Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

586 – LiderCast 7
586 – LiderCast 7
E o LíderCast vai para a sétima temporada! No programa ...

Ver mais

585 – Tolerância e relativismo
585 – Tolerância e relativismo
Quando aceitamos o relativismo, cada pessoa tem direito ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

LíderCast 086 – Gustavo Succi
LíderCast 086 – Gustavo Succi
Gustavo Succi, é especialista em empreendedorismo na ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O exercício da perda
Tom Coelho
Sete Vidas
“Enquanto o poço não seca, não sabemos dar valor à água.” (Thomas Fuller)   Um dia você depara com a logomarca da empresa em que trabalha estampada numa página de revista, numa folha de ...

Ver mais

A história secreta da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A história secreta da criatividade  Leitura com elevada agregação de conhecimento “Montar uma organização criativa é difícil, mas mantê-la criativa é muito mais. Por quê? Porque todo paradigma ...

Ver mais

Sobre uma incrível oportunidade que perdi na vida
Mauro Segura
Transformação
Nem sempre é fácil avaliarmos as oportunidades que a vida coloca diante de nós, principalmente quando somos muito jovens. Essa é uma história que nunca contei para ninguém, diz respeito a uma ...

Ver mais

Aplicando 5S na vida pessoal
Tom Coelho
Sete Vidas
“Com organização e tempo, acha-se o segredo de fazer tudo, e fazer bem-feito.” (Pitágoras)   Em Administração, utilizamos um expediente importado lá do Oriente, mais precisamente do Japão ...

Ver mais

Cafezinho 21 – Perguntas difíceis
Cafezinho 21 – Perguntas difíceis
Por isso meu conselho é: siga quem faz perguntas ...

Ver mais

Cafezinho 20 – A professora
Cafezinho 20 – A professora
imagine se milhares, milhões de brasileiros pensassem ...

Ver mais

Cafezinho 19 – Mia Couto
Cafezinho 19 – Mia Couto
Mia Couto fala de umas coisas que têm sido esquecidas: ...

Ver mais

Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Indicativa x impositiva. Uma palavrinha muda tudo...

Ver mais

A mentalidade anticapitalista do empresário brasileiro

A mentalidade anticapitalista do empresário brasileiro

Bruno Garschagen - Ciência Política -

A queda empresarial e a prisão de Eike Batista são muito mais do que o mero encarceramento temporário de um empresário. Servem para reforçar a ideia de que empresário é incompetente ou bandido e, por extensão, para ratificar a mentalidade anticapitalista no Brasil.

Espero que não me entendam mal, mas fiquei decepcionado com a descoberta, anos atrás, de que Eike não era o empresário que eu imaginava – tanto no âmbito empresarial quanto na dimensão ética.

Quando vi as suas primeiras entrevistas, Eike parecia ser aquele tipo de empreendedor que se orgulhava de fazer parte do mercado, que achava positiva a concorrência entre empresas e que considerava anticapitalista ficar pendurado em negócios com o governo. Era esse o Eike até, pelo menos, 2002, como mostrei no artigo da semana passada.

Quando o Grupo X ruiu, descobrimos que a ascensão era uma fantasia e que a queda era desde sempre anunciada – apenas não sabíamos disso. Só comecei a prestar atenção nos negócios de Eike em 2009, quando uma empresa canadense quis me contratar para elaborar relatórios semanais sobre as suas atividades no Brasil. Na época, não pude aceitar o trabalho, mas aquilo colocou o que antigamente se chamava de “uma pulga atrás da orelha”. Pensei: por qual razão esses canadenses querem informações atualizadas sobre o empresário brasileiro?

Fazendo uma pesquisa na internet, descobri que Eike tinha vivido uma experiência de ascensão e queda no Canadá com uma mineradora de ouro chamada TVX. Só em 2014, ao ler o ótimo livro Eike Batista e a verdadeira história o grupo X, de Malu Gaspar, soube os detalhes da história. Naquele momento, “Eike experimentou pela primeira vez a glória e o fracasso”. Esse episódio narrado no livro mostra a “impressionante semelhança com a novela empresarial assistida ao longo de 2013 por milhões de brasileiros estarrecidos”.

Eu falava, no início, da minha decepção – que, explico, não tem a ver especificamente com Eike Batista. Está relacionada, isto sim, com a esperança de ver empresários e empreendedores competentes e orgulhosos da função econômica que desempenham na sociedade. O empresário brasileiro é, na média, antimercado ou envergonhado. Ver Eike falar abertamente a favor da economia de mercado era algo benéfico que poderia, gradualmente, influenciar positivamente os demais empresários e o país.

Eis o problema, entretanto: a iniciativa privada no Brasil usa e abusa do direito de desagradar e punir os consumidores em vez de conquistá-los e mantê-los. Já fui vítima várias vezes. Desde querer trocar produtos que apresentaram defeitos em tempo recorde a não conseguir resolver problemas criados pela própria empresa, que mais parecia uma repartição estatal.

Pouco tempo atrás, por exemplo, o dono da ótica me disse que não entregaria os óculos no dia combinado porque o motoboy não apareceu para trabalhar. É sério. Este é um dos vários exemplos de como nós, consumidores, somos tratados por certas empresas que, em vez de assumirem a sua responsabilidade, preferem delegá-la para um terceiro (motoboy, assistência técnica, Deus) ou resolverem na Justiça. O empresário médio brasileiro está mais próximo do capitalismo marxista que do capitalismo de livre mercado.

Com esse tipo de mentalidade e conduta, entende-se por qual razão temos uma atitude tão desconfiada em relação à iniciativa privada. Porque toda vez que um empresário se comporta contra o mercado, a opção existente é recorrer a instituições do Estado (Procon ou Justiça) para resolver o problema. Fica, então, a impressão de que “o mercado não funciona” e de que, às vezes, só funciona se o Estado intervir.

E Eike Batista? Por tudo o que representa, a sua queda é positiva. Mas o que ficará na memória e entrará para o senso comum não é a história de um homem que decidiu corromper-se e foi por isso punido, mas a de um empresário que confirmou as piores expectativas sobre a ganância do mercado.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen