Iscas Intelectuais
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

583 – A regra dos dois desvios
583 – A regra dos dois desvios
Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mudança, inovação e o espírito conservador
Bruno Garschagen
Ciência Política
Mudei de casa recentemente. Muito mais do que necessário, mudei porque quis, porque considerei que seria melhor. Mudar é sempre, porém, um tormento. Embalar os pertences, transportá-los para ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Mesmo uma obra de arte, só tem utilidade de houver uma ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

Chegou a hora de declararmos nova independência

Chegou a hora de declararmos nova independência

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Pagamos pela inépcia e privilégios dos políticos. Chegou a hora de declararmos nova independência

Ontem de manhã, dois caminhões foram buscar as mudanças da presidente afastada Dilma Rousseff. Ao todo, quatro caminhões foram contratados para transportar os objetos para Porto Alegre. O custo total pelo transporte será de R$ 60 mil. Sabe quem vai pagar a conta? Eu, você e todos que pagamos impostos. Não sairá um centavo do bolso da ex-presidente, que recebia R$ 30.934,00 de vencimento bruto mensal.

Dilma terá ainda direito a seis servidores, dois motoristas e a dois veículos oficiais ao custo de R$ 40,8 mil por mês – mesmo depois de ser afastada mediante um processo de impeachment. Ou seja, a ex-presidente, que foi decisiva para quebrar a economia do país, continuará tendo privilégios pagos por nós pagadores de impostos. Além do mais, recordar é sofrer: antes de ser afastada da presidência, as despesas de Dilma no Palácio da Alvorada (não as do seu governo) eram praticamente o dobro dos gastos da rainha Elizabeth II e da família real britânica.

Mas não é só Dilma que tem esse privilégio. A regalia também é garantida aos demais ex-presidentes (José Sarney, Fernando Collor de Mello, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva), de acordo com o decreto 6.381 de 2008. Não importa se foram bons ou péssimos presidentes, todos têm benesses garantidas por lei. Ultrajante.

Aproveito o ensejo para apresentar uma proposta: além de extinguir esse benefício absurdo, o presidente da república não mais teria direito a morar de graça no Palácio da Alvorada, a residência oficial. Teria que pagar aluguel, se quisesse lá residir, e assumir todas as contas da casa (energia elétrica, água, gás, telefone, TV a cabo, internet, alimentação, empregados). Talvez assim mantivesse o pé na realidade e veria a consequência direta de sua política econômica e das intervenções danosas do governo na economia do país.

Dilma terá direito a mais uma benesse paga por nós: terá direito à viajar de graça, pela última vez, num avião da FAB na volta para Porto Alegre. E aqui me ocorre outra proposta: presidente da república não mais teria direito a avião exclusivo; teria que viajar em avião comercial e, em viagens internacionais, na classe econômica. Se isso fosse realidade antes de 2002, o ex-presidente Lula poderia, de fato, sentir “orgulho em ver pobre andando de avião”, pois estaria dividindo poltronas com ele em vez de desfrutar, no passado, o conforto do avião presidencial e, hoje em dia, o de jatinhos privados.

Nunca é demais lembrar: todos os privilégios e regalias garantidos a políticos e servidores do Executivo e do Legislativo e a membros e servidores do Judiciário são pagos compulsoriamente por nós, brasileiros, pagadores de impostos – não somos contribuintes.

Este 7 de setembro em que celebramos a Independência do Brasil de Portugal deve nos fazer refletir sobre a importância de sermos independentes do governo (Executivo, Legislativo e Judiciário), que nos impõe uma carga tributária de quase 40% do PIB. Porque temos responsabilidade direta nisto. Quanto mais pedimos direitos, quanto mais pedimos serviços estatais, mais os políticos se sentem legitimados a aumentar as atribuições do governo, o que exigirá a criação (ou aumento) de impostos sem que haja qualquer garantia de que a população (especialmente os pobres) terá acesso aos serviços e que será atendida adequadamente.

A situação é a seguinte: os políticos prometem, o governo finge que proverá todos os serviços universais e nós continuamos a pagar a conta dessa utopia – e a reclamar permanentemente do descaso e da ineficiência governamental. Em vez de solucionarmos a origem do problema criado pela intervenção estatal (transformando, por exemplo, os gigantescos, caros e ineficientes serviços estatais universais como ensino e saúde em serviços segmentados e eficientes para atender apenas as parcelas mais pobres que realmente dependem dessa provisão) pedimos mais intervenção (mais ensino e saúde estatal), como se fosse possível resolver um problema criando outro.

Essa nossa reação advém de uma mentalidade estatista e de servidão voluntária que, junto com nossa histórica cultura política intervencionista, nos prende a uma armadilha que pode ser resumida em forma de um grande paradoxo: não confiamos nos políticos, mas amamos o Estado. Este é, aliás, o subtítulo e o tema central do meu livro “Pare de Acreditar no Governo” (Editora Record).

Declaramos a nossa Independência política de Portugal em 7 de setembro de 1822. Está na hora de declararmos uma nova independência: a nossa independência mental e fiscal do governo. De qualquer governo.

Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/brasil/sem-mimimi/pagamos-pela-inepcia-privilegios-dos-politicos-chegou-hora-de-declararmos-nova-independencia-20067130.html#ixzz4JgmbFf4f

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen