fã do controle obsessivo, mas pretendo me desapegar ainda mais do controle e dar mais autonomia, liberdade e poder para os times que trabalham comigo. Essa é uma forma de salvar tempo diário e criar um ambiente para as pessoas tomarem mais riscos. Ainda sob esse conceito de soltar as amarras, eu gostaria de ver as pessoas que me cercam fazendo mais do item anterior, ou seja, experimentando coisas novas, errando, aprendendo nos erros, evoluindo e obcecados por inovação e performance.

4- Dizer “não sei” sem culpa e várias vezes ao dia
O ambiente corporativo, em geral, tem muita dificuldade em lidar com executivos que são transparentes ao dizer que não conhecem ou não sabem determinada coisa. Esse é um ambiente que gosta de líderes assertivos e “senhores de si”. Num ambiente de transformação e experimentação em que vive o marketing hoje, essa inibição de mostrar desconhecimento passa a ser fundamental e até crucial para motivar a organização a buscar novos caminhos. Eu não sou um cara que tem vergonha de dizer “não sei”, mas vou passar a fazer mais isso ao longo dos dias.

5- Internet free de vez em quando
Queiramos ou não, mas o mundo hiperconectado é um sugador de tempo, além de ser um fator de distração e destruidor de foco. Pretendo reorganizar o meu tempo e a atenção que dedico às mídias sociais, e-mails e WhatsApps da vida. Infelizmente, isso representará uma menor prontidão em responder as mensagens que recebo no dia a dia, ou seja, esse será um dos pratos que vou deixar cair. Desculpe, não é nada pessoal. Uma das coisas que vou testar é um dia de internet free por semana. Vamos ver se funciona.

São cinco decisões simples, mas difíceis de realizar em função do ambiente em que vivo e trabalho. Mas vou tentar, quem sabe no final do ano eu divido aqui o que aprendi na minha jornada?

Ver Todos os artigos de Mauro Segura