Iscas Intelectuais
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

579 – A arte de falar merda
579 – A arte de falar merda
Tenha um filtro, meu caro, minha cara. Para o bem do ...

Ver mais

578 – O Círculo de ouro
578 – O Círculo de ouro
Você já parou para pensar que talvez ninguém faça ...

Ver mais

577 – Dois pra lá, dois pra cá
577 – Dois pra lá, dois pra cá
Existe uma divisão política, social e cultural no ...

Ver mais

576 – Gratitude
576 – Gratitude
Gratitude vem do inglês e francês e significa que ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 – Lúcia Helena Galvão Maya é diretora da ...

Ver mais

LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 – Tito Gusmão – Tito Gusmão é um jovem ...

Ver mais

LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 –Marcio Appel executivo à frente da ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Os jacobinos da “nova direita”
Bruno Garschagen
Ciência Política
Quando os antissocialistas mimetizam a mentalidade e a ação política do inimigo, tornam-se o espelho da perfídia.

Ver mais

A hora e a vez da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A hora e a vez da criatividade  Por que não no Brasil? “Eu olho para as coisas como elas sempre foram e pergunto: Por quê? Eu olho para as coisas como elas poderão vir a ser e pergunto: Por que ...

Ver mais

Cala a boca, Magdo!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quem não se lembra do “Cala a boca, Magda”, repetido por Caco Antibes no Sai de Baixo? Magda, sua esposa, era de uma estupidez oceânica, e o bordão era gritado a cada asneira dita pela bela ...

Ver mais

Síndrome de Deus
Tom Coelho
Sete Vidas
“Existe uma força vital curativa com a qual o médico tem de contar. Afinal, não é o médico quem cura doenças: ele deve ser o seu intérprete.” (Hipócrates)   Dediquei-me nas últimas semanas ...

Ver mais

Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Sobre como aprender com nossos insucessos, ...

Ver mais

Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
O nome disso é livre mercado, goste você de Pimenta ...

Ver mais

Cafezinho 4 – A intolerância
Cafezinho 4 – A intolerância
Uma organização conhecida por investir em cultura ...

Ver mais

Cafezinho 3 – A inércia
Cafezinho 3 – A inércia
Issac Newton escreveu que “um objeto que está em ...

Ver mais

Cala a boca, Magdo!

Cala a boca, Magdo!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Quem não se lembra do “Cala a boca, Magda”, repetido por Caco Antibes no Sai de Baixo? Magda, sua esposa, era de uma estupidez oceânica, e o bordão era gritado a cada asneira dita pela bela personagem, interpretada por Marisa Orth.

O bordão ficou famoso, bastante usado pelo povo quando alguém exagerava nas besteiras. Mas, em época de globalização, é necessário atualizar a frase, que é de 1996. Nos tempos atuais, se seis meses são uma eternidade, avaliem 21 anos! E, por outro lado, Português não é exatamente a língua da modernidade; o Inglês sempre ocupará essa posição, por mais que um ou outro ingênuo acredite realmente que o tal Esperanto tem algum futuro. Enfim…

Bom, vamos atualizar o bordão, essa forma de humor tão brasileira, difundida por Chico Anysio, Paulo Silvino, Costinha, Ronald Golias e aquele – que já foi engraçado – Jô Soares, hoje encarnando um de seus próprios bordões, muy amigo…

                        Então, de agora em diante, gritemos “Shut up, Geoffrey!”

                        Mas quem é essa figura, que pretende ocupar o lugar de Magda, sem as longas e belas pernas? Geoffrey Robertson é um advogado australiano, muito conhecido no mundo jurídico internacional por defender os “direitos humanos”, mas sempre a peso de ouro. Até aí, tudo bem.

O problema é que Geoffrey quer ser levado a sério, apesar de suas asneiras incríveis. Ele é uma espécie de patrono daquela classe de pessoas que, quando perde uma ação, acredita que há um complô mundial (talvez intergaláctico) contra ele. Passa a afirmar que não há justiça no país, que o mundo está todo errado e ele é o senhor da razão. Foi exatamente o que ele alegou ao defender o haker Julian Assange; aquele, do célebre Wikileaks, o site que reuniu metade do nome de portais que permitem interação e edição de textos com a palavra leaks (vazamentos). Assange arrumou encrenca com meio mundo ao invadir computadores (governamentais e particulares) e jogar na rede mundial fatos e versões de políticos do mundo todo. A lulada o amava, até ele vazar a tramoia lulista na compra de caças para a FAB para desviar grana; aí, camarada, ele desapareceu entre a esquerda nacional como os inimigos de Lênin sumiam nas fotos, apagados nas imagens e “apagados” à bala. Mas isso é assunto pra outro barril.

Voltando: Um belo dia, a justiça sueca investigava o vazador Assange por estupro, expedindo mandado internacional de prisão em 2012; ele imediatamente escondeu-se na bolivariana embaixada do Equador em Londres – onde está até hoje. Geoffrey correu a defender o pobrezinho – cobrando, claro, uma montanha de dinheiro, porque ninguém é de ferro e ideologia tem limite, tovarich. Em pouco tempo, o australiano, bravinho porque seu cliente não foi imediatamente declarado inocente e coberto por pétalas de rosas, declarou, com a maior cara de pau, que não há justiça na Suécia. Claro, claro. Shut up, Magdo!

Obviamente, essa tática ridícula não deu certo, mas Geoffrey resolveu repeti-la; não se sabe se por teimosia ou falta de argumento razoável. Talvez os dois. E seu cliente, dessa vez, era o enroladíssimo Lula da Silva. Pois é.

Em passeio pelo Brasil, semana passada, a convite de seus insuspeitíssimos colegas defensores de Lula neste mundano solo latino-americano (Geoffrey só “age” nas Nações Unidas e outros lugares do nível; pobreza nem a pau, my friend), o sujeito desancou o Brasil; agrediu verbalmente o juiz Sérgio Moro, os desembargadores do TRF 4 e, resumidamente, disse não haver justiça no Brasil, que o judiciário é parcial, injusto. Disse o mesmo perante a ONU em 2016.

Bom, pelo menos nos igualamos à Suécia em alguma coisa, camaradas.

Pois bem: tanto no caso sueco quanto no brasileiro, Geoffrey não apresenta absolutamente nenhum argumento. Zero. Apenas agride quem considera inimigo pessoal, como Moro e qualquer um que ouse investigar os governos mais corruptos da história nacional. Isso lá é advogado que se apresente? Tenha dó, cidadão. Fuquiú, e vá ver como tratam o povo nos lugares que você define por democracias, Venezuela e Cuba à testa; aproveite e procure saber qual o tratamento destinado a advogados nessas ditaduras nojentas.

Depois de tudo isso, a tendência é achar que Geoffrey é um idiota; não, ele não é. Não mesmo. Pode até se fazer de, mas é esperto como uma raposa. E sabe muito bem o que está fazendo. Só tem clientes absolutamente milionários, como Mike Tyson e tantos outros. Cobra a bagatela de 10 mil libras esterlinas POR DIA de trabalho, algo em torno de R$ 44.000,00 a cada 24 horas. O nobre causídico recebe vultosos R$ 120 milhões por ano, declaradamente. Só Lula já lhe deve mais de R$ 1.600.000,00. Sim, mais de um milhão e meio de reais.

Qual será o amigo de Lula que vai pagar a conta dessa vez? Uma coisa é certa: Geoffrey não dá desconto. E não aceita pagamento em palestras; afinal, ele usa argumentos idiotas, mas não cai em nenhum deles não.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes