Iscas Intelectuais
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

656 – Rua Ramalhete
656 – Rua Ramalhete
Este programa é uma homenagem ao Tavito, que faleceu em ...

Ver mais

655 – É carnaval
655 – É carnaval
Tem gente boa, muito boa, fazendo a legítima música de ...

Ver mais

654 – Sarau Café Brasil III
654 – Sarau Café Brasil III
Realizamos mais uma edição do Café Brasil Premium, ...

Ver mais

653 – LíderCast 11
653 – LíderCast 11
Mais uma temporada do LíderCast. Esta aqui é a décima ...

Ver mais

LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
Os jovens empreendedores que criaram a netshow.me, uma ...

Ver mais

LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
Esse alvoroçado não é nome não, é adjetivo. Um ...

Ver mais

LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
O Menta é um facilitador da inovação, um inquieto ...

Ver mais

LíderCast 141 – Ronaldo Lira
LíderCast 141 – Ronaldo Lira
Procurador do Ministério Público do Trabalho, uma ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Defendam Douglas também
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não conhece Douglas Leandro Clizesqui? Sem problemas. Ninguém conhece. Ele é pai de Douglas Murilo, uma das oito vítimas fatais no massacre da escola estadual em Suzano; o caso todos conhecem. ...

Ver mais

A abundante mente semanal
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: https://youtu.be/hHzgP5sqbjM LIVE COMPLETA: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157193323018631/   Quer fazer? Me mande um zap: 21-996086422. R$ 200,00 ...

Ver mais

Luciano Pires, o cara que chegou ao meiostream
Carlos Nepomuceno
RESUMO: “ Podcast não tem ouvinte. Podcast tem torcida”!!! – Luciano Pires. Tive o prazer de conversar ontem por mais de uma hora com o criativo Luciano Pires, coordenador do projeto Café Brasil, ...

Ver mais

Por dentro da comunicação interna do McDonald’s no Brasil
Mauro Segura
Transformação
Como fazer comunicação interna p/ uma empresa que tem 50 mil jovens funcionários, sendo que 90% deles estão no primeiro emprego, atendendo mais de 2 milhões de clientes todos os dias? Como gerir ...

Ver mais

Cafezinho 159 – O bobo da corte
Cafezinho 159 – O bobo da corte
O palhaço, o bobo, o gozador, é o único a perceber a ...

Ver mais

Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Dê o primeiro passo para fazer com que o tempo de vida ...

Ver mais

Cafezinho 157 – Papo de bêbado 2
Cafezinho 157 – Papo de bêbado 2
Se eu fosse o Bolsonaro, nestes primeiros 100 dias ...

Ver mais

Cafezinho 156 – O que é que aconteceu com o carnaval?
Cafezinho 156 – O que é que aconteceu com o carnaval?
O que é que aconteceu com o carnaval? Meus amigos da ...

Ver mais

A volta dos que jamais se foram

A volta dos que jamais se foram

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Dia cinzento. No ar, o saudosismo impera. Dizem que quem vive de memórias é museu. Se isto for verdade, nossa psique é o maior museu do mundo e nossa percepção seletiva introverte-se periodicamente nos balanços da vida. O que eu fiz de mim mesmo? Passados de gentes distintas e indistintas, lugares, feitios, situações e, no porão da alma, um pedaço indigesto do mal vivido e acabado, que se amontoa à medida em que os anos se vão. Marcas de toda sorte ali ficam, alguns ignoram ou ao menos tentam fazê-lo. Mas o traço fica, qual rastro de crime. E sua autoria é inegável, querendo ou não.

Mas de todas as memórias, a do mal resolvido é a mais intensa. O beijo não dado por covardia, nas casualidades da puberdade, a recusa do emprego por medo, aquela relação mal resolvida que passou e ficou. Se todo museu é um acervo humano de valor inestimável, por contar nossa história, o que dizer do museu da alma? Neste, o centro é o que mexeu mais intensamente com nossa afetividade. E o mal resolvido neste campo é senhor: pelas horas de insônia, pelo choro, amargura, saudade, anseios frustrados, pelo grau de investimento do afeto, pelo desejo velado, pela vontade de mudar algo que ficou para trás e, o principal, pelas lembranças seletivas que descartam qualquer possibilidade de sofrimento vivido no passado, ou seja, o passado foi perfeito. Agora, relembrando, suspiro e ignoro todo mal vivido, ficou a saudade. Saudade que ressuscita os “mortos”, que transforma pessoas em zumbis que nos seguem madrugadas afora nas brigas com o travesseiro. A imaginação fértil amplia a problemática.

Temos aqui uma cisão psíquica, que quebra a possibilidade dinâmica da vida e que perpetua a volta dos que jamais se foram. Culpa da percepção seletiva ou de nossa imaturidade afetiva? Talvez de nenhum dos dois, mas do gostar, que jamais leva a culpa de nada, sempre é bom. Em nosso inconsciente, tendemos mais a valorizar o objeto antigo em detrimento do atual. Saudosismo. Tipo aquele desenho idiota de nossa infância, o cigarro de chocolate, a pipoca desidratada, frita, insípida, aquilo sim era bom! Precisamos do passado para aprender e crescer, mas valorizar excessivamente o que é antigo pode tornar-se patológico, mesmo porque o antigo tem sua força no espírito indissolúvel. E no campo das relações mal resolvidas, o imaginário impera nas políticas do “E SE…”, que configuram ensaios além da eternidade. Tudo no universo interior, longe da pessoa amada, de seu abraço, voz, carinho, beijo. E se eu tivesse feito isto, aquilo, como seria se… e qual uma criança brincando de quebra cabeças vamos, perdidos valorizando e reconstruindo histórias, recriando a existência em possibilidades que o outro sequer sonha. Em minha prática profissional como analista e psicólogo clínico vi vários pacientes presos a histórias do passado, às vezes por décadas vivendo e se nutrindo do que se foi. Deixar de viver a vida, a realidade para viver da frustração é o que torna este processo patológico.

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima