Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

626 – AlôTénica – A Podpesquisa
626 – AlôTénica – A Podpesquisa
O programa reproduz a conversa entre Luciano Pires, Leo ...

Ver mais

625 – João Amoêdo
625 – João Amoêdo
Continuando a conversa com candidatos a Presidente nas ...

Ver mais

624 – Paulo Rabello de Castro
624 – Paulo Rabello de Castro
Na medida do possível, estamos conversando com ...

Ver mais

623 – A lógica da adequação
623 – A lógica da adequação
O tema de hoje é negociação, partindo da famosa análise ...

Ver mais

LíderCast 120 – Alexandre Correia
LíderCast 120 – Alexandre Correia
Luciano: Bom-dia, boa-tarde, boa-noite. Bem-vindo, ...

Ver mais

LíderCast 119 – Fabiano Calil
LíderCast 119 – Fabiano Calil
Educação financeira é seu mote, até o dia em que ele ...

Ver mais

LíderCast 118 – Maria Luján Tubio
LíderCast 118 – Maria Luján Tubio
Jovem argentina, com vivência em vários países e que ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Os millennials não são tão criativos quanto pensam
Henrique Szklo
Tenho um amigo, o Rodriguez, que parece ter sido gerado não pelo útero da mãe, mas pelo intestino grosso dela. Seu mau humor é folclórico. E infinito. Estamos num boteco um dia desses quando ele ...

Ver mais

Precisamos reaprender a olhar
Mauro Segura
Transformação
Numa era em que o tempo parece escoar pelos dedos, ironicamente precisamos reaprender a "sentar e observar".

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Homenagem aos Economistas 2018 Memoráveis citações  “Aquele que for somente um economista não tem condições de ser um bom economista, pois todos os nossos problemas tocam em questões de ...

Ver mais

Empurrando com a barriga
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Empurrando com a barriga  Cenários da economia brasileira “A arte da previsão consiste em antecipar o que acontecerá e depois explicar o porquê não aconteceu.” Winston Churchill  Considerações ...

Ver mais

Cafezinho 98 – Os poetas da corrupção
Cafezinho 98 – Os poetas da corrupção
Os advogados e jornalistas que insistem que não existe ...

Ver mais

Cafezinho 97 – Os ciclos
Cafezinho 97 – Os ciclos
A vida acontece, em ciclos. E fica a cada dia mais ...

Ver mais

Cafezinho 96 – A cozinha e a lixeira
Cafezinho 96 – A cozinha e a lixeira
O Brasil é uma grande cozinha. Nela existe uma lixeira. ...

Ver mais

Cafezinho 95 – Banco traseiro
Cafezinho 95 – Banco traseiro
A fila anda! A gente muda! O tempo passa! O mundo é ...

Ver mais

A primeirona

A primeirona

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

primeirona imagem 2

O centenário da 1ª Guerra Mundial, semana passada, foi muito lembrado na Europa, por motivos óbvios. Esse conflito, que destruiu toda uma geração, um quinto da França e metade da Bélgica, inaugurou um novo tipo de guerra: A moderna, política e total. A partir de julho de 1914 (até novembro de 1918), as beligerâncias internacionais deixaram de ser simples conquistas de território ou pilhagem de bens, como foram durante centenas de anos. Criou-se a Grande Guerra, uma espécie de briga de turma sem motivos muito claros, onde dois blocos antagônicos usam desculpas bobas pra se destruir total e mutuamente. Ah, as burrices humanas… nesses 100 anos decorridos passamos a numerar essas guerras mundiais. Como disse Einstein, não se sabe quais serão as armas numa eventual 3ª Guerra, mas a 4ª será travada com paus e pedras.

A 1ª Guerra acabou com os sonhos bobos de glória em combate. Ensinou aos jovens que não há nenhuma glória em matar e morrer em trincheiras imundas, cheias de ratos e lama. Nunca houve guerra tão sangrenta, sob a ótica de baixas militares. Baixas civis não eram comuns, mas a fotografia, os jornais e o cinema, em toda a sua crueza, trouxeram as imagens do horror – relativamente distante – às cidades, inovando ao expor à população os campos de batalha até então conhecidos somente por relatos. Era o inferno ao alcance de todos.

Também estrearam no campo tecnológico eficientes máquinas de matar. Submarinos, metralhadoras, aviões, gás venenoso, minas explosivas, tanques. Uma gama de modernidades aumentando exponencialmente o número de vítimas. Nunca (nem mesmo na 2ª Guerra) matou-se tanto por nada em número de soldados. Batalhas duravam meses inteiros (como a do Somme, ou a de Verdun), matando milhões em troca de uns poucos quilômetros de terra-de-ninguém esburacada. No primeiro dia do Somme houve 60 mil baixas britânicas por nada.

Ao final de quatro anos, pouco se avançou em terreno, mas a safra diabólica deixou 10 milhões de mortos e 20 milhões de feridos, mutilados, desfigurados, aleijados, psicóticos. A “guerra que acabaria com todas as guerras” não passou de um gigantesco matadouro. E apenas 21 anos depois embarcamos na próxima. Mas os europeus aprendem com seus erros.

Nós, nunca. A pequena participação brasileira em 1918 virou, injustamente, motivo de piada, com a tal “batalha das toninhas”: O cruzador Bahia, em Gibraltar, atacou com cargas de profundidade (à época, rudimentares barris cheios de dinamite) um bando (cardurme?) dessa espécie de golfinho, matando dezenas delas; acreditavam ser um submarino alemão. O problema é que nos anos 10 não havia radares, sonares, captadores de som, lasers, sensores de calor, computadores, varinha do Harry Potter, nem nada que indicasse onde estavam os submarinos inimigos… a não ser a boa e velha observação via “olhômetro”; agitação na superfície significava fogo imediato – e perguntavam depois. Exatamente como faziam alemães, americanos, ingleses. Ou seja… a chacota é incabível. Era um engano comum.

Mas a gente não aprende nem em um século, diferente de povos culturalmente mais evoluídos. Na verdade, pioramos (quase) sempre. Nos últimos doze anos então… haja toninhas.

primeirona imagem 1

______________________________________________________________________________________________________

O Portal Café Brasil consiste em um fórum de discussão onde não há a intenção de macular a honra de qualquer pessoa, em especial de Vladimir Poleto, sendo certo que as informações veiculadas que ensejaram a propositura de ação judicial partiram de internauta participante do referido fórum de discussão, sem qualquer responsabilidade para o Portal Café Brasil.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes