Iscas Intelectuais
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

579 – A arte de falar merda
579 – A arte de falar merda
Tenha um filtro, meu caro, minha cara. Para o bem do ...

Ver mais

578 – O Círculo de ouro
578 – O Círculo de ouro
Você já parou para pensar que talvez ninguém faça ...

Ver mais

577 – Dois pra lá, dois pra cá
577 – Dois pra lá, dois pra cá
Existe uma divisão política, social e cultural no ...

Ver mais

576 – Gratitude
576 – Gratitude
Gratitude vem do inglês e francês e significa que ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 – Lúcia Helena Galvão Maya é diretora da ...

Ver mais

LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 – Tito Gusmão – Tito Gusmão é um jovem ...

Ver mais

LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 –Marcio Appel executivo à frente da ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Os jacobinos da “nova direita”
Bruno Garschagen
Ciência Política
Quando os antissocialistas mimetizam a mentalidade e a ação política do inimigo, tornam-se o espelho da perfídia.

Ver mais

A hora e a vez da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A hora e a vez da criatividade  Por que não no Brasil? “Eu olho para as coisas como elas sempre foram e pergunto: Por quê? Eu olho para as coisas como elas poderão vir a ser e pergunto: Por que ...

Ver mais

Cala a boca, Magdo!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quem não se lembra do “Cala a boca, Magda”, repetido por Caco Antibes no Sai de Baixo? Magda, sua esposa, era de uma estupidez oceânica, e o bordão era gritado a cada asneira dita pela bela ...

Ver mais

Síndrome de Deus
Tom Coelho
Sete Vidas
“Existe uma força vital curativa com a qual o médico tem de contar. Afinal, não é o médico quem cura doenças: ele deve ser o seu intérprete.” (Hipócrates)   Dediquei-me nas últimas semanas ...

Ver mais

Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Sobre como aprender com nossos insucessos, ...

Ver mais

Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
O nome disso é livre mercado, goste você de Pimenta ...

Ver mais

Cafezinho 4 – A intolerância
Cafezinho 4 – A intolerância
Uma organização conhecida por investir em cultura ...

Ver mais

Cafezinho 3 – A inércia
Cafezinho 3 – A inércia
Issac Newton escreveu que “um objeto que está em ...

Ver mais

Caminhos para o futuro que queremos

Caminhos para o futuro que queremos

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Caminhos para o futuro que queremos

 Diversificação da matriz energética brasileira

 

CEBRI - mesa redonda

 “Temos a matriz energética mais limpa do mundo, porém 60% das nossas fontes não são renováveis.”

Ciro Marques Reis

Em meu último artigo para estas Iscas Intelectuais abordei o tema da integração energética da América Latina, com base num dos relatórios da pesquisa patrocinada pelo CEBRI e pela Fundação Konrad Adenauer, apresentado num evento que teve o título geral de Energia Consciente.

No artigo de hoje, reproduzo os principais pontos-chave e as principais recomendações do outro relatório de pesquisa apresentado no mesmo evento, intitulado Diversificação da Matriz Energética Brasileira: Caminho para a Segurança Energética em Bases Sustentáveis, de autoria do Prof. Ciro Marques Reis, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

Pontos-chave

  1. A matriz energética corresponde à oferta de energia primária que move todos os setores da economia de um país, dos combustíveis líquidos derivados do petróleo que são queimados nos motores dos automóveis à energia cinética das águas dos rios, convertida em energia elétrica pelas usinas hidrelétricas.
  2. No Brasil, a matriz energética é composta por 41% de fontes renováveis e 59% de fontes não renováveis. Com esse perfil, a matriz energética brasileira é uma das mais limpas do mundo.
  3. A diversificação através da introdução e da ampliação de fontes de energia renováveis é um caminho para garantir a segurança energética do país, sem comprometer o perfil limpo da matriz brasileira.
  4. Políticas públicas que visam a desonerar a cadeia produtiva de fontes alternativas e limpas de energia e soluções de mercado que ofereçam condições de competitividade com formas tradicionais de geração de energia são instrumentos importantes para promover a diversificação da matriz energética brasileira.
  5. Embora seja uma das mais limpas do mundo, a matriz energética brasileira representa cerca de um terço das emissões de GEE no país. O setor de transportes é o principal responsável pelas emissões da matriz energética.
  6. A opção brasileira pelo rodoviarismo e pelo transporte individual intensifica o uso de combustíveis fósseis, aumenta o chamado Custo Brasil e agrava os problemas de mobilidade e de poluição nos grandes centros urbanos.

Recomendações 

  1. A microgeração distribuída, em especial, a solar fotovoltaica, deve ser estimulada de todas as formas, pois promove interatividade entre o usuário final da energia e o sistema como um todo, trazendo cidadania ao processo de gestão energética.
  2. Uma maneira de estimular a expansão da energia solar fotovoltaica em residências é expandir o alcance de medidas de isenção e desoneração de tributos, de modo a reduzir o custo e o tempo de retorno do investimento.
  3. O Brasil detém cerca de 95% das reservas mundiais de quartzo – material que dá origem ao silício utilizado nos painéis da captação de energia solar. É preciso aproveitar essa oportunidade e desenvolver o potencial da indústria solar no Brasil, agregando valor à cadeia do quartzo, dominando a tecnologia dos produtos finais, como, por exemplo, a própria purificação de silício.
  4. Para reduzir as emissões decorrentes da geração térmica, recomenda-se ampliar a utilização de fontes menos intensivas em carbono nas termelétricas, como o bagaço de cana-de-açúcar e o gás natural, respectivamente.
  5. Para construir uma matriz de transporte mais sustentável, é crucial investir em modais variados (ferrovias, hidrovias, transporte dutoviário) e melhorar as condições das rodovias. O estímulo aos biocombustíveis é também fundamental, uma vez que estes desempenham importante papel no processo de substituição e mitigação no uso da gasolina e do óleo diesel.
  6. Tendo em vista os benefícios ambientais do uso do etanol, faz-se necessário uma política própria para o setor que atue em três frentes: (i) redução tributária sobre o etanol; (ii) oneração dos combustíveis fósseis; (iii) proteção do etanol às oscilações do preço do açúcar no mercado internacional quando este for mais rentável aos usineiros, evitando risco de desabastecimento e perda de confiança.
  7. A predominância da soja como insumo principal do biodiesel deve ser minorada, uma vez que a produção em larga escala de soja pode aumentar a pressão sobre a fronteira agrícola, ampliando a área de desmatamento, e prejudicar a diversidade de culturas.

Ao final desta sessão, ocorreu um painel intitulado O Brasil e a COP 21, com a participação do ministro Everton Lucero, do Ministério das Relações Exteriores, das professoras Josilene Ferrer e Mariana Luz, da FAAP, e do consultor e ex-deputado Fabio Feldmann. No referido painel foram discutidos os seguintes temas:

  • A importância da COP 21 para o regime de mudanças climáticas;
  • O papel do Brasil nas negociações de clima;
  • O que esperar da Cúpula em Paris?

A meu juízo, dois pontos deste painel merecem especial destaque: 1º) a expectativa de que o Brasil continue tendo um papel de protagonista nas discussões sobre clima, como tem acontecido até agora; e 2º) a imperiosa necessidade de incorporar as questões climáticas na governança municipal.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referência bibliográfica

REIS, Ciro Marques. Diversificação da Matriz Energética Brasileira: Caminho para a Segurança Energética em Bases Sustentáveis. Disponível em http://midias.cebri.org/arquivo/diversifica%C3%A7%C3%A3o-matriz-energetica_vol1.pdf. .

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado