Iscas Intelectuais
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

583 – A regra dos dois desvios
583 – A regra dos dois desvios
Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mudança, inovação e o espírito conservador
Bruno Garschagen
Ciência Política
Mudei de casa recentemente. Muito mais do que necessário, mudei porque quis, porque considerei que seria melhor. Mudar é sempre, porém, um tormento. Embalar os pertences, transportá-los para ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Mesmo uma obra de arte, só tem utilidade de houver uma ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

A primeirona

A primeirona

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

primeirona imagem 2

O centenário da 1ª Guerra Mundial, semana passada, foi muito lembrado na Europa, por motivos óbvios. Esse conflito, que destruiu toda uma geração, um quinto da França e metade da Bélgica, inaugurou um novo tipo de guerra: A moderna, política e total. A partir de julho de 1914 (até novembro de 1918), as beligerâncias internacionais deixaram de ser simples conquistas de território ou pilhagem de bens, como foram durante centenas de anos. Criou-se a Grande Guerra, uma espécie de briga de turma sem motivos muito claros, onde dois blocos antagônicos usam desculpas bobas pra se destruir total e mutuamente. Ah, as burrices humanas… nesses 100 anos decorridos passamos a numerar essas guerras mundiais. Como disse Einstein, não se sabe quais serão as armas numa eventual 3ª Guerra, mas a 4ª será travada com paus e pedras.

A 1ª Guerra acabou com os sonhos bobos de glória em combate. Ensinou aos jovens que não há nenhuma glória em matar e morrer em trincheiras imundas, cheias de ratos e lama. Nunca houve guerra tão sangrenta, sob a ótica de baixas militares. Baixas civis não eram comuns, mas a fotografia, os jornais e o cinema, em toda a sua crueza, trouxeram as imagens do horror – relativamente distante – às cidades, inovando ao expor à população os campos de batalha até então conhecidos somente por relatos. Era o inferno ao alcance de todos.

Também estrearam no campo tecnológico eficientes máquinas de matar. Submarinos, metralhadoras, aviões, gás venenoso, minas explosivas, tanques. Uma gama de modernidades aumentando exponencialmente o número de vítimas. Nunca (nem mesmo na 2ª Guerra) matou-se tanto por nada em número de soldados. Batalhas duravam meses inteiros (como a do Somme, ou a de Verdun), matando milhões em troca de uns poucos quilômetros de terra-de-ninguém esburacada. No primeiro dia do Somme houve 60 mil baixas britânicas por nada.

Ao final de quatro anos, pouco se avançou em terreno, mas a safra diabólica deixou 10 milhões de mortos e 20 milhões de feridos, mutilados, desfigurados, aleijados, psicóticos. A “guerra que acabaria com todas as guerras” não passou de um gigantesco matadouro. E apenas 21 anos depois embarcamos na próxima. Mas os europeus aprendem com seus erros.

Nós, nunca. A pequena participação brasileira em 1918 virou, injustamente, motivo de piada, com a tal “batalha das toninhas”: O cruzador Bahia, em Gibraltar, atacou com cargas de profundidade (à época, rudimentares barris cheios de dinamite) um bando (cardurme?) dessa espécie de golfinho, matando dezenas delas; acreditavam ser um submarino alemão. O problema é que nos anos 10 não havia radares, sonares, captadores de som, lasers, sensores de calor, computadores, varinha do Harry Potter, nem nada que indicasse onde estavam os submarinos inimigos… a não ser a boa e velha observação via “olhômetro”; agitação na superfície significava fogo imediato – e perguntavam depois. Exatamente como faziam alemães, americanos, ingleses. Ou seja… a chacota é incabível. Era um engano comum.

Mas a gente não aprende nem em um século, diferente de povos culturalmente mais evoluídos. Na verdade, pioramos (quase) sempre. Nos últimos doze anos então… haja toninhas.

primeirona imagem 1

______________________________________________________________________________________________________

O Portal Café Brasil consiste em um fórum de discussão onde não há a intenção de macular a honra de qualquer pessoa, em especial de Vladimir Poleto, sendo certo que as informações veiculadas que ensejaram a propositura de ação judicial partiram de internauta participante do referido fórum de discussão, sem qualquer responsabilidade para o Portal Café Brasil.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes