Iscas Intelectuais
Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

610 – Abre-te Sésamo
610 – Abre-te Sésamo
Abre-te Sésamo é a frase mágica do conto de Ali-Babá e ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 - 106 - Hoje conversamos com Labi ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

O domínio esquerdista na dramaturgia brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Hoje, não há qualquer ameaça ao domínio da esquerda nas novelas, filmes, séries, teatro, programas de TV, jornalismo. Por isso a reação agressiva quando alguma obra fura a ditadura cultural.

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
O comportamento de quem vê algo errado e nada faz a ...

Ver mais

Cabeça de brasileiro

Cabeça de brasileiro

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                          Há 15 anos, o então governador Orestes Quercia conseguiu um fato inédito: Quebrou o Banespa (Banco do Estado de São Paulo) através de todas as falcatruas possíveis, tais como as famigeradas ARO – Antecipação de Receita Orçamentária. Desviava dinheiro através do famigerado Baneser, entupindo os envolvidos, com milhões dos cofres públicos; seja através de empréstimos fraudulentos, seja desvio puro e simples. O quê fizeram, à época, sindicatos e entidades representativas em defesa do Banespa? Nada.

                          Em 1991 Fleury, amigão e sucessor de Quercia, assumiu o governo de São Paulo. A frase ficou famosa: “Quebrei o Banespa, mas elegi meu sucessor”. Era a pura verdade; o Banespa estava na lona por pura corrupção, que continuou por mais quatro anos, nas mãos do super amigo quercista. O quê fizeram sindicatos e entidades? Nada.

                          Em 1996 Mário Covas, eleito governador, disse em público o que todos sabiam no particular: O Banespa estava quebrado e não havia dinheiro público que o salvasse. E mesmo havendo, seria um desperdício inaceitável. A única solução seria a venda do banco, paraestatal. O quê fizeram sindicatos e entidades em “defesa” do banco? Urraram de ódio, fizeram greves e passeatas, pondo a culpa toda em Covas, acusando-o de louco, ladrão, o diabo. Muito interessante.

                          Em 2005 começou a brotar o escândalo nos Correios; aparelhado até o talo pelo maldito lulismo, a maior (em dimensão) e melhor empresa pública do Brasil estava corroída pela corrupção. O plano era aparelhar com amiguinhos os altos escalões e desviar todo o dinheiro possível para as esbórnias ideológico-bolivarianas e os bolsos dos amigos do rei Menas I – que se afirmam comunistas mas gostam mesmo é de caviar e férias em Paris. O que fizeram os sindicatos, entidades e etc em defesa dos Correios? Nada.

                          A coisa piorou muito. O aparelhamento bolivariano-afanador-marxista decidiu que o fundo de pensão dos funcionários, o Postalis, deveria investir em papéis venezuelanos e argentinos, todos (papéis e países) sem lastro, à beira da falência; uma insanidade inaceitável. Tais papéis evidentemente deram um tremendo prejuízo, afundando o Postalis. O Quê fizeram sindicatos e entidades fidelistas-marxistas-guevaristas-lulistas? Nada.

                          Agora o fundo de pensão está em déficit gigantesco, e os funcionários terão de pagar pelo rombo do próprio bolso. Quê fizeram sindicatos e entidades sem-terristas-cubanistas-stalinistas? Babam de ódio e dizem que o “governo” (ahn?!) tem de pagar a conta, jogando a culpa em alguém que não sabem dizer quem é. E como se o “governo” (que eles apóiam com unhas vermelhas e dentes idem) fosse uma entidade etérea, onde plantando moedinhas se colhem cédulas, e não um mero recolhedor de impostos… NOSSO dinheiro.

                          Na Petrobrás foi a mesma coisa, com o Petrolão. Durante todos os anos do lulismo e de sua fantocha, os bolivarianos tupiniquins encheram bolsos, cuecas, bancos estrangeiros, ditaduras, com dinheiro público. E quê fizeram sindicatos, associações grevistas-chavistas-passeatistas-gramcistas e etc? Nada.

                          Agora, com a outrora riquíssima Petrobrás no chão, desfeita a ilusão imbecil do Pré-Sal, o petróleo em queda no mundo inteiro (menos no Brasil, com a gasolina mais cara do mundo, e de péssima qualidade)… que fazem os sindicatos e entidades lulistas-guevaristas-ilusionistas-fidelistas de sempre? Jogam a culpa na crise internacional (só rindo pra não chorar) e na oposição. Inacreditável.

                          Nesses exemplos, o que sobressai é de uma simplicidade acaciana: O brasileiro não se importa em ser roubado… desde que não atinja – diretamente – o seu bolso. O mais engraçado é que o lulismo, filhote bastardo e arrivista do chavismo, diz defender a coletividade. Impressionante. Eles privatizam o lucro e socializam o prejuízo. E o brasileiro acha natural – ao menos os que têm a mente obnubilada pela névoa vermelha ou as cuecas forradas com as verdinhas do Tio Sam. Aliás… já notaram como lulista diz odiar os EUA, mas a-d-o-r-a dólares?

                          Essa cegueira, essa estupidez encomendada se restringe à sociopatia lulista? Não mesmo. Observemos o exemplo dos motoqueiros.

                          Diariamente, motoqueiros do Brasil todo se entregam a uma imprudência praticamente suicida em ruas e estradas; circulam entre os carros, sobem em calçadas, invadem preferenciais, rodam grudados uns nos outros e nos automóveis, mudam de faixa sem sinalizar, cortam a frente de qualquer um, enfim: desafiam impunemente todo o Código de Trânsito. O que dizem os sindicatos e entidades do ramo? Nada.

                          Resultado: Uma infinidade de feridos e mortos nessa guerra civil sobre duas rodas; o seguro obrigatório indeniza aleijados, viúvas e, como a matemática ainda não foi revogada pelo lulismo, essas indenizações se multiplicam e o preço do seguro aumenta, óbvio. Quê fazem sindicatos e etc? Exigem um trânsito decente e motoqueiros minimamente preparados? Não. Exigem que alguém (jamais eles) pague a conta dessa insanidade, ou que se baixe o custo do seguro na marra. Coisa de doido.

                          Basicamente, é como encher os cornos de cachaça querendo ficar sóbrio e depois culpar o dono do alambique pela ressaca fenomenal. Sem pagar a conta do boteco, claro.

                          É isso. O Brasil é um país de moral coletiva bêbada.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes