Iscas Intelectuais
#EnquantoIsso
#EnquantoIsso
Isca intelectual de Luciano Pires sobre celebrar ...

Ver mais

O desengajamento moral
O desengajamento moral
Isca intelectual de Luciano Pires sobre o ...

Ver mais

O ridículo
O ridículo
Isca intelectual de Luciano Pires pra incomodar: será ...

Ver mais

Quando um não quer.
Quando um não quer.
Isca intelectual de Luciano Pires com um exemplo de ...

Ver mais

549 – Os quatro compromissos
549 – Os quatro compromissos
Podcast Café Brasil 549 - Os quatro compromissos. Cara, ...

Ver mais

548 – O efeito borboleta
548 – O efeito borboleta
Podcast Café Brasil 548 - O efeito borboleta. Você já ...

Ver mais

547 – Sobre desigualdade
547 – Sobre desigualdade
Podcast Café Brasil 547 - Sobre desigualdade. O tema da ...

Ver mais

546 – Só por hoje
546 – Só por hoje
Podcast Café Brasil 546 - Só por hoje. Adicção é o ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Kenneth Arrow
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Kenneth Arrow   1921 – 2017 “Kenneth Arrow foi o mais importante economista teórico do século XX.” Paul Samuelson Kenneth Arrow nasceu em Nova York, EUA, em 1921. Estudou sempre em sua ...

Ver mais

Desafiando a Zona de Conforto
Mauro Segura
Transformação
Como podemos superar os nossos receios de tomar riscos? Como podemos mudar o curso da nossa história? A decisão de mudar é meramente individual. Aqui Mauro Segura conta algumas histórias e dá ...

Ver mais

Especial é o seu bolso, não o cheque
Tom Coelho
Sete Vidas
“Você não fica rico com o que ganha; fica rico com o que poupa.” (Yoshio Teresawa)   Crédito de cheque especial lembra visita de parentes distantes. Eles chegam quase sem avisar para um ...

Ver mais

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen. O que aconteceu no Espírito Santo abre uma janela de oportunidade fabulosa para discutirmos temas fundamentais para a segurança da sociedade.

Ver mais

Ainda dá para salvar

Ainda dá para salvar

Paulo Rabello de Castro - Iscas BrasilEficiente -

Com perspectiva de novo mergulho do PIB em 2016,a economia brasileira percorre uma rota suicida que equivalerá a um recuo de quase 10%  do poder de compra médio,do início de 2015 até o fim deste ano. O impacto será mais sentido no curso deste ano pois a renda do brasileiro deixou de ser recomposta pelos empregadores. Aliás, mais de um milhão e meio de pessoas perdeu seus empregos em 2015, o que equivale a dizer que terão reajuste zero e salário nenhum. A onda de desemprego terá seu efeito social danoso acentuada pela inflação resistente à baixa,por causa de um novo cenário externo que já não mais promove os produtos brasileiros de exportação,deixando produtores de       commodities minerais e agrícolas em condição financeira fragilizada.

Com menos receitas de exportação, temos mais desvalorização do real e mais repasses da perda cambial para os preços internos. Fica todo mundo mais pobre. Por esse conjunto de motivos, não adianta soprar o foguinho do consumo,como pretende o patético governo de Dilma Rousseff, ao anunciar um número vazio de R$ 83 bilhões para “ativar o consumo” quando todos os demais fatores na equação de decisão do consumidor apontam para ficarmos longe das compras e, muito mais,das financeiras e bancos. Parece que 2016 está mesmo perdido.

Mas ainda teria jeito num novo contexto,de verdadeira e decidida reengenharia do Estado. Dilma, que costuma confundir o mosquito com o vírus, não percebeu nada do que está acontecendo. O governo, no Brasil, não é a cura dos males; ele se transformou na doença. É um governo que cria mosquito de dia para soltar em cima de nós à noite. Por isso, a palavra reengenharia é palavrão para o governo acostumado a sugar e a tomar. Além do mais, na arrogância de quem ignora quase tudo, a presidente é obrigada por seus companheiros de partido a martelar a tese diabólica de que “está tudo bem,até aqui…”. É como o sujeito que já caiu da janela mas grita que está tudo OK ao passar pela janela do quinto andar. Noutro arroubo de rematada cegueira, Dilma culpou, esta semana,o resto das economias da região pelo desastre brasileiro ao afirmar o absurdo de que o Brasil só vai retomar sua capacidade de crescer se for junto com os demais países da América Latina(?!). Seria,afinal,uma referência a que países da região?. Os que ela não apoia em matéria econômica são os que cresceram mais de 3% em 2015. Até a Bolívia foi bem. Quem derrubou a região no ano passado foi a tríade vodu, que acredita em feitiçaria como política de governo. É o Brasil é quem liderou essa tríade, agora abandonada pela Argentina pois o povo deu um basta à estupidez na gestão pública. O desastre só continuará se a cegueira persistir no nosso País, ou melhor, em Brasília. Governadores e prefeitos, em sua esmagadora maioria, se esforçam para colocar as contas em dia e ficar mais eficientes. Mas a máquina de rasgar dinheiro em Brasília continua ligada a todo vapor, eliminando a vantagem do esforço coletivo. Se for aprovada a CPMF, podemos todos jogar a toalha. O resto do fôlego da economia produtiva será suprimido. Agora é rezar que a agonia passe logo e que a sorte nos ajude. Num outro ambiente político, será possível recomeçar e reconstruir a partir das ruínas da destruição perpetrada. O povo está mais do que preparado para dar respostas de apoio. Nem é preciso grande sacrifício extra para consertar o estrago. O grande sacrifício será, sim, o fato de continuarmos a assistir, inertes, à pulverização da riqueza nacional.

Ver Todos os artigos de Paulo Rabello de Castro