Iscas Intelectuais
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
Neste cenário onde até “bom dia” leva patada, o que é ...

Ver mais

647 – Father Hunger
647 – Father Hunger
Quanta gente perdida e desorientada, quanta carência, ...

Ver mais

646 – Harry Nilsson
646 – Harry Nilsson
Mais um daqueles especiais musicais que você gosta ...

Ver mais

645 – O Brasil e a demanda por dar certo
645 – O Brasil e a demanda por dar certo
Estamos em período de mudanças ou apenas nos preparando ...

Ver mais

LíderCast 139 – Nívio Delgado
LíderCast 139 – Nívio Delgado
De carinha do Xerox a Diretor Superintendente da maior ...

Ver mais

LíderCast 138 – Ricardo Abiz
LíderCast 138 – Ricardo Abiz
Empreendedor também, um pioneiro em diversas áreas de ...

Ver mais

LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
Empreendedor, sócio da Pronto Light, outro típico ...

Ver mais

LíderCast 136 – Paulo Farnese
LíderCast 136 – Paulo Farnese
Empreendedor, fundador da agência EAí?, envolvido com ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Liberte-se de sua profissão
Mauro Segura
Transformação
A profissão é uma espécie de carimbo, que nos identifica como profissional e sela nosso reconhecimento. Por outro lado, o carimbo de uma profissão pode ser extremamente limitante, fechando portas ...

Ver mais

Da cor do Racismo Espanhol 2: a luta por justiça continua…
Jota Fagner
Origens do Brasil
E a minha amiga, a professora que foi discriminada na Espanha, continua seu relato. Por: Stella da Silva Lima   Uma professora espanhola viaja até o Brasil para visitar a irmã, também ...

Ver mais

O que move o ser humano é o desejo de não se mover um dia
Henrique Szklo
Tudo o que o homem criou e que deu certo desde o tempo em que vivíamos em cima das árvores, ou seja, desde os primórdios de nossa existência, está relacionado ao desejo de conquistar mais ...

Ver mais

Biografias para começar bem o ano
Mauro Segura
Transformação
Período de férias é sempre bom para ler livros. Aqui você encontra dezenas de recomendações de livros de biografias que foram referendados pelos usuários do LinkedIn.

Ver mais

Cafezinho 143 – 13 dias
Cafezinho 143 – 13 dias
É pra descer a lenha mesmo, cobrar o que está errado, ...

Ver mais

Cafezinho 142 – Renan Não
Cafezinho 142 – Renan Não
Eu não sei o que você está fazendo aí, cara, mas eu ...

Ver mais

Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Como cães de Pavlov, estamos condicionados a babar.

Ver mais

Cafezinho 140 – A Espiral do Silêncio
Cafezinho 140 – A Espiral do Silêncio
Não enxergar o que Temer fez de bom foi uma escolha à ...

Ver mais

As nossas contradições explicam parte da nossa desgraça política

As nossas contradições explicam parte da nossa desgraça política

Bruno Garschagen - Ciência Política -

É o exemplo da soma de subtrai: a ideia de que o governo deve ser o grande protagonista social, político e econômico junto com a falta de informação qualificada talvez expliquem por qual razão nós brasileiros adotamos posições políticas tão contraditórias.

Contradições estas, é bom que se diga, que não se restringem ao campo da política e que fará Gilberto Freyre qualificar esse aspecto da nossa cultura como “equilíbrio dos antagonismos” ( Casa Grande & Senzala) e Paulo Mercadante, “conciliação de ambiguidades” ( A Consciência Conservadora no Brasil). Eu prefiro chamar de “coabitação de antagonismos”, pois são dimensões que não podem ser equilibradas nem mesmo conciliadas.

A partir do nosso paradoxo cultural, podemos tentar compreender três informações reveladas por diferentes pesquisas realizadas pelo Datafolha este mês. A primeira dá conta de que “58% da população considera ruim ou péssima a atuação dos deputados e senadores eleitos em 2014”. A segunda mostra que “60% dos brasileiros são contra a aprovação da emenda constitucional (…) que estabelece um teto para os gastos públicos”. A terceira informa que o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva lidera a pesquisa para a eleição presidencial de 2018 com 25% das intenções de voto.

Curiosa contradição: a maioria dos entrevistados não vê problema na gastança descontrolada do Estado brasileiro (e endossa o descontrole sem se dar conta) ao mesmo tempo em que considera deputados e senadores incompetentes para a função. O problema é que os incompetentes e criminosos, sejam eles políticos, servidores públicos ou agentes privados, são os grandes beneficiados de um Estado que gasta muito e que gasta mal. Para completar o cenário de horror, o líder da prematura pesquisa para eleição presidencial de 2018 é Lula, que hoje tornou-se réu da quinta ação penal (três da Operação Lava Jato, uma da Operação Janus e uma da Operação Zelotes).

Com certa boa vontade, podemos pensar que os entrevistados na pesquisa não têm condições de raciocinar com base em relações de causa e consequência. E que, portanto, ignorem o resultado de suas escolhas. É bastante provável que a própria forma de realização da pesquisa contribua para a confusão. Diante da pergunta “o que você acha dos deputados e senadores?” num momento em que muitos parlamentares são alvos de acusações, qualquer pessoa sensata teria uma opinião bastante negativa acerca deles. Junto à confusão sobre a PEC dos gastos que a imprensa ajudou a criar e a amplificar, ficou parecendo para muita gente que controlar a gastança, que se continuasse transformaria o país num imenso Rio de Janeiro, comprometeria a já precária atuação do Estado – e é exatamente o contrário; nem o precário seria realizado.

De forma intencional ou estúpida, no entanto, o que essas pesquisas revelam é um cenário nada bonito e profundamente paradoxal: brasileiros querem um Estado que gasta muito e de forma ineficiente, Estado que também é constituído por parlamentares ruins e péssimos, além de depositarem suas esperanças num político que colaborou decisivamente para degradar as instituições, que hoje é réu em cinco ações penais e que provavelmente será julgado, condenado e preso.

Não há dúvida de que precisamos forjar uma nova elite política. Mas urge ainda mais melhorar aquilo que somos para que a soma de indivíduos melhores permita formar uma sociedade mais virtuosa e capaz de fazer escolhas sensatas, prudentes e, claro, plausíveis.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen