Iscas Intelectuais
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Bolsonaro e Transformação Digital
Carlos Nepomuceno
Vivemos o início de Revolução Civilizacional na qual ao se plantar um "pé de cooperativa de táxi" por mais que se tome litros de Design Thinking não nasce nunca um Uber.

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

A volta dos que jamais se foram

A volta dos que jamais se foram

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Dia cinzento. No ar, o saudosismo impera. Dizem que quem vive de memórias é museu. Se isto for verdade, nossa psique é o maior museu do mundo e nossa percepção seletiva introverte-se periodicamente nos balanços da vida. O que eu fiz de mim mesmo? Passados de gentes distintas e indistintas, lugares, feitios, situações e, no porão da alma, um pedaço indigesto do mal vivido e acabado, que se amontoa à medida em que os anos se vão. Marcas de toda sorte ali ficam, alguns ignoram ou ao menos tentam fazê-lo. Mas o traço fica, qual rastro de crime. E sua autoria é inegável, querendo ou não.

Mas de todas as memórias, a do mal resolvido é a mais intensa. O beijo não dado por covardia, nas casualidades da puberdade, a recusa do emprego por medo, aquela relação mal resolvida que passou e ficou. Se todo museu é um acervo humano de valor inestimável, por contar nossa história, o que dizer do museu da alma? Neste, o centro é o que mexeu mais intensamente com nossa afetividade. E o mal resolvido neste campo é senhor: pelas horas de insônia, pelo choro, amargura, saudade, anseios frustrados, pelo grau de investimento do afeto, pelo desejo velado, pela vontade de mudar algo que ficou para trás e, o principal, pelas lembranças seletivas que descartam qualquer possibilidade de sofrimento vivido no passado, ou seja, o passado foi perfeito. Agora, relembrando, suspiro e ignoro todo mal vivido, ficou a saudade. Saudade que ressuscita os “mortos”, que transforma pessoas em zumbis que nos seguem madrugadas afora nas brigas com o travesseiro. A imaginação fértil amplia a problemática.

Temos aqui uma cisão psíquica, que quebra a possibilidade dinâmica da vida e que perpetua a volta dos que jamais se foram. Culpa da percepção seletiva ou de nossa imaturidade afetiva? Talvez de nenhum dos dois, mas do gostar, que jamais leva a culpa de nada, sempre é bom. Em nosso inconsciente, tendemos mais a valorizar o objeto antigo em detrimento do atual. Saudosismo. Tipo aquele desenho idiota de nossa infância, o cigarro de chocolate, a pipoca desidratada, frita, insípida, aquilo sim era bom! Precisamos do passado para aprender e crescer, mas valorizar excessivamente o que é antigo pode tornar-se patológico, mesmo porque o antigo tem sua força no espírito indissolúvel. E no campo das relações mal resolvidas, o imaginário impera nas políticas do “E SE…”, que configuram ensaios além da eternidade. Tudo no universo interior, longe da pessoa amada, de seu abraço, voz, carinho, beijo. E se eu tivesse feito isto, aquilo, como seria se… e qual uma criança brincando de quebra cabeças vamos, perdidos valorizando e reconstruindo histórias, recriando a existência em possibilidades que o outro sequer sonha. Em minha prática profissional como analista e psicólogo clínico vi vários pacientes presos a histórias do passado, às vezes por décadas vivendo e se nutrindo do que se foi. Deixar de viver a vida, a realidade para viver da frustração é o que torna este processo patológico.

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima