Iscas Intelectuais
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

583 – A regra dos dois desvios
583 – A regra dos dois desvios
Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mudança, inovação e o espírito conservador
Bruno Garschagen
Ciência Política
Mudei de casa recentemente. Muito mais do que necessário, mudei porque quis, porque considerei que seria melhor. Mudar é sempre, porém, um tormento. Embalar os pertences, transportá-los para ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Mesmo uma obra de arte, só tem utilidade de houver uma ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

As batatas

As batatas

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

“O que é o que é: Tem dois quilômetros, e no final você compra um quilo de batatas pelo preço de vinte? Fila do açougue em país comunista.”

        A piada é tão velha quanto certeira. Quem duvidar, que vá à Venezuela, enquanto ainda existe. E, se a razão e a democracia não voltarem àquele lugar, o fim está próximo – isso se, numa falta aguda de final feliz pra essa novela macabra, o estúpido Nicolás Maduro não lançar seu país (não é figura de linguagem, o país é dele mesmo; dele e de sua quadrilha animalesca) numa guerra para esconder a miséria ou culpar algum incauto. Nós, por exemplo.

Essa gente não aprende. Não quer. Trata-se, positivamente, de uma doença. Não há alternativa razoável para diagnóstico. Junte-se todas as guerras do século XX e XXI, somadas a todas as desgraças naturais ocorridas no mesmo período, e chegar-se-á (agora pode-se usar mesóclise novamente, ufa, e escrever “presidente” também) a um número inferior à totalidade de mortes causadas pelo comunismo; tanto de morte matada (guerras, execuções, genocídios, julgamentos sumários) quanto de morte morrida (fome, doenças, miséria, privações). Raspe-se (ênclise também tá liberada, o Dilmês acabou) toda a geopolítica histórica contemporânea em lugares dominados por essa doença, como a antiga Albânia, Romênia, a ex-URSS, os satélites soviéticos, a imunda e podre Cuba, a pior ainda Coreia do Norte, e tantos outros lugares onde não havia liberdade, democracia ou direitos civis, e só restará um século de boçalidade sem limite, morte, tortura, agonia, e um legado zero em tecnologia ou qualquer outro ramo aproveitável. Isso foi (é) o comunismo. Mas a luta continua, camarada. O inferno é o limite.

No Brasil temos uma coisa muito parecida, um ornitorrinco sócio-político de cunho psicótico: O lulismo. Quem dessa seita participa não pode – jamais! – esquecer um de seus dogmas mais preciosos: A culpa é sempre dos outros. Não importa que tenhamos pastado com essa gente por 13 longos anos, vendo implantada sua ideologia comprovadamente insustentável. Não só implementaram seus planos absolutamente insanos como, ao colher o previsível desastre final, culparam todos os que dele não participaram.

Novidade? Nenhuma. Em 1989, logo em seguida à queda do Muro de Berlim e à bancarrota humilhante da União Soviética, Roberto Campos disse que, para essa gente, a queda do Muro e da URSS não foi um fracasso, mas apenas um sucesso mal explicado.

O preâmbulo, até aqui, foi mais longo que o cerne da questão. Grave, tanto quanto indecente, ou mesmo criminoso, que veio das páginas do site O Vermelho, espécie de porta-voz (involuntariamente cômico) do PCdoB. Em texto recente, o site veiculou “artigo” culpando os judeus pelos problemas brasileiros. Não, não é brincadeira. O texto, aparentemente, foi retirado do site, mas não calou as bocas que, com toda razão, reclamaram dessa calculada maluquice.

Como lembrou Carlos Brickmann, repetindo o texto original da indecência racista, “O portal Vermelho, do PCdoB, Partido Comunista do Brasil, fiel apoiador dos governos petistas, descobriu os responsáveis pelo afastamento de Dilma Rousseff da presidência da República: os judeus, naturalmente, lado a lado com os Estados Unidos. “Israel passou a controlar, com seus sionistas, três setores-chave do governo golpista: Defesa (Raul Jungmann), Inteligência (Sergio Etchegoyen) e BC (Ilan Goldfajn)”.Goldfajn é presidente do Banco Central, judeu. O general Sérgio Etchegoyen e Raul Jungmann são cristãos, sem ligação com Israel, judaísmo ou sionismo. E o portal do PCdoB mostra os ideais do partido.”

        Pois é. A missão do atual governo interino, e dos vindouros, é curar o País disso. Lembrando que os judeus, caçados, mortos às centenas de milhares por Stalin (só seu ex-sócio Adolfinho levou fama de antissemita genocida, olha que coisa interessante), ficariam muito felizes com algumas batatas mofadas para alimentar seus filhos meio mortos de fome.

E essa gente se intitula “progressista”. Taspariu, pelamor.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes