Iscas Intelectuais
O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

610 – Abre-te Sésamo
610 – Abre-te Sésamo
Abre-te Sésamo é a frase mágica do conto de Ali-Babá e ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 - 106 - Hoje conversamos com Labi ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

O domínio esquerdista na dramaturgia brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Hoje, não há qualquer ameaça ao domínio da esquerda nas novelas, filmes, séries, teatro, programas de TV, jornalismo. Por isso a reação agressiva quando alguma obra fura a ditadura cultural.

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
O comportamento de quem vê algo errado e nada faz a ...

Ver mais

A nova onda

A nova onda

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A vitrine acima é um quadro de uma animação de Mauricio Ricardo em https://www.youtube.com/watch?v=j7GJT3jALx4

A moda agora é “ter lado” sobre o vídeo de Gleisi Hoffman – que só é senadora quando não está fazendo arruaça ou defendendo ladrão – para a TV Al Jazeera, do Qatar. Um lado achou ótimo. O outro mostra o perigo que de uma declaração absolutamente destrambelhada, alucinante, pedindo união do mundo árabe para reagir (como?) à prisão “política” de Lula, solicitado por uma senadora da República (meu Senhor), alegando resumidamente não haver justiça no Brasil, que Lula é preso político através de crimes “inventados” e outras insanidades típicas de quem trata a realidade como mero detalhe para dar continuidade a uma seita que deixou a vertente política em prol da messiânica, atingindo níveis de psicopatia preocupantes até mesmo para quem foi vacinado contra mediocridade a toda prova. Ufa.

Tática requentada; foi usada, com igual ou menor insucesso, quando a lulada resolveu atacar a justiça da França e da Itália, chamando-as de fascistas. Foi em 2004, quando o terrorista (e não “ativista”, conforme estudada distorção da novilíngua-eufemística-lulista) Cesare Battisti, condenado em ambos os países europeus, driblou a polícia internacional e aportou no Brasil, terra de descanso e carinho para quem mata em nome do comunismo, aqui alcançando status de “refugiado político” por obra e graça de seus comparsas lulistas.

A seita lulista reagiu às críticas gerais, mais uma vez, torcendo o assunto “das arábias” e fingindo indignação por ninguém ter entendido o singelo recado de paz e amor da senadora; convenientemente, não se lembram que ela própria jurou, diante do mundo todo, que “muita gente” ia ter de ser assassinada pela atual “ditadura” que governa o País (CIA+Temer+Belzebu+Moro+FBI+Hitler) antes da prisão de seu mentor-mentecapto; também fingem esquecer da Venezuela (narcoditadura de viés comunista) prometendo atacar militarmente o Brasil caso Dilma fosse impichada; ou da ameaça claríssima do arrivista que comanda a Bolívia de invadir o Brasil com suas tropas se a mandioqueira ensacadora de vento caísse. Bravatas de imbecis, mas assustadoras vindas de quem vêm.

Por um passe de mágica, foram para baixo do tapete as ameaças terroristas de Stédile, Lula, Boulos, entre outros possuídos pelo fantasma de Stálin, alertando Brasil e Mundo sobre hecatombes que cairiam dos céus caso os tribunais brasileiros não prestasse vassalagem a Lula I, o Ébrio, que se acha majestade mas não passa de bobo da corte.

Num traque, ninguém mais toca no assunto da íntima ligação de Lula & Dilma com todas (TODAS!) as ditaduras do planeta, bem como várias organizações terroristas como o Hamas. Não se menciona o discurso inesquecível, digno de manicômio, vomitado por Dilma na ONU em 28 de setembro de 2015, quando pediu “diálogo” e muito amor fraternal para o Estado Islâmico, enquanto esses monstros decapitavam crianças e incendiavam cristãos vivos. Taspariu.

“Esqueceram” das oligarquias totalitárias mantendo presos políticos em masmorras imundas, torturados há 50, 60 anos, sob o silêncio cúmplice ou mesmo apoio entusiástico da seita lulista; não se fala na fome, nos assassinatos, nos campos de trabalhos forçados mantidos por essas ditaduras. Tudo isso virou fumaça.

Desapareceu, igualmente, de suas memórias obnubiladas pela maré vermelha, o derradeiro discurso de um Lula visivelmente embriagado no comando de seu teatrinho incentivando agressões a jornalistas, invasões a propriedades particulares, bloqueio de estradas e outros crimes, aplaudido pela sua claque amestrada ao preço de R$ 50,00, tubaína e mortadela. Bom, não todos; alguns são movidos a caviar, champagne e milhões de dólares.

Fingem, em resumo, que Gleisi estava apenas pedindo, candidamente, só um cartão de apoio dos brimos com beijos de batom vermelho e uma bandeja de esfiha; e os coxinhas enxergam maldade em tudo, tadinha dela!

Acostumadíssimos a sabotar o Brasil de todas as formas possíveis, são muito capazes de, caso ocorra alguma retaliação diplomática, protesto violento ou até algum atentado promovido por determinados doidos que Deus estacionou no Oriente Médio e na África setentrional, dizer que é muito-bem-feito por prenderem o santo do Lula, e a culpa é dazelite coxinha. É simplesmente inacreditável a cara de pau dessa gente lulista.

Somados os fatos, a realidade inabalável, aos atos dessa gente, avaliem aí se é exagero ou não criticar, repudiar de forma severa o ato estrategicamente tresloucado de uma mulher que tem muito a explicar à justiça, por essas e outras atuações dignas do código penal, não de uma senadora, por mais venal que seja. Essa gente mesquinha, desonesta, crê fielmente (ou atua à perfeição digna de Oscar) que o mundo acredita em seus discursos psicóticos, e que a cavalaria (ou, no caso, camelaria) vai tirar sua deidade do presídio. Não, isso não vai acontecer, apesar de toda a sabotagem praticada por essa lulada mesquinha, culpando os outros por tudo que eles mesmos fazem de errado. Isso, “diuturna e noturnamente”, como esclareceu Dilma na sofrida entrevista de 2014. Pai do Céu.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes