Iscas Intelectuais
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

601 – Alfabetização para a Mídia II
601 – Alfabetização para a Mídia II
Publicamos um videocast sobre Alfabetização para a ...

Ver mais

600 – God Save The Queen
600 – God Save The Queen
Café Brasil 600... Chegou a hora de comemorar outra ...

Ver mais

599 – Gastando tempo
599 – Gastando tempo
Quem ouve o Café Brasil há algum tempo sabe da minha ...

Ver mais

598 – O bovárico
598 – O bovárico
Madame Bovary é um livro clássico que nos apresenta a ...

Ver mais

LíderCast 97 – Michael Oliveira
LíderCast 97 – Michael Oliveira
Michael Oliveira, que é criador e apresentador do ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e ...

Ver mais

Como não combater a inflação
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Como não combater a inflação  O livro que, infelizmente, poucos leram “Os controles são profunda e intrinsecamente imorais. Substituindo o governo da lei e da cooperação voluntária no mercado ...

Ver mais

Como vencer um debate tendo razão
Bruno Garschagen
Ciência Política
O estrondoso sucesso do psicólogo canadense Jordan Peterson tem mostrado coisas extremamente interessantes sobre como parte da sociedade reage diante de alguém que sabe defender corajosamente as ...

Ver mais

O oitavo círculo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Faz uns bons anos, no departamento de trânsito de uma pequena e pacata cidade do interior paulista. Um cliente sofreu alguns danos em seu carro, devido aos quebra-molas exagerados, muito acima ...

Ver mais

Cafezinho 48 – As reformas
Cafezinho 48 – As reformas
Reformas estruturais implicam em mudanças na forma como ...

Ver mais

Cafezinho 47 – Os poblema
Cafezinho 47 – Os poblema
Como as mídias sociais revelaram o tamanho do desastre ...

Ver mais

Cafezinho 46 – Experimente
Cafezinho 46 – Experimente
Experimente abrir uma empresa. Seja o dono.

Ver mais

Cafezinho 45 – O louco
Cafezinho 45 – O louco
Na semana passada, quase sete anos após a apresentação ...

Ver mais

Cansei de escritórios divertidos

Cansei de escritórios divertidos

Mauro Segura - Transformação -

Um dos meus primeiros empregos foi numa indústria no subúrbio do Rio de Janeiro. Eu trabalhava com pessoas maravilhosas que me ensinaram muito, com camaradagem e generosidade, todas simples e com um sorriso eterno no rosto. Meu chefe era um sujeito complexo, cheio de manias, mas tinha um coração maior que ele próprio. O lugar era pequeno, espartano, mal iluminado, com máquinas antigas, algumas obsoletas, e limpeza não era um grande destaque. Apesar de tudo, eu adorava aquilo. Até hoje essa experiência ocupa um lugar carinhoso na minha memória.

Nos últimos anos, a grande mídia passou a publicar matérias celebrando locais de trabalho alternativos, alguns repletos de equipamentos para diversão, até com escorregadores, mesas de jogos e puffs em formatos bem estranhos. Em alguns escritórios rola até comida grátis ao longo do dia. Tudo isso é muito bacana. Eu realmente acho legal e acredito que muitos considerarão isso como um enorme diferencial para escolher um lugar para trabalhar. O que me incomoda é a supervalorização dada a esse mundo de entretenimento e lazer. Afinal, as paredes coloridas não valem de nada se os seus colegas de trabalho são cinza.

Recentemente, dentro do avião, numa ponte área do Rio para Sampa, li uma matéria na revista da Gol número 171 chamada “Aqui é trabalho!”. A matéria começa assim: “Imagine trabalhar olhando para o mar azul transparente das Filipinas, com direito a mergulhos esporádicos entre um e-mail e outro. Parece bom demais para ser verdade. Pois foi assim que o casal de publicitários Manoela Pontual e Raphael Rotta, 27 anos, decidiu viver. Eles não tiraram um ano sabático nem largaram tudo. Apenas perceberam que, graças à tecnologia, poderiam fazer seu trabalho de qualquer canto do mundo”. A matéria segue falando de gente que trabalha em lugares diferentes, com jornada hiper blaster flexível no trabalho, home office e ambientes de trabalho super transados. A matéria basicamente louva a flexibilidade no trabalho e enaltece quem pode ser dono do próprio tempo e não ter a presença de um chefe.

Obviamente que escritórios com espaços para diversão e home office são coisas legais, realmente agregam mais qualidade de vida e satisfação no trabalho, mas não são tão essenciais quanto todas essas matérias falam. Trabalhar num lugar com móveis transados é bacana, mas o importante não é o lugar onde você trabalha, mas é com quem você trabalha, e qual é o real propósito da empresa na qual você sua a camisa todos os dias. Essas são as partes mais importantes da equação.

Um artigo chamado Para Modernizar as Organizações, Precisamos Muito Mais do que Paredes Coloridas e Comida Grátis, assinado por Ligia Zotini, faz uma reflexão maravilhosa e traduz exatamente o que penso a respeito dessa ode exagerada às paredes coloridas. De que valem as paredes e o mobiliário moderno sem as pessoas? Na verdade, o que faz o ambiente de trabalho ficar colorido são as pessoas.

São as pessoas que devem ser coloridas e divertidas. Pessoas alegres, confiantes e com propósito são capazes de colorir qualquer ambiente cinza. Você trabalha em um lugar que te permite se desenvolver profissionalmente? Existe um ambiente saudável de confiança e relacionamento? O seu chefe é seu parceiro nos bons e maus momentos? A empresa na qual trabalha tem um propósito digno que vai muito além de meramente buscar o lucro? O seu trabalho ajuda você a se tornar um ser humano melhor? Essas são questões importantes, independentemente da cor da parede e do estilo da cadeira.

Portanto, prometi a mim mesmo que não vou mais ler matérias sobre escritórios molico, paredes coloridas no trabalho, bilhares, comida grátis e escritórios no mar azul das Filipinas. Já deu! Em vez de ler sobre paredes coloridas, eu quero ler sobre pessoas coloridas.

Ver Todos os artigos de Mauro Segura