Iscas Intelectuais
Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

Freestyle
Freestyle
Isca Intelectual de Luciano Pires dizendo que quando ...

Ver mais

571 – Fala sério
571 – Fala sério
Podcast Café brasil 571 - Fala Sério - Todo povo tem o ...

Ver mais

Café Brasil Curto 12 – Viver do passado
Café Brasil Curto 12 – Viver do passado
Que triste sina. Em vez de aprender com o passado, ...

Ver mais

Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Os vivos serão sempre, e cada vez mais, governados ...

Ver mais

570 – LíderCast 6
570 – LíderCast 6
Hoje apresentamos nosso elenco de convidados da ...

Ver mais

LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes está à frente da implantação ...

Ver mais

LíderCast 072 Oscar Maroni
LíderCast 072 Oscar Maroni
Oscar Maroni se identifica como “dono de uma empresa ...

Ver mais

LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa é um dos mais ferrenhos ...

Ver mais

LíderCast 070 – Alexandre Barroso
LíderCast 070 – Alexandre Barroso
Hoje conversamos com Alexandre Barroso, num programa ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

A Era da Integração
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu sou eu mais as minhas circunstâncias.” (José Ortega y Gasset)   Um dia você apanha um velho álbum de fotografias e começa a revisitar seu passado. Entre as imagens registradas nas fotos ...

Ver mais

Nas redes sociais, você é o que publica
Mauro Segura
Transformação
A facilidade e a displicência com que publicamos algo numa rede social são incríveis. As vezes publicamos coisas que não entendemos bem e nem temos consciência do impacto que causamos.

Ver mais

Abaixo a polícia, viva o bandido!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não, pára. Tudo bem que nós, viventes dessa nau dos insensatos chamada Brasil, estamos com o couro grosso de tanta asneira, e achávamos que discursos de Dilma seriam o ápice da fronteira entre a ...

Ver mais

O Festival de Besteira que Assola a Esquerda Brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Diante da condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, intelectuais, professores, artistas, estudantes e os demais suspeitos de sempre negam que Lula tenha cometido os crimes pelos ...

Ver mais

Até que a morte nos separe

Até que a morte nos separe

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

“Promete lhe ser fiel, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, amando-lhe e respeitando-lhe, até que a morte os separe?” Bradava o sacerdote com fervor. Fato consumado: “então os declaro marido e mulher…”

A força arquetípica do casamento transcende épocas, culturas, credo, presente em todas as partes, dos povos primitivos à nossa atual civilização. Um enigma sofisticado: quem está fora quer entrar, quem está dentro, quer sair. Desde os primórdios da humanidade, o casamento é visto como situação de confronto e realização, em quase todos os mitos e histórias, luta eterna, de Adão e Eva, em nossa Bíblia, aos Vedas da cultura Hindu. Prazer e dor misturam-se na união de dois seres. No entanto, emerge na sociedade atualmente uma cisão hedônica, em que se coloca a união apenas como fonte de satisfação pessoal, o que podemos traduzir por egoísmo. A tolerância para a convivência com problemas tornou-se mínima. Outro aspecto maníaco de nossa cultura.

Um dos aspectos mais interessantes no sacramento do matrimônio é o fato de atribuirmos a Deus nosso livre arbítrio, colocando o casamento como “vontade de Deus”. De certa forma, isto torna a união entre duas pessoas mais especial, mas em contrapartida retira do indivíduo sua responsabilidade sobre suas escolhas e atos, principalmente em sistemas religiosos feudais, em que casamentos são arranjados de acordo com as vontades sacerdotais, interesses econômicos ou arranjos políticos. Infelizmente, essa situação é comum nos dias de hoje. Cito como exemplo as igrejas “neo-business-pentecostais”, em que sem o aval do sacerdote um casal de jovens não poderá jamais se relacionar. Caso o faça, incorrerá no pecado e no fogo eterno. Só pode com irmão da Igreja, se Deus deixar. Se for obediente às ordens do clero, a moça receberá pela igreja o “varão do Senhor”!

A tragédia retrata o casamento por conveniência, a isenção do indivíduo em suas escolhas, e que, “em verdade”, apenas segue ordens divinas trazidas por seus arautos. Isso mostra a confusão entre espiritualidade e regras sociais. Massificação e alienação. Mas isso não ocorre apenas no campo religioso feudal, mas em toda a sociedade, por questões econômicas, por solidão, hábito de convívio, por necessidade de ascensão social. Infelizmente, é como se o amor, a amizade  e a paixão fossem legados a um segundo plano para um casamento. É a comercialização do afeto em seu grau mais perverso, o que engendra inúmeras psicopatologias. Estudos mais recentes sobre a sexualidade no Brasil apontam que mais de 80% das mulheres casadas jamais sentiram um orgasmo. Aproximadamente 10% de homens com menos de 22 anos têm ejaculação precoce. Isto sem falar nos casos de impotência. O que percebemos é a ausência de alma na união, casamento sem paixão, sem vida, sem amor, sem fogo, algo que de verdade nunca existiu, a não ser na representação social.

Que o homem não separe o que jamais Deus uniu.

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima