Iscas Intelectuais
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

As batatas

As batatas

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

“O que é o que é: Tem dois quilômetros, e no final você compra um quilo de batatas pelo preço de vinte? Fila do açougue em país comunista.”

        A piada é tão velha quanto certeira. Quem duvidar, que vá à Venezuela, enquanto ainda existe. E, se a razão e a democracia não voltarem àquele lugar, o fim está próximo – isso se, numa falta aguda de final feliz pra essa novela macabra, o estúpido Nicolás Maduro não lançar seu país (não é figura de linguagem, o país é dele mesmo; dele e de sua quadrilha animalesca) numa guerra para esconder a miséria ou culpar algum incauto. Nós, por exemplo.

Essa gente não aprende. Não quer. Trata-se, positivamente, de uma doença. Não há alternativa razoável para diagnóstico. Junte-se todas as guerras do século XX e XXI, somadas a todas as desgraças naturais ocorridas no mesmo período, e chegar-se-á (agora pode-se usar mesóclise novamente, ufa, e escrever “presidente” também) a um número inferior à totalidade de mortes causadas pelo comunismo; tanto de morte matada (guerras, execuções, genocídios, julgamentos sumários) quanto de morte morrida (fome, doenças, miséria, privações). Raspe-se (ênclise também tá liberada, o Dilmês acabou) toda a geopolítica histórica contemporânea em lugares dominados por essa doença, como a antiga Albânia, Romênia, a ex-URSS, os satélites soviéticos, a imunda e podre Cuba, a pior ainda Coreia do Norte, e tantos outros lugares onde não havia liberdade, democracia ou direitos civis, e só restará um século de boçalidade sem limite, morte, tortura, agonia, e um legado zero em tecnologia ou qualquer outro ramo aproveitável. Isso foi (é) o comunismo. Mas a luta continua, camarada. O inferno é o limite.

No Brasil temos uma coisa muito parecida, um ornitorrinco sócio-político de cunho psicótico: O lulismo. Quem dessa seita participa não pode – jamais! – esquecer um de seus dogmas mais preciosos: A culpa é sempre dos outros. Não importa que tenhamos pastado com essa gente por 13 longos anos, vendo implantada sua ideologia comprovadamente insustentável. Não só implementaram seus planos absolutamente insanos como, ao colher o previsível desastre final, culparam todos os que dele não participaram.

Novidade? Nenhuma. Em 1989, logo em seguida à queda do Muro de Berlim e à bancarrota humilhante da União Soviética, Roberto Campos disse que, para essa gente, a queda do Muro e da URSS não foi um fracasso, mas apenas um sucesso mal explicado.

O preâmbulo, até aqui, foi mais longo que o cerne da questão. Grave, tanto quanto indecente, ou mesmo criminoso, que veio das páginas do site O Vermelho, espécie de porta-voz (involuntariamente cômico) do PCdoB. Em texto recente, o site veiculou “artigo” culpando os judeus pelos problemas brasileiros. Não, não é brincadeira. O texto, aparentemente, foi retirado do site, mas não calou as bocas que, com toda razão, reclamaram dessa calculada maluquice.

Como lembrou Carlos Brickmann, repetindo o texto original da indecência racista, “O portal Vermelho, do PCdoB, Partido Comunista do Brasil, fiel apoiador dos governos petistas, descobriu os responsáveis pelo afastamento de Dilma Rousseff da presidência da República: os judeus, naturalmente, lado a lado com os Estados Unidos. “Israel passou a controlar, com seus sionistas, três setores-chave do governo golpista: Defesa (Raul Jungmann), Inteligência (Sergio Etchegoyen) e BC (Ilan Goldfajn)”.Goldfajn é presidente do Banco Central, judeu. O general Sérgio Etchegoyen e Raul Jungmann são cristãos, sem ligação com Israel, judaísmo ou sionismo. E o portal do PCdoB mostra os ideais do partido.”

        Pois é. A missão do atual governo interino, e dos vindouros, é curar o País disso. Lembrando que os judeus, caçados, mortos às centenas de milhares por Stalin (só seu ex-sócio Adolfinho levou fama de antissemita genocida, olha que coisa interessante), ficariam muito felizes com algumas batatas mofadas para alimentar seus filhos meio mortos de fome.

E essa gente se intitula “progressista”. Taspariu, pelamor.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes