Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

639 – Chega de falar de política
639 – Chega de falar de política
Diversos ouvintes mandam mensagens pedindo para que eu ...

Ver mais

638 – O efeito Dunning-Kruger
638 – O efeito Dunning-Kruger
Cara, eu fico besta com a quantidade de gente que ...

Ver mais

637 – LíderCast 10
637 – LíderCast 10
Olha só, chegamos na décima temporada do LíderCast. Com ...

Ver mais

636 – As duas éticas da eleição
636 – As duas éticas da eleição
Gravei um LíderCast da Temporada 11, que só vai ao ar ...

Ver mais

LíderCast 132 – Alessandro Loiola
LíderCast 132 – Alessandro Loiola
Médico, escritor, um intelectual inquieto, capaz de ...

Ver mais

LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
Henrique Szklo e Lena Feil – Henrique se apresenta como ...

Ver mais

LíderCast 130 – Katia Carvalho
LíderCast 130 – Katia Carvalho
Mudadora de vidas, alguém que em vez de apenas lamentar ...

Ver mais

LíderCast 129 – Guga Weigert
LíderCast 129 – Guga Weigert
DJ e empreendedor, que a partir da experiência com a ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Quem não é capaz de rir de si mesmo será sempre um intolerante em potencial
Henrique Szklo
Humorista de verdade não tem lado, não tem ideologia, não tem bandeira. Independentemente de sua posição pessoal, tem de ser livre o suficiente para atirar em tudo o que se mexe e no que não se ...

Ver mais

Capitalismo Versus Esquerdismo*
Alessandro Loiola
Uma das consequências involuntárias do capitalismo é que ele coloca diferentes culturas e sociedades em contato direto muito mais amplo umas com as outras. Liga as pessoas entre si muito mais ...

Ver mais

A cavalgada de um cowboy
Jota Fagner
Origens do Brasil
Cowboy não havia dormido bem. Tinha feito corridas até às duas da manhã. O trabalho como moto-taxista costumava não render muito, mas em época de alta temporada a demanda era muito grande. ...

Ver mais

O ENEM e a (anti-)educação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Nos dois últimos fins-de-semana, milhões de candidatos ao ensino superior realizaram as provas do ENEM. O vestibular é o telos do ensino fundamental e médio no Brasil. As escolas privadas assumem ...

Ver mais

Cafezinho 125 – O chute
Cafezinho 125 – O chute
Se o governador mentiu ou se enganou, peço desculpas ...

Ver mais

Cafezinho 124 – À luz do sol
Cafezinho 124 – À luz do sol
É assim, com a luz do sol, que a gente faz a limpeza.

Ver mais

Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Ter consciência sobre o que é certo e errado todo mundo ...

Ver mais

Cafezinho 122 – Vira a chave
Cafezinho 122 – Vira a chave
Mudar de assunto no calor dos acontecimentos é ...

Ver mais

Cansei de escritórios divertidos

Cansei de escritórios divertidos

Mauro Segura - Transformação -

Um dos meus primeiros empregos foi numa indústria no subúrbio do Rio de Janeiro. Eu trabalhava com pessoas maravilhosas que me ensinaram muito, com camaradagem e generosidade, todas simples e com um sorriso eterno no rosto. Meu chefe era um sujeito complexo, cheio de manias, mas tinha um coração maior que ele próprio. O lugar era pequeno, espartano, mal iluminado, com máquinas antigas, algumas obsoletas, e limpeza não era um grande destaque. Apesar de tudo, eu adorava aquilo. Até hoje essa experiência ocupa um lugar carinhoso na minha memória.

Nos últimos anos, a grande mídia passou a publicar matérias celebrando locais de trabalho alternativos, alguns repletos de equipamentos para diversão, até com escorregadores, mesas de jogos e puffs em formatos bem estranhos. Em alguns escritórios rola até comida grátis ao longo do dia. Tudo isso é muito bacana. Eu realmente acho legal e acredito que muitos considerarão isso como um enorme diferencial para escolher um lugar para trabalhar. O que me incomoda é a supervalorização dada a esse mundo de entretenimento e lazer. Afinal, as paredes coloridas não valem de nada se os seus colegas de trabalho são cinza.

Recentemente, dentro do avião, numa ponte área do Rio para Sampa, li uma matéria na revista da Gol número 171 chamada “Aqui é trabalho!”. A matéria começa assim: “Imagine trabalhar olhando para o mar azul transparente das Filipinas, com direito a mergulhos esporádicos entre um e-mail e outro. Parece bom demais para ser verdade. Pois foi assim que o casal de publicitários Manoela Pontual e Raphael Rotta, 27 anos, decidiu viver. Eles não tiraram um ano sabático nem largaram tudo. Apenas perceberam que, graças à tecnologia, poderiam fazer seu trabalho de qualquer canto do mundo”. A matéria segue falando de gente que trabalha em lugares diferentes, com jornada hiper blaster flexível no trabalho, home office e ambientes de trabalho super transados. A matéria basicamente louva a flexibilidade no trabalho e enaltece quem pode ser dono do próprio tempo e não ter a presença de um chefe.

Obviamente que escritórios com espaços para diversão e home office são coisas legais, realmente agregam mais qualidade de vida e satisfação no trabalho, mas não são tão essenciais quanto todas essas matérias falam. Trabalhar num lugar com móveis transados é bacana, mas o importante não é o lugar onde você trabalha, mas é com quem você trabalha, e qual é o real propósito da empresa na qual você sua a camisa todos os dias. Essas são as partes mais importantes da equação.

Um artigo chamado Para Modernizar as Organizações, Precisamos Muito Mais do que Paredes Coloridas e Comida Grátis, assinado por Ligia Zotini, faz uma reflexão maravilhosa e traduz exatamente o que penso a respeito dessa ode exagerada às paredes coloridas. De que valem as paredes e o mobiliário moderno sem as pessoas? Na verdade, o que faz o ambiente de trabalho ficar colorido são as pessoas.

São as pessoas que devem ser coloridas e divertidas. Pessoas alegres, confiantes e com propósito são capazes de colorir qualquer ambiente cinza. Você trabalha em um lugar que te permite se desenvolver profissionalmente? Existe um ambiente saudável de confiança e relacionamento? O seu chefe é seu parceiro nos bons e maus momentos? A empresa na qual trabalha tem um propósito digno que vai muito além de meramente buscar o lucro? O seu trabalho ajuda você a se tornar um ser humano melhor? Essas são questões importantes, independentemente da cor da parede e do estilo da cadeira.

Portanto, prometi a mim mesmo que não vou mais ler matérias sobre escritórios molico, paredes coloridas no trabalho, bilhares, comida grátis e escritórios no mar azul das Filipinas. Já deu! Em vez de ler sobre paredes coloridas, eu quero ler sobre pessoas coloridas.

Ver Todos os artigos de Mauro Segura