Iscas Intelectuais
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

579 – A arte de falar merda
579 – A arte de falar merda
Tenha um filtro, meu caro, minha cara. Para o bem do ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

De Marceline para o mundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
De Marceline para o mundo  Encantamento como objetivo   “Gosto do impossível porque lá a concorrência é menor”. Walt Disney O título deste artigo integra o título completo de um livro lançado em ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

Cafezinho 10 – Legítima defesa
Cafezinho 10 – Legítima defesa
Quatro anos e 240 mil assassinatos depois, a única ...

Ver mais

Ancestrais

Ancestrais

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

“Você anda como seu avô, tem o mesmo olhar que ele” dizia uma senhora a seu neto; “Você é igualzinho a seu pai, por isto ele te irrita tanto” bradou a mãe inconformada; “ele é um político corrupto como todos os outros de sua família” incitou a voz da senhora após a denúncia. Tradição ou hereditariedade? Genética ou cultura? Talvez o velho novo enigma da Esfinge da tardia pós modernidade. O antigo nada de novo.

A canção da contra-cultura de Belchior cantada aos quatro ventos: “Ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais”. Com a releitura de “Pais e filhos” na década de 80 de Renato Russo reencena o drama humano discutido a exaustão pela ciência na década de 1910 nos desdobramentos da psicanálise. Em um lado do ringue o positivismo de Freud e seu reducionismo na sua teoria da libido; do outro lado  C. G. Jung questionando os desdobramentos da fantasia e do delírio de uma paciente psiquiátrica em surto esquizofrênico e toda carga hereditária de suas fantasias com amplo teor mítico e arquetípico. Freud preso à ideia de trauma e de ideias captadas para formação do inconsciente e do outro lado Jung com a ampliação da ideia de inconsciente evidenciando o chamado inconsciente coletivo; sua teoria dos arquétipos em 1911 postulando que a personalidade humana tinha camadas que vão para além do comportamento aprendido, de traumas evidenciando uma clínica do simbólico e todo desdobramento para um modelo clínico de atuação para psiquiatria, psicologia clínica e saúde mental. A humanidade ganhou com o embate.

“Eu tenho medo que meu filho siga o pai ou os tios e se torne um marginal, viciado e traficante” foi o que houve outro dia de uma mãe que me procurou como analista. Ela estava desesperada ao perceber que seu filho pré adolescente trazia várias questões e atitudes semelhantes a de seu pai e  parentes. Toda discussão científica sobre hereditariedade, linhagens esbarra no problema do comportamento. Estudos da genética feitos a partir de 2005 em uma nova área:  a epigenética comportamental com pesquisadores como Randy Jirtle;  Szyf e Meaney;  Eva Jablonka e Marion J. Lamb, evidenciam que  as tendências psicológicas e de comportamento são herdadas. E o que fazer com isto? O que fazer com o jovem adolescente que pode ser como parte de sua família e se tornar um traficante?

Todo materialismo científico que descartou a essência do ser humano agora esbarra com um problema existencial cantado em verso e prosa. A resposta dada a comunidade científica por Jung em 1911 em Metamorfoses e Símbolos da Libido. Símbolos de transformação já evidenciava que fosse pelos sonhos, linguagem, pela estrutura e emprego do uso do simbólico a existência de uma hereditariedade e de conteúdos que transcendem a vivência pessoal.O lado mítico e subjetivo do existir. Jung na altura ressaltava que genética não pode ser vista como fatalidade mas como tendência já na época questionando o positivismo e materialismo científicodo período. O que fazer com a mulher que descende de uma linhagem de mulheres que rejeitam os homens? Como lidar com o rapaz que vem de uma família de pervertidos? O filho do bandido será inevitável mente bandido?

Continua na próxima semana…

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima