Iscas Intelectuais
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

Ancestrais

Ancestrais

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

“Você anda como seu avô, tem o mesmo olhar que ele” dizia uma senhora a seu neto; “Você é igualzinho a seu pai, por isto ele te irrita tanto” bradou a mãe inconformada; “ele é um político corrupto como todos os outros de sua família” incitou a voz da senhora após a denúncia. Tradição ou hereditariedade? Genética ou cultura? Talvez o velho novo enigma da Esfinge da tardia pós modernidade. O antigo nada de novo.

A canção da contra-cultura de Belchior cantada aos quatro ventos: “Ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais”. Com a releitura de “Pais e filhos” na década de 80 de Renato Russo reencena o drama humano discutido a exaustão pela ciência na década de 1910 nos desdobramentos da psicanálise. Em um lado do ringue o positivismo de Freud e seu reducionismo na sua teoria da libido; do outro lado  C. G. Jung questionando os desdobramentos da fantasia e do delírio de uma paciente psiquiátrica em surto esquizofrênico e toda carga hereditária de suas fantasias com amplo teor mítico e arquetípico. Freud preso à ideia de trauma e de ideias captadas para formação do inconsciente e do outro lado Jung com a ampliação da ideia de inconsciente evidenciando o chamado inconsciente coletivo; sua teoria dos arquétipos em 1911 postulando que a personalidade humana tinha camadas que vão para além do comportamento aprendido, de traumas evidenciando uma clínica do simbólico e todo desdobramento para um modelo clínico de atuação para psiquiatria, psicologia clínica e saúde mental. A humanidade ganhou com o embate.

“Eu tenho medo que meu filho siga o pai ou os tios e se torne um marginal, viciado e traficante” foi o que houve outro dia de uma mãe que me procurou como analista. Ela estava desesperada ao perceber que seu filho pré adolescente trazia várias questões e atitudes semelhantes a de seu pai e  parentes. Toda discussão científica sobre hereditariedade, linhagens esbarra no problema do comportamento. Estudos da genética feitos a partir de 2005 em uma nova área:  a epigenética comportamental com pesquisadores como Randy Jirtle;  Szyf e Meaney;  Eva Jablonka e Marion J. Lamb, evidenciam que  as tendências psicológicas e de comportamento são herdadas. E o que fazer com isto? O que fazer com o jovem adolescente que pode ser como parte de sua família e se tornar um traficante?

Todo materialismo científico que descartou a essência do ser humano agora esbarra com um problema existencial cantado em verso e prosa. A resposta dada a comunidade científica por Jung em 1911 em Metamorfoses e Símbolos da Libido. Símbolos de transformação já evidenciava que fosse pelos sonhos, linguagem, pela estrutura e emprego do uso do simbólico a existência de uma hereditariedade e de conteúdos que transcendem a vivência pessoal.O lado mítico e subjetivo do existir. Jung na altura ressaltava que genética não pode ser vista como fatalidade mas como tendência já na época questionando o positivismo e materialismo científicodo período. O que fazer com a mulher que descende de uma linhagem de mulheres que rejeitam os homens? Como lidar com o rapaz que vem de uma família de pervertidos? O filho do bandido será inevitável mente bandido?

Continua na próxima semana…

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima