Iscas Intelectuais
A fábrica de conteúdo
A fábrica de conteúdo
A Confraria Café Brasil dá um passo adiante e começa a ...

Ver mais

Um jeito de ver o mundo
Um jeito de ver o mundo
Isca Intelectual de Luciano Pires que tenta explicar o ...

Ver mais

LíderCast 5
LíderCast 5
Acabamos de lançar a Temporada 5 do podcast LíderCast, ...

Ver mais

O padrão
O padrão
Isca intelectual de Luciano Pires demonstrando que ...

Ver mais

553 – Exponential Talks
553 – Exponential Talks
Podcast Café Brasil 553 - Exponential Talks - Luciano ...

Ver mais

552 – LíderCast 5
552 – LíderCast 5
Podcast Café Brasil 552 - LíderCast 5 . Este programa ...

Ver mais

999 – Hotel Califórnia
999 – Hotel Califórnia
Podcast Café Brasil - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

551 – Todo mundo é deficiente
551 – Todo mundo é deficiente
Podcast Café Brasil 551 - Todo mundo é deficiente. ...

Ver mais

LíderCast 061 – Flavio Azm
LíderCast 061 – Flavio Azm
Hoje recebemos Flavio Azm que é cineasta, mas é muito ...

Ver mais

LíderCast 060 – Raiam Santos
LíderCast 060 – Raiam Santos
Hoje recebo Raiam Santos, um jovem brasileiro que não ...

Ver mais

LíderCast 059 – Geraldo Rufino
LíderCast 059 – Geraldo Rufino
Hoje recebemos Geraldo Rufino um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
Hoje recebemos Marcelo Wajchenberg, que é médico ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Diferentes olhares
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Diferentes olhares Metade cheia e metade vazia do copo “Nós tivemos uma economia no ano passado caindo, e no ano anterior também, uma queda que se acentuou um pouco mais do que se estava ...

Ver mais

Não contrate um comunista
Raiam Santos
Só com esse título, já deve ter gente se coçando para buscar meu CPF e tentar me processar por incitação ao ódio e preconceito. Calma, meus amigos! Sou o tipo do cara que odeia discutir política, ...

Ver mais

Carta aberta aos podcasters
Mauro Segura
Transformação
Por que os podcasts não crescem como negócio no Brasil? A resposta pode estar nessa carta aberta de Mauro Segura para os podcasters.

Ver mais

Somos responsáveis pela beleza que herdamos
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garshagen. No Brasil, basta consultar fotos antigas das cidades para verificar que o padrão de beleza urbana tradicional deu lugar a um ambiente novo, às vezes ...

Ver mais

Cabeça de brasileiro

Cabeça de brasileiro

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                          Há 15 anos, o então governador Orestes Quercia conseguiu um fato inédito: Quebrou o Banespa (Banco do Estado de São Paulo) através de todas as falcatruas possíveis, tais como as famigeradas ARO – Antecipação de Receita Orçamentária. Desviava dinheiro através do famigerado Baneser, entupindo os envolvidos, com milhões dos cofres públicos; seja através de empréstimos fraudulentos, seja desvio puro e simples. O quê fizeram, à época, sindicatos e entidades representativas em defesa do Banespa? Nada.

                          Em 1991 Fleury, amigão e sucessor de Quercia, assumiu o governo de São Paulo. A frase ficou famosa: “Quebrei o Banespa, mas elegi meu sucessor”. Era a pura verdade; o Banespa estava na lona por pura corrupção, que continuou por mais quatro anos, nas mãos do super amigo quercista. O quê fizeram sindicatos e entidades? Nada.

                          Em 1996 Mário Covas, eleito governador, disse em público o que todos sabiam no particular: O Banespa estava quebrado e não havia dinheiro público que o salvasse. E mesmo havendo, seria um desperdício inaceitável. A única solução seria a venda do banco, paraestatal. O quê fizeram sindicatos e entidades em “defesa” do banco? Urraram de ódio, fizeram greves e passeatas, pondo a culpa toda em Covas, acusando-o de louco, ladrão, o diabo. Muito interessante.

                          Em 2005 começou a brotar o escândalo nos Correios; aparelhado até o talo pelo maldito lulismo, a maior (em dimensão) e melhor empresa pública do Brasil estava corroída pela corrupção. O plano era aparelhar com amiguinhos os altos escalões e desviar todo o dinheiro possível para as esbórnias ideológico-bolivarianas e os bolsos dos amigos do rei Menas I – que se afirmam comunistas mas gostam mesmo é de caviar e férias em Paris. O que fizeram os sindicatos, entidades e etc em defesa dos Correios? Nada.

                          A coisa piorou muito. O aparelhamento bolivariano-afanador-marxista decidiu que o fundo de pensão dos funcionários, o Postalis, deveria investir em papéis venezuelanos e argentinos, todos (papéis e países) sem lastro, à beira da falência; uma insanidade inaceitável. Tais papéis evidentemente deram um tremendo prejuízo, afundando o Postalis. O Quê fizeram sindicatos e entidades fidelistas-marxistas-guevaristas-lulistas? Nada.

                          Agora o fundo de pensão está em déficit gigantesco, e os funcionários terão de pagar pelo rombo do próprio bolso. Quê fizeram sindicatos e entidades sem-terristas-cubanistas-stalinistas? Babam de ódio e dizem que o “governo” (ahn?!) tem de pagar a conta, jogando a culpa em alguém que não sabem dizer quem é. E como se o “governo” (que eles apóiam com unhas vermelhas e dentes idem) fosse uma entidade etérea, onde plantando moedinhas se colhem cédulas, e não um mero recolhedor de impostos… NOSSO dinheiro.

                          Na Petrobrás foi a mesma coisa, com o Petrolão. Durante todos os anos do lulismo e de sua fantocha, os bolivarianos tupiniquins encheram bolsos, cuecas, bancos estrangeiros, ditaduras, com dinheiro público. E quê fizeram sindicatos, associações grevistas-chavistas-passeatistas-gramcistas e etc? Nada.

                          Agora, com a outrora riquíssima Petrobrás no chão, desfeita a ilusão imbecil do Pré-Sal, o petróleo em queda no mundo inteiro (menos no Brasil, com a gasolina mais cara do mundo, e de péssima qualidade)… que fazem os sindicatos e entidades lulistas-guevaristas-ilusionistas-fidelistas de sempre? Jogam a culpa na crise internacional (só rindo pra não chorar) e na oposição. Inacreditável.

                          Nesses exemplos, o que sobressai é de uma simplicidade acaciana: O brasileiro não se importa em ser roubado… desde que não atinja – diretamente – o seu bolso. O mais engraçado é que o lulismo, filhote bastardo e arrivista do chavismo, diz defender a coletividade. Impressionante. Eles privatizam o lucro e socializam o prejuízo. E o brasileiro acha natural – ao menos os que têm a mente obnubilada pela névoa vermelha ou as cuecas forradas com as verdinhas do Tio Sam. Aliás… já notaram como lulista diz odiar os EUA, mas a-d-o-r-a dólares?

                          Essa cegueira, essa estupidez encomendada se restringe à sociopatia lulista? Não mesmo. Observemos o exemplo dos motoqueiros.

                          Diariamente, motoqueiros do Brasil todo se entregam a uma imprudência praticamente suicida em ruas e estradas; circulam entre os carros, sobem em calçadas, invadem preferenciais, rodam grudados uns nos outros e nos automóveis, mudam de faixa sem sinalizar, cortam a frente de qualquer um, enfim: desafiam impunemente todo o Código de Trânsito. O que dizem os sindicatos e entidades do ramo? Nada.

                          Resultado: Uma infinidade de feridos e mortos nessa guerra civil sobre duas rodas; o seguro obrigatório indeniza aleijados, viúvas e, como a matemática ainda não foi revogada pelo lulismo, essas indenizações se multiplicam e o preço do seguro aumenta, óbvio. Quê fazem sindicatos e etc? Exigem um trânsito decente e motoqueiros minimamente preparados? Não. Exigem que alguém (jamais eles) pague a conta dessa insanidade, ou que se baixe o custo do seguro na marra. Coisa de doido.

                          Basicamente, é como encher os cornos de cachaça querendo ficar sóbrio e depois culpar o dono do alambique pela ressaca fenomenal. Sem pagar a conta do boteco, claro.

                          É isso. O Brasil é um país de moral coletiva bêbada.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes