Iscas Intelectuais
Terezinha de Santana
Terezinha de Santana
Isca Intelectual de Luciano Pires propondo uma reflexão ...

Ver mais

O pacto dos canalhas
O pacto dos canalhas
Isca Intelectual de Luciano Pires sobre o grande mal ...

Ver mais

A colheita
A colheita
isca intelectual de Luciano Pires, sobre um Brasil que ...

Ver mais

Pelo exemplo
Pelo exemplo
Isca intelectual de Luciano Pires sobre gestão. Todo ...

Ver mais

562 – Orgulho de ser corrupto
562 – Orgulho de ser corrupto
Podcast Café Brasil 562 - Orgulho de ser corrupto. ...

Ver mais

561 – Intueri
561 – Intueri
Podcast Café Brasil 561 - Intueri. Às vezes você tem a ...

Ver mais

560 – Welcome to the Hotel California
560 – Welcome to the Hotel California
Podcast Café Brasil 560 - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

559 – Vida de vampiro
559 – Vida de vampiro
Podcast Café brasil 559 - Vida de vampiro. Ainda na ...

Ver mais

LíderCast 070 – Alexandre Barroso
LíderCast 070 – Alexandre Barroso
Hoje conversamos com Alexandre Barroso, num programa ...

Ver mais

LíderCast 069 – Panela Produtora
LíderCast 069 – Panela Produtora
Hoje converso com Daniel, Filipe, Janjão e Rhaissa ...

Ver mais

LíderCast 068 – Gilmar Lopes
LíderCast 068 – Gilmar Lopes
Hoje converso com Gilmar Lopes, que de pedreiro se ...

Ver mais

LíderCast 067 – Roberto Caruso
LíderCast 067 – Roberto Caruso
Hoje conversamos com Roberto Caruso, um empreendedor ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Viajar perdeu a graça
Raiam Santos
O título chamou a atenção né? Pô, Raiam… viajar não era a melhor coisa do mundo? Depende! Meu trabalho aqui nesse site é desconstruir mitos. Já desconstruí a “empresa” do filho ...

Ver mais

O lado negro de fazer networking
Raiam Santos
Esses dias, eu tava assistindo uma entrevista entre o Brian Johnson do site Philosopher’s Notes e o Cal Newport. Cal Newport é um PhD pica das galáxias formado no MIT que hoje dá aula de ...

Ver mais

Assuma o Brasil de vez
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Isca intelectual de Adalberto Piotto, No Brasil, tem coisas que só acontecem no Brasil.

Ver mais

A mentalidade da caixa preta
Raiam Santos
Fiquei um tempinho distante do MundoRaiam porque estava em “Modo Buda” focado 100% na produção do meu quinto livro CLASSE ECONÔMICA: PAÍSES BALCÃS. Agora que o livro já tá na mão da ...

Ver mais

A primeirona

A primeirona

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

primeirona imagem 2

O centenário da 1ª Guerra Mundial, semana passada, foi muito lembrado na Europa, por motivos óbvios. Esse conflito, que destruiu toda uma geração, um quinto da França e metade da Bélgica, inaugurou um novo tipo de guerra: A moderna, política e total. A partir de julho de 1914 (até novembro de 1918), as beligerâncias internacionais deixaram de ser simples conquistas de território ou pilhagem de bens, como foram durante centenas de anos. Criou-se a Grande Guerra, uma espécie de briga de turma sem motivos muito claros, onde dois blocos antagônicos usam desculpas bobas pra se destruir total e mutuamente. Ah, as burrices humanas… nesses 100 anos decorridos passamos a numerar essas guerras mundiais. Como disse Einstein, não se sabe quais serão as armas numa eventual 3ª Guerra, mas a 4ª será travada com paus e pedras.

A 1ª Guerra acabou com os sonhos bobos de glória em combate. Ensinou aos jovens que não há nenhuma glória em matar e morrer em trincheiras imundas, cheias de ratos e lama. Nunca houve guerra tão sangrenta, sob a ótica de baixas militares. Baixas civis não eram comuns, mas a fotografia, os jornais e o cinema, em toda a sua crueza, trouxeram as imagens do horror – relativamente distante – às cidades, inovando ao expor à população os campos de batalha até então conhecidos somente por relatos. Era o inferno ao alcance de todos.

Também estrearam no campo tecnológico eficientes máquinas de matar. Submarinos, metralhadoras, aviões, gás venenoso, minas explosivas, tanques. Uma gama de modernidades aumentando exponencialmente o número de vítimas. Nunca (nem mesmo na 2ª Guerra) matou-se tanto por nada em número de soldados. Batalhas duravam meses inteiros (como a do Somme, ou a de Verdun), matando milhões em troca de uns poucos quilômetros de terra-de-ninguém esburacada. No primeiro dia do Somme houve 60 mil baixas britânicas por nada.

Ao final de quatro anos, pouco se avançou em terreno, mas a safra diabólica deixou 10 milhões de mortos e 20 milhões de feridos, mutilados, desfigurados, aleijados, psicóticos. A “guerra que acabaria com todas as guerras” não passou de um gigantesco matadouro. E apenas 21 anos depois embarcamos na próxima. Mas os europeus aprendem com seus erros.

Nós, nunca. A pequena participação brasileira em 1918 virou, injustamente, motivo de piada, com a tal “batalha das toninhas”: O cruzador Bahia, em Gibraltar, atacou com cargas de profundidade (à época, rudimentares barris cheios de dinamite) um bando (cardurme?) dessa espécie de golfinho, matando dezenas delas; acreditavam ser um submarino alemão. O problema é que nos anos 10 não havia radares, sonares, captadores de som, lasers, sensores de calor, computadores, varinha do Harry Potter, nem nada que indicasse onde estavam os submarinos inimigos… a não ser a boa e velha observação via “olhômetro”; agitação na superfície significava fogo imediato – e perguntavam depois. Exatamente como faziam alemães, americanos, ingleses. Ou seja… a chacota é incabível. Era um engano comum.

Mas a gente não aprende nem em um século, diferente de povos culturalmente mais evoluídos. Na verdade, pioramos (quase) sempre. Nos últimos doze anos então… haja toninhas.

primeirona imagem 1

______________________________________________________________________________________________________

O Portal Café Brasil consiste em um fórum de discussão onde não há a intenção de macular a honra de qualquer pessoa, em especial de Vladimir Poleto, sendo certo que as informações veiculadas que ensejaram a propositura de ação judicial partiram de internauta participante do referido fórum de discussão, sem qualquer responsabilidade para o Portal Café Brasil.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes