Iscas Intelectuais
A fábrica de conteúdo
A fábrica de conteúdo
A Confraria Café Brasil dá um passo adiante e começa a ...

Ver mais

Um jeito de ver o mundo
Um jeito de ver o mundo
Isca Intelectual de Luciano Pires que tenta explicar o ...

Ver mais

LíderCast 5
LíderCast 5
Acabamos de lançar a Temporada 5 do podcast LíderCast, ...

Ver mais

O padrão
O padrão
Isca intelectual de Luciano Pires demonstrando que ...

Ver mais

553 – Exponential Talks
553 – Exponential Talks
Podcast Café Brasil 553 - Exponential Talks - Luciano ...

Ver mais

552 – LíderCast 5
552 – LíderCast 5
Podcast Café Brasil 552 - LíderCast 5 . Este programa ...

Ver mais

999 – Hotel Califórnia
999 – Hotel Califórnia
Podcast Café Brasil - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

551 – Todo mundo é deficiente
551 – Todo mundo é deficiente
Podcast Café Brasil 551 - Todo mundo é deficiente. ...

Ver mais

LíderCast 061 – Flavio Azm
LíderCast 061 – Flavio Azm
Hoje recebemos Flavio Azm que é cineasta, mas é muito ...

Ver mais

LíderCast 060 – Raiam Santos
LíderCast 060 – Raiam Santos
Hoje recebo Raiam Santos, um jovem brasileiro que não ...

Ver mais

LíderCast 059 – Geraldo Rufino
LíderCast 059 – Geraldo Rufino
Hoje recebemos Geraldo Rufino um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
Hoje recebemos Marcelo Wajchenberg, que é médico ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Diferentes olhares
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Diferentes olhares Metade cheia e metade vazia do copo “Nós tivemos uma economia no ano passado caindo, e no ano anterior também, uma queda que se acentuou um pouco mais do que se estava ...

Ver mais

Não contrate um comunista
Raiam Santos
Só com esse título, já deve ter gente se coçando para buscar meu CPF e tentar me processar por incitação ao ódio e preconceito. Calma, meus amigos! Sou o tipo do cara que odeia discutir política, ...

Ver mais

Carta aberta aos podcasters
Mauro Segura
Transformação
Por que os podcasts não crescem como negócio no Brasil? A resposta pode estar nessa carta aberta de Mauro Segura para os podcasters.

Ver mais

Somos responsáveis pela beleza que herdamos
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garshagen. No Brasil, basta consultar fotos antigas das cidades para verificar que o padrão de beleza urbana tradicional deu lugar a um ambiente novo, às vezes ...

Ver mais

Chega de robôs

Chega de robôs

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                     Imaginem: Mulher, negra, pobre, homossexual, com pouco estudo, favelada. Ou seja, tudo o que o lulismo adora “defender”… mas, na verdade, apenas mantém sob seu controle para utilizar politicamente – eles adoram pobres e demais “minorias”, mesmo quando são maiorias, mas pobres sempre – e pra sempre. O segredo de Lula e sua gangue é (era?) a eternização da pobreza, como ocorre em qualquer país socialista (comunista rosinha, na verdade) do Planeta. Voto é voto, camarada, e mantido sob cabresto e bolsa-tudo, melhor ainda. Voto de robô é muito melhor que voto de gente. Gente é um perigo, pois pensa, raciocina, cobra. E robô não pede explicação, olha que maravilha! Essa Mulher, negra, favelada, gay, seria excelente candidata a engrossar as hostes lulistas, que variam dos sem-tudo aos bolsa-tudo. E muitos, assim, seguem as palavras do mestre da cachaça e da ilusão, sorvendo sua humilhante bolsa-migalha como forma de sobrevivência.

                                     Enfim, o lulismo ama o marginalizado justamente para mantê-lo marginalizado e dependente pelo resto da vida. E ai daquele que se aplica, se lança ao trabalho, ao mérito, ao lucro e ao reconhecimento, que resultam em sucesso, fama e dinheiro. Esses, que deixam a pobreza através de seus esforços e alçam à classe alta através do trabalho honesto, são “traidores da causa”, como classificaram (entre outros) o cantor e compositor Seu Jorge, que também já foi pobre, favelado, ignorante. Hoje continua negro, bem sucedido e famoso. Já tratei do assunto aqui: http://www.portalcafebrasil.com.br/iscas-intelectuais/meus-caros-amigos/

                                     Enfim, são muitos os tais carentes. Mas há vitória sem a auto-vitimização lulista. Uma vitória cansativa, suada, mas duradoura e gratificante. Cada João, cada Zé, cada Silva, tem sem lugar ao Sol… e a prova se chama Rafaela Silva.

                                     Pois é… Rafaela nasceu na favela carioca Cidade de Deus (sim, a do filme). Criança, em vez de cair na marginalidade ou no ócio tão brasileiros, foi para a escola de Judô para crianças carentes criada pelo ex-judoca Flávio Canto. Rico, estudado e bem nascido, Flávio Canto é tudo que o lulismo odeia. É das tais “zelites”, que odeiam o pobre pelo simples prazer de odiar. Mas Flávio, medalha de bronze nas Olimpíadas de Atenas em 2004, pôs a nu a mentiras lulista: Conseguiu, com muito trabalho e dinheiro próprio, abrir centros para ensinar Judô às crianças pobres. Tudo gratuito, e sem bolsa-judô ou outras âncoras que impeçam os pobres de se libertar.

                                     Pois bem: Foi num desses centros que Rafaela e Flávio se encontraram. Para o lulismo, seria um exemplo da exploração, da escravização, de tudo o que há de ruim; um bem nascido membro da zelite, branco, estudado, estendia a mão para uma negra favelada, no Instituto Reação – criado por ele para gente como ela. Sem bolsa-esmola, sem estandartes políticos, sem exploração da miséria alheia, sem dramatização lunática esquerdopata. Aqui, parte do maravilhoso trabalho de Flávio: http://www.cariocadna.com/por-um-rio-melhor/projeto-reacao-e-a-certeza-que-o-esporte-muda-vidas/

                                     Deu no que deu: Essa brilhante atleta, esse exemplo de garra, determinação, de vitória, deu ao Brasil a 1ª medalha de ouro da Rio 2016. Uma história fascinante, uma aula de como vencer na vida. Sofreu diversos ataques racistas, mas não ficou esperneando nem se fazendo de coitada, como os Rosário-Wyllys da vida. Venceu e esfregou na cara dos racistas sua medalha de ouro, com a ajuda inestimável de um branco rico da zelite.

                                     Horror dos horrores para o lulismo: Em vez de envergar uma surrada camiseta do assassino Che Guevara, ou enrolar-se numa bandeira vermelha do MST, Rafaela optou pela gloriosa farda da Marinha do Brasil. Ela é terceiro-sargento e trabalha no departamento militar esportivo. Pois é… o que deveria ser, na visão desses dementes, as causas de toda a maldade e pobreza do mundo, na realidade tornou-se uma estrada pavimentada de glória, de virtude, de merecida premiação e orgulho nacional.

                                     Ah, importante lembrar que, dos 465 atletas brasileiros nesta Olimpíada, 145 são militares. Representam 30% dos atletas, sem nenhuma bolsa-picaretagem, incluindo Felipe Wu, terceiro-sargento do Exército, que inaugurou o placar da Rio 2016 com uma medalha de prata na modalidade pistola de ar.

                                     A verdadeira libertação mostra seu rosto, depois de tantos anos de estagnação e lama. É o rosto de Flávio, é o rosto de Rafaela. E sem nenhum tipo de quota para atletas. Isso se a lulada não levar mais essa ideia de jerico pra frente.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes