Iscas Intelectuais
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

LíderCast 174 – Eduardo Albano
LíderCast 174 – Eduardo Albano
Diretor de conteúdo da Ubook, plataforma que está ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)
Alexandre Gomes
Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:   TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto ...

Ver mais

Sem enredo
Chiquinho Rodrigues
Ainda bem que o U2 pegou um avião e foi pra puta-que-pariu! Eu já não aguentava mais, cara! Te juro que se eu visse o Bono Vox mais uma vez no Jornal Nacional ou na droga de um palanque qualquer ...

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Cafezinho 226 – O MCSC
Cafezinho 226 – O MCSC
Um movimento que independe de partidos, de políticos, ...

Ver mais

Cafezinho 225 – O Meu Everest
Cafezinho 225 – O Meu Everest
Nos livros, isso tem o nome de planejamento estratégico.

Ver mais

TRIVIUM: CAP.2 – AS DEZ CATEGORIAS DO SER (parte 6)

TRIVIUM: CAP.2 – AS DEZ CATEGORIAS DO SER (parte 6)

Alexandre Gomes -

Eu tenho que ser sincero com você guria (ou velhinho…) esta parte do segundo capítulo será bem chata, pois iremos tratar de algo realmente formal e de certa forma, burocrático: as Dez Categorias do Ser, de acordo com Aristóteles.

Em linhas gerais, as Dez Categorias tratam de qualquer ser (ente ou objeto), desde seu nome (substância) até todas as suas características possíveis (predicados). Talvez você já se recorde das aulas de Gramática no Ginásio e Científico. Afinal, não tem como não pensar em substantivo e predicado, certo? Tem certa semelhança sim, pois a primeira categoria do ser é a sua substância, e as outras nove são predicados daquela substância. Então vamos a elas, com alguns exemplos básicos. Prometo ser breve.

  1. Substância: é o que existe em si mesmo; por exemplo: homem, pedra;
  2. Quantidade: bem evidente, certo? Mas vale também para algo mais que o número da mesma coisa. Por exemplo, alto é uma característica de quantidade – pois subentende mais centímetros, ou metros, que outro ser da mesma espécie;
  3. Qualidade: relacionado a natureza ou forma de uma substância. É o que está mais próximo da ideia de adjetivo da Gramática. Por exemplo: escuro, branco, inteligente
  4. Relação: é a referência que um objeto (substância ou acidente) com outro. Algo como: à sua direita, prima de Carlos;
  5. Ação: é o exercício das faculdades, ou do poder, de uma substância, de modo a produzir um efeito em si mesma ou em outro objeto. Exemplo: apertar um botão, mover uma pedra (perceba que o foco está no verbo – que é o tipo de palavra que expressa justamente uma ação);
  6. Paixão: é o inverso da anterior. É a recepção (de uma substância) da ação de um agente exterior. Por exemplo: ser convidado para um baile, foi assaltado. Note que a substância é o alvo de uma ação de outra substância.
  7. Quando: aqui se trata da posição em relação ao curso de eventos externos e que mede a duração de uma substância. Como no caso: tarde de domingo;
  8. Onde: é a posição em relação aos corpos que circundam a substância (à diferença do anterior, que o critério base era o tempo, aqui o critério é o espaço). Exemplo: um banco à margem do lago, a poltrona no canto da sala;
  9. Postura: é a posição relativa que as partes de uma substância têm quanto às outras e vice-versa. Exemplo: sentado, inclinado para trás;
  10. Estado (ou Hábito, Posse): é a situação ou condição que distingue um indivíduo, ou grupo, de outros indivíduos e grupos. É um tanto besta, mas essa condição pode ser o vestuário, ornamentos, armas, etc. o objetivo desta característica é destacar o predicado que diferencia um indivíduo de outro. Pode até ser pelo sapato!

Perceba que essas Dez Características podem ser facilmente agrupadas em dois grupos: a Substância (primeira característica) separada de todas as outras, pois estas não podem existir sozinhas, uma vez que elas só podem ser notadas no sujeito – não existem por si só. Já a substância é necessária e é através dela que todas as outras características podem acontecer (ou ser percebidas).

 

Veja a figura acima, do Imperador D. Pedro II. Se formos usar a imagem para identificar as Dez Categorias do Ser nele, teremos:

  1. Substância: homem;
  2. Quantidade: um;
  3. Qualidade: caucasiano, idoso, gordo, barbudo;
  4. Relação: imperador do Brasil;
  5. Ação: posando para uma fotografia;
  6. Paixão: sendo fotografado por um fotógrafo;
  7. Quando: No final do século XIX, cerca de 1885;
  8. Onde: Paço de S. Cristóvão;
  9. Postura: sentado (em uma cadeira);
  10. Estado: fato completo (por fato, entenda: traje formal composto de casaca, calça e colete do mesmo tecido).

P.S. Para quem estranhou o termo “fato completo”, eu poderia ter usado “terno completo”, ou apenas “terno”. E não, terno não é a mesma coisa que paletó. Terno é o conjunto de três peças: paletó, colete e calça. Ou você esqueceu que no dominó, a parte da pedra com três pontos é chamada de terno?

 

Link da foto: http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/2560

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes