Iscas Intelectuais
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

610 – Abre-te Sésamo
610 – Abre-te Sésamo
Abre-te Sésamo é a frase mágica do conto de Ali-Babá e ...

Ver mais

609 – As leis
609 – As leis
No Fórum da Liberdade que aconteceu em abril de 2018 em ...

Ver mais

608 – As 12 Regras
608 – As 12 Regras
Jordan Peterson é psicólogo clínico, crítico cultural e ...

Ver mais

607 – Uma Guerreira
607 – Uma Guerreira
Este programa reproduz na íntegra o LíderCast 100, pois ...

Ver mais

LíderCast 105 – Jeison Arenhardt
LíderCast 105 – Jeison Arenhardt
LíderCast 105 - Hoje conversamos com Jeison Arenhardt, ...

Ver mais

LíderCast 104 – Odayr Baptista
LíderCast 104 – Odayr Baptista
LíderCast 104 - Hoje conversamos com Odayr Baptista, ...

Ver mais

LíderCast 103 – Ivan Witt
LíderCast 103 – Ivan Witt
Hoje conversamos com Ivan Witt, um executivo brasileiro ...

Ver mais

LíderCast 102 – Paulo Cruz
LíderCast 102 – Paulo Cruz
Com Paulo Cruz, professor, pensador, voz dissonante da ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Sensações estranhas no trabalho
Mauro Segura
Transformação
Ironicamente, quanto mais experiência profissional eu acumulo, mais incertezas aparecem. Está difícil em lidar com algumas coisas na minha cabeça.

Ver mais

O Ibope e a caricatura do conservadorismo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Essa pesquisa que mede o grau de conservadorismo da sociedade brasileira é das coisas mais estúpidas que o Ibope já fez.

Ver mais

A nova onda
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A vitrine acima é um quadro de uma animação de Mauricio Ricardo em https://www.youtube.com/watch?v=j7GJT3jALx4 A moda agora é “ter lado” sobre o vídeo de Gleisi Hoffman – que só é senadora ...

Ver mais

A Copa do Mundo Socioeconômica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Copa do Mundo Socioeconômica[1] Considerações preliminares No próximo dia 14 de junho terá início a 21ª edição da Copa do Mundo da FIFA (Fedération Internationale de Football Association), um ...

Ver mais

Cafezinho 65 – A burrice
Cafezinho 65 – A burrice
Qualquer semelhança com gente que você conhece é pura ...

Ver mais

Cafezinho 64 – Outra piada
Cafezinho 64 – Outra piada
O caso do triplex no Guarujá começou em setembro de ...

Ver mais

Cafezinho 63 – Sai fora
Cafezinho 63 – Sai fora
As pessoas com as quais você anda, as fontes das quais ...

Ver mais

Cafezinho 62 – Dona Terezinha
Cafezinho 62 – Dona Terezinha
Aos domingos à tarde, a companhia da dona Terezinha de ...

Ver mais

A mentalidade anticapitalista do empresário brasileiro

A mentalidade anticapitalista do empresário brasileiro

Bruno Garschagen - Ciência Política -

A queda empresarial e a prisão de Eike Batista são muito mais do que o mero encarceramento temporário de um empresário. Servem para reforçar a ideia de que empresário é incompetente ou bandido e, por extensão, para ratificar a mentalidade anticapitalista no Brasil.

Espero que não me entendam mal, mas fiquei decepcionado com a descoberta, anos atrás, de que Eike não era o empresário que eu imaginava – tanto no âmbito empresarial quanto na dimensão ética.

Quando vi as suas primeiras entrevistas, Eike parecia ser aquele tipo de empreendedor que se orgulhava de fazer parte do mercado, que achava positiva a concorrência entre empresas e que considerava anticapitalista ficar pendurado em negócios com o governo. Era esse o Eike até, pelo menos, 2002, como mostrei no artigo da semana passada.

Quando o Grupo X ruiu, descobrimos que a ascensão era uma fantasia e que a queda era desde sempre anunciada – apenas não sabíamos disso. Só comecei a prestar atenção nos negócios de Eike em 2009, quando uma empresa canadense quis me contratar para elaborar relatórios semanais sobre as suas atividades no Brasil. Na época, não pude aceitar o trabalho, mas aquilo colocou o que antigamente se chamava de “uma pulga atrás da orelha”. Pensei: por qual razão esses canadenses querem informações atualizadas sobre o empresário brasileiro?

Fazendo uma pesquisa na internet, descobri que Eike tinha vivido uma experiência de ascensão e queda no Canadá com uma mineradora de ouro chamada TVX. Só em 2014, ao ler o ótimo livro Eike Batista e a verdadeira história o grupo X, de Malu Gaspar, soube os detalhes da história. Naquele momento, “Eike experimentou pela primeira vez a glória e o fracasso”. Esse episódio narrado no livro mostra a “impressionante semelhança com a novela empresarial assistida ao longo de 2013 por milhões de brasileiros estarrecidos”.

Eu falava, no início, da minha decepção – que, explico, não tem a ver especificamente com Eike Batista. Está relacionada, isto sim, com a esperança de ver empresários e empreendedores competentes e orgulhosos da função econômica que desempenham na sociedade. O empresário brasileiro é, na média, antimercado ou envergonhado. Ver Eike falar abertamente a favor da economia de mercado era algo benéfico que poderia, gradualmente, influenciar positivamente os demais empresários e o país.

Eis o problema, entretanto: a iniciativa privada no Brasil usa e abusa do direito de desagradar e punir os consumidores em vez de conquistá-los e mantê-los. Já fui vítima várias vezes. Desde querer trocar produtos que apresentaram defeitos em tempo recorde a não conseguir resolver problemas criados pela própria empresa, que mais parecia uma repartição estatal.

Pouco tempo atrás, por exemplo, o dono da ótica me disse que não entregaria os óculos no dia combinado porque o motoboy não apareceu para trabalhar. É sério. Este é um dos vários exemplos de como nós, consumidores, somos tratados por certas empresas que, em vez de assumirem a sua responsabilidade, preferem delegá-la para um terceiro (motoboy, assistência técnica, Deus) ou resolverem na Justiça. O empresário médio brasileiro está mais próximo do capitalismo marxista que do capitalismo de livre mercado.

Com esse tipo de mentalidade e conduta, entende-se por qual razão temos uma atitude tão desconfiada em relação à iniciativa privada. Porque toda vez que um empresário se comporta contra o mercado, a opção existente é recorrer a instituições do Estado (Procon ou Justiça) para resolver o problema. Fica, então, a impressão de que “o mercado não funciona” e de que, às vezes, só funciona se o Estado intervir.

E Eike Batista? Por tudo o que representa, a sua queda é positiva. Mas o que ficará na memória e entrará para o senso comum não é a história de um homem que decidiu corromper-se e foi por isso punido, mas a de um empresário que confirmou as piores expectativas sobre a ganância do mercado.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen