Iscas Intelectuais
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

Chega de robôs

Chega de robôs

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                     Imaginem: Mulher, negra, pobre, homossexual, com pouco estudo, favelada. Ou seja, tudo o que o lulismo adora “defender”… mas, na verdade, apenas mantém sob seu controle para utilizar politicamente – eles adoram pobres e demais “minorias”, mesmo quando são maiorias, mas pobres sempre – e pra sempre. O segredo de Lula e sua gangue é (era?) a eternização da pobreza, como ocorre em qualquer país socialista (comunista rosinha, na verdade) do Planeta. Voto é voto, camarada, e mantido sob cabresto e bolsa-tudo, melhor ainda. Voto de robô é muito melhor que voto de gente. Gente é um perigo, pois pensa, raciocina, cobra. E robô não pede explicação, olha que maravilha! Essa Mulher, negra, favelada, gay, seria excelente candidata a engrossar as hostes lulistas, que variam dos sem-tudo aos bolsa-tudo. E muitos, assim, seguem as palavras do mestre da cachaça e da ilusão, sorvendo sua humilhante bolsa-migalha como forma de sobrevivência.

                                     Enfim, o lulismo ama o marginalizado justamente para mantê-lo marginalizado e dependente pelo resto da vida. E ai daquele que se aplica, se lança ao trabalho, ao mérito, ao lucro e ao reconhecimento, que resultam em sucesso, fama e dinheiro. Esses, que deixam a pobreza através de seus esforços e alçam à classe alta através do trabalho honesto, são “traidores da causa”, como classificaram (entre outros) o cantor e compositor Seu Jorge, que também já foi pobre, favelado, ignorante. Hoje continua negro, bem sucedido e famoso. Já tratei do assunto aqui: http://www.portalcafebrasil.com.br/iscas-intelectuais/meus-caros-amigos/

                                     Enfim, são muitos os tais carentes. Mas há vitória sem a auto-vitimização lulista. Uma vitória cansativa, suada, mas duradoura e gratificante. Cada João, cada Zé, cada Silva, tem sem lugar ao Sol… e a prova se chama Rafaela Silva.

                                     Pois é… Rafaela nasceu na favela carioca Cidade de Deus (sim, a do filme). Criança, em vez de cair na marginalidade ou no ócio tão brasileiros, foi para a escola de Judô para crianças carentes criada pelo ex-judoca Flávio Canto. Rico, estudado e bem nascido, Flávio Canto é tudo que o lulismo odeia. É das tais “zelites”, que odeiam o pobre pelo simples prazer de odiar. Mas Flávio, medalha de bronze nas Olimpíadas de Atenas em 2004, pôs a nu a mentiras lulista: Conseguiu, com muito trabalho e dinheiro próprio, abrir centros para ensinar Judô às crianças pobres. Tudo gratuito, e sem bolsa-judô ou outras âncoras que impeçam os pobres de se libertar.

                                     Pois bem: Foi num desses centros que Rafaela e Flávio se encontraram. Para o lulismo, seria um exemplo da exploração, da escravização, de tudo o que há de ruim; um bem nascido membro da zelite, branco, estudado, estendia a mão para uma negra favelada, no Instituto Reação – criado por ele para gente como ela. Sem bolsa-esmola, sem estandartes políticos, sem exploração da miséria alheia, sem dramatização lunática esquerdopata. Aqui, parte do maravilhoso trabalho de Flávio: http://www.cariocadna.com/por-um-rio-melhor/projeto-reacao-e-a-certeza-que-o-esporte-muda-vidas/

                                     Deu no que deu: Essa brilhante atleta, esse exemplo de garra, determinação, de vitória, deu ao Brasil a 1ª medalha de ouro da Rio 2016. Uma história fascinante, uma aula de como vencer na vida. Sofreu diversos ataques racistas, mas não ficou esperneando nem se fazendo de coitada, como os Rosário-Wyllys da vida. Venceu e esfregou na cara dos racistas sua medalha de ouro, com a ajuda inestimável de um branco rico da zelite.

                                     Horror dos horrores para o lulismo: Em vez de envergar uma surrada camiseta do assassino Che Guevara, ou enrolar-se numa bandeira vermelha do MST, Rafaela optou pela gloriosa farda da Marinha do Brasil. Ela é terceiro-sargento e trabalha no departamento militar esportivo. Pois é… o que deveria ser, na visão desses dementes, as causas de toda a maldade e pobreza do mundo, na realidade tornou-se uma estrada pavimentada de glória, de virtude, de merecida premiação e orgulho nacional.

                                     Ah, importante lembrar que, dos 465 atletas brasileiros nesta Olimpíada, 145 são militares. Representam 30% dos atletas, sem nenhuma bolsa-picaretagem, incluindo Felipe Wu, terceiro-sargento do Exército, que inaugurou o placar da Rio 2016 com uma medalha de prata na modalidade pistola de ar.

                                     A verdadeira libertação mostra seu rosto, depois de tantos anos de estagnação e lama. É o rosto de Flávio, é o rosto de Rafaela. E sem nenhum tipo de quota para atletas. Isso se a lulada não levar mais essa ideia de jerico pra frente.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes