Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

As nossas contradições explicam parte da nossa desgraça política

As nossas contradições explicam parte da nossa desgraça política

Bruno Garschagen - Ciência Política -

É o exemplo da soma de subtrai: a ideia de que o governo deve ser o grande protagonista social, político e econômico junto com a falta de informação qualificada talvez expliquem por qual razão nós brasileiros adotamos posições políticas tão contraditórias.

Contradições estas, é bom que se diga, que não se restringem ao campo da política e que fará Gilberto Freyre qualificar esse aspecto da nossa cultura como “equilíbrio dos antagonismos” ( Casa Grande & Senzala) e Paulo Mercadante, “conciliação de ambiguidades” ( A Consciência Conservadora no Brasil). Eu prefiro chamar de “coabitação de antagonismos”, pois são dimensões que não podem ser equilibradas nem mesmo conciliadas.

A partir do nosso paradoxo cultural, podemos tentar compreender três informações reveladas por diferentes pesquisas realizadas pelo Datafolha este mês. A primeira dá conta de que “58% da população considera ruim ou péssima a atuação dos deputados e senadores eleitos em 2014”. A segunda mostra que “60% dos brasileiros são contra a aprovação da emenda constitucional (…) que estabelece um teto para os gastos públicos”. A terceira informa que o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva lidera a pesquisa para a eleição presidencial de 2018 com 25% das intenções de voto.

Curiosa contradição: a maioria dos entrevistados não vê problema na gastança descontrolada do Estado brasileiro (e endossa o descontrole sem se dar conta) ao mesmo tempo em que considera deputados e senadores incompetentes para a função. O problema é que os incompetentes e criminosos, sejam eles políticos, servidores públicos ou agentes privados, são os grandes beneficiados de um Estado que gasta muito e que gasta mal. Para completar o cenário de horror, o líder da prematura pesquisa para eleição presidencial de 2018 é Lula, que hoje tornou-se réu da quinta ação penal (três da Operação Lava Jato, uma da Operação Janus e uma da Operação Zelotes).

Com certa boa vontade, podemos pensar que os entrevistados na pesquisa não têm condições de raciocinar com base em relações de causa e consequência. E que, portanto, ignorem o resultado de suas escolhas. É bastante provável que a própria forma de realização da pesquisa contribua para a confusão. Diante da pergunta “o que você acha dos deputados e senadores?” num momento em que muitos parlamentares são alvos de acusações, qualquer pessoa sensata teria uma opinião bastante negativa acerca deles. Junto à confusão sobre a PEC dos gastos que a imprensa ajudou a criar e a amplificar, ficou parecendo para muita gente que controlar a gastança, que se continuasse transformaria o país num imenso Rio de Janeiro, comprometeria a já precária atuação do Estado – e é exatamente o contrário; nem o precário seria realizado.

De forma intencional ou estúpida, no entanto, o que essas pesquisas revelam é um cenário nada bonito e profundamente paradoxal: brasileiros querem um Estado que gasta muito e de forma ineficiente, Estado que também é constituído por parlamentares ruins e péssimos, além de depositarem suas esperanças num político que colaborou decisivamente para degradar as instituições, que hoje é réu em cinco ações penais e que provavelmente será julgado, condenado e preso.

Não há dúvida de que precisamos forjar uma nova elite política. Mas urge ainda mais melhorar aquilo que somos para que a soma de indivíduos melhores permita formar uma sociedade mais virtuosa e capaz de fazer escolhas sensatas, prudentes e, claro, plausíveis.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen