Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

586 – LiderCast 7
586 – LiderCast 7
E o LíderCast vai para a sétima temporada! No programa ...

Ver mais

585 – Tolerância e relativismo
585 – Tolerância e relativismo
Quando aceitamos o relativismo, cada pessoa tem direito ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

LíderCast 086 – Gustavo Succi
LíderCast 086 – Gustavo Succi
Gustavo Succi, é especialista em empreendedorismo na ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O exercício da perda
Tom Coelho
Sete Vidas
“Enquanto o poço não seca, não sabemos dar valor à água.” (Thomas Fuller)   Um dia você depara com a logomarca da empresa em que trabalha estampada numa página de revista, numa folha de ...

Ver mais

A história secreta da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A história secreta da criatividade  Leitura com elevada agregação de conhecimento “Montar uma organização criativa é difícil, mas mantê-la criativa é muito mais. Por quê? Porque todo paradigma ...

Ver mais

Sobre uma incrível oportunidade que perdi na vida
Mauro Segura
Transformação
Nem sempre é fácil avaliarmos as oportunidades que a vida coloca diante de nós, principalmente quando somos muito jovens. Essa é uma história que nunca contei para ninguém, diz respeito a uma ...

Ver mais

Aplicando 5S na vida pessoal
Tom Coelho
Sete Vidas
“Com organização e tempo, acha-se o segredo de fazer tudo, e fazer bem-feito.” (Pitágoras)   Em Administração, utilizamos um expediente importado lá do Oriente, mais precisamente do Japão ...

Ver mais

Cafezinho 21 – Perguntas difíceis
Cafezinho 21 – Perguntas difíceis
Por isso meu conselho é: siga quem faz perguntas ...

Ver mais

Cafezinho 20 – A professora
Cafezinho 20 – A professora
imagine se milhares, milhões de brasileiros pensassem ...

Ver mais

Cafezinho 19 – Mia Couto
Cafezinho 19 – Mia Couto
Mia Couto fala de umas coisas que têm sido esquecidas: ...

Ver mais

Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Indicativa x impositiva. Uma palavrinha muda tudo...

Ver mais

Ainda dá para salvar

Ainda dá para salvar

Paulo Rabello de Castro - Iscas BrasilEficiente -

Com perspectiva de novo mergulho do PIB em 2016,a economia brasileira percorre uma rota suicida que equivalerá a um recuo de quase 10%  do poder de compra médio,do início de 2015 até o fim deste ano. O impacto será mais sentido no curso deste ano pois a renda do brasileiro deixou de ser recomposta pelos empregadores. Aliás, mais de um milhão e meio de pessoas perdeu seus empregos em 2015, o que equivale a dizer que terão reajuste zero e salário nenhum. A onda de desemprego terá seu efeito social danoso acentuada pela inflação resistente à baixa,por causa de um novo cenário externo que já não mais promove os produtos brasileiros de exportação,deixando produtores de       commodities minerais e agrícolas em condição financeira fragilizada.

Com menos receitas de exportação, temos mais desvalorização do real e mais repasses da perda cambial para os preços internos. Fica todo mundo mais pobre. Por esse conjunto de motivos, não adianta soprar o foguinho do consumo,como pretende o patético governo de Dilma Rousseff, ao anunciar um número vazio de R$ 83 bilhões para “ativar o consumo” quando todos os demais fatores na equação de decisão do consumidor apontam para ficarmos longe das compras e, muito mais,das financeiras e bancos. Parece que 2016 está mesmo perdido.

Mas ainda teria jeito num novo contexto,de verdadeira e decidida reengenharia do Estado. Dilma, que costuma confundir o mosquito com o vírus, não percebeu nada do que está acontecendo. O governo, no Brasil, não é a cura dos males; ele se transformou na doença. É um governo que cria mosquito de dia para soltar em cima de nós à noite. Por isso, a palavra reengenharia é palavrão para o governo acostumado a sugar e a tomar. Além do mais, na arrogância de quem ignora quase tudo, a presidente é obrigada por seus companheiros de partido a martelar a tese diabólica de que “está tudo bem,até aqui…”. É como o sujeito que já caiu da janela mas grita que está tudo OK ao passar pela janela do quinto andar. Noutro arroubo de rematada cegueira, Dilma culpou, esta semana,o resto das economias da região pelo desastre brasileiro ao afirmar o absurdo de que o Brasil só vai retomar sua capacidade de crescer se for junto com os demais países da América Latina(?!). Seria,afinal,uma referência a que países da região?. Os que ela não apoia em matéria econômica são os que cresceram mais de 3% em 2015. Até a Bolívia foi bem. Quem derrubou a região no ano passado foi a tríade vodu, que acredita em feitiçaria como política de governo. É o Brasil é quem liderou essa tríade, agora abandonada pela Argentina pois o povo deu um basta à estupidez na gestão pública. O desastre só continuará se a cegueira persistir no nosso País, ou melhor, em Brasília. Governadores e prefeitos, em sua esmagadora maioria, se esforçam para colocar as contas em dia e ficar mais eficientes. Mas a máquina de rasgar dinheiro em Brasília continua ligada a todo vapor, eliminando a vantagem do esforço coletivo. Se for aprovada a CPMF, podemos todos jogar a toalha. O resto do fôlego da economia produtiva será suprimido. Agora é rezar que a agonia passe logo e que a sorte nos ajude. Num outro ambiente político, será possível recomeçar e reconstruir a partir das ruínas da destruição perpetrada. O povo está mais do que preparado para dar respostas de apoio. Nem é preciso grande sacrifício extra para consertar o estrago. O grande sacrifício será, sim, o fato de continuarmos a assistir, inertes, à pulverização da riqueza nacional.

Ver Todos os artigos de Paulo Rabello de Castro