Iscas Intelectuais
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
Neste cenário onde até “bom dia” leva patada, o que é ...

Ver mais

647 – Father Hunger
647 – Father Hunger
Quanta gente perdida e desorientada, quanta carência, ...

Ver mais

646 – Harry Nilsson
646 – Harry Nilsson
Mais um daqueles especiais musicais que você gosta ...

Ver mais

645 – O Brasil e a demanda por dar certo
645 – O Brasil e a demanda por dar certo
Estamos em período de mudanças ou apenas nos preparando ...

Ver mais

LíderCast 139 – Nívio Delgado
LíderCast 139 – Nívio Delgado
De carinha do Xerox a Diretor Superintendente da maior ...

Ver mais

LíderCast 138 – Ricardo Abiz
LíderCast 138 – Ricardo Abiz
Empreendedor também, um pioneiro em diversas áreas de ...

Ver mais

LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
Empreendedor, sócio da Pronto Light, outro típico ...

Ver mais

LíderCast 136 – Paulo Farnese
LíderCast 136 – Paulo Farnese
Empreendedor, fundador da agência EAí?, envolvido com ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Da cor do Racismo Espanhol 2: a luta por justiça continua…
Jota Fagner
Origens do Brasil
E a minha amiga, a professora que foi discriminada na Espanha, continua seu relato. Por: Stella da Silva Lima   Uma professora espanhola viaja até o Brasil para visitar a irmã, também ...

Ver mais

O que move o ser humano é o desejo de não se mover um dia
Henrique Szklo
Tudo o que o homem criou e que deu certo desde o tempo em que vivíamos em cima das árvores, ou seja, desde os primórdios de nossa existência, está relacionado ao desejo de conquistar mais ...

Ver mais

Biografias para começar bem o ano
Mauro Segura
Transformação
Período de férias é sempre bom para ler livros. Aqui você encontra dezenas de recomendações de livros de biografias que foram referendados pelos usuários do LinkedIn.

Ver mais

O Trivium – Capítulo 1
Alexandre Gomes
Lembra do que foi dito no primeiro texto sobre as sete Artes Liberais? Pois bem, a Irmã Miriam Joseph expõe da maneira dela, e isso pode ajudar a entender o que foi dito antes. Bom, primeiro as ...

Ver mais

Cafezinho 143 – 13 dias
Cafezinho 143 – 13 dias
É pra descer a lenha mesmo, cobrar o que está errado, ...

Ver mais

Cafezinho 142 – Renan Não
Cafezinho 142 – Renan Não
Eu não sei o que você está fazendo aí, cara, mas eu ...

Ver mais

Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Como cães de Pavlov, estamos condicionados a babar.

Ver mais

Cafezinho 140 – A Espiral do Silêncio
Cafezinho 140 – A Espiral do Silêncio
Não enxergar o que Temer fez de bom foi uma escolha à ...

Ver mais

Ancestrais

Ancestrais

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

“Você anda como seu avô, tem o mesmo olhar que ele” dizia uma senhora a seu neto; “Você é igualzinho a seu pai, por isto ele te irrita tanto” bradou a mãe inconformada; “ele é um político corrupto como todos os outros de sua família” incitou a voz da senhora após a denúncia. Tradição ou hereditariedade? Genética ou cultura? Talvez o velho novo enigma da Esfinge da tardia pós modernidade. O antigo nada de novo.

A canção da contra-cultura de Belchior cantada aos quatro ventos: “Ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais”. Com a releitura de “Pais e filhos” na década de 80 de Renato Russo reencena o drama humano discutido a exaustão pela ciência na década de 1910 nos desdobramentos da psicanálise. Em um lado do ringue o positivismo de Freud e seu reducionismo na sua teoria da libido; do outro lado  C. G. Jung questionando os desdobramentos da fantasia e do delírio de uma paciente psiquiátrica em surto esquizofrênico e toda carga hereditária de suas fantasias com amplo teor mítico e arquetípico. Freud preso à ideia de trauma e de ideias captadas para formação do inconsciente e do outro lado Jung com a ampliação da ideia de inconsciente evidenciando o chamado inconsciente coletivo; sua teoria dos arquétipos em 1911 postulando que a personalidade humana tinha camadas que vão para além do comportamento aprendido, de traumas evidenciando uma clínica do simbólico e todo desdobramento para um modelo clínico de atuação para psiquiatria, psicologia clínica e saúde mental. A humanidade ganhou com o embate.

“Eu tenho medo que meu filho siga o pai ou os tios e se torne um marginal, viciado e traficante” foi o que houve outro dia de uma mãe que me procurou como analista. Ela estava desesperada ao perceber que seu filho pré adolescente trazia várias questões e atitudes semelhantes a de seu pai e  parentes. Toda discussão científica sobre hereditariedade, linhagens esbarra no problema do comportamento. Estudos da genética feitos a partir de 2005 em uma nova área:  a epigenética comportamental com pesquisadores como Randy Jirtle;  Szyf e Meaney;  Eva Jablonka e Marion J. Lamb, evidenciam que  as tendências psicológicas e de comportamento são herdadas. E o que fazer com isto? O que fazer com o jovem adolescente que pode ser como parte de sua família e se tornar um traficante?

Todo materialismo científico que descartou a essência do ser humano agora esbarra com um problema existencial cantado em verso e prosa. A resposta dada a comunidade científica por Jung em 1911 em Metamorfoses e Símbolos da Libido. Símbolos de transformação já evidenciava que fosse pelos sonhos, linguagem, pela estrutura e emprego do uso do simbólico a existência de uma hereditariedade e de conteúdos que transcendem a vivência pessoal.O lado mítico e subjetivo do existir. Jung na altura ressaltava que genética não pode ser vista como fatalidade mas como tendência já na época questionando o positivismo e materialismo científicodo período. O que fazer com a mulher que descende de uma linhagem de mulheres que rejeitam os homens? Como lidar com o rapaz que vem de uma família de pervertidos? O filho do bandido será inevitável mente bandido?

Continua na próxima semana…

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima