Iscas Intelectuais
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

609 – As leis
609 – As leis
No Fórum da Liberdade que aconteceu em abril de 2018 em ...

Ver mais

608 – As 12 Regras
608 – As 12 Regras
Jordan Peterson é psicólogo clínico, crítico cultural e ...

Ver mais

607 – Uma Guerreira
607 – Uma Guerreira
Este programa reproduz na íntegra o LíderCast 100, pois ...

Ver mais

606- Histeria Política
606- Histeria Política
O assassinato da vereadora Marielle Franco no Rio em ...

Ver mais

LíderCast 105 – Jeison Arenhardt
LíderCast 105 – Jeison Arenhardt
LíderCast 105 - Hoje conversamos com Jeison Arenhardt, ...

Ver mais

LíderCast 104 – Odayr Baptista
LíderCast 104 – Odayr Baptista
LíderCast 104 - Hoje conversamos com Odayr Baptista, ...

Ver mais

LíderCast 103 – Ivan Witt
LíderCast 103 – Ivan Witt
Hoje conversamos com Ivan Witt, um executivo brasileiro ...

Ver mais

LíderCast 102 – Paulo Cruz
LíderCast 102 – Paulo Cruz
Com Paulo Cruz, professor, pensador, voz dissonante da ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O Ibope e a caricatura do conservadorismo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Essa pesquisa que mede o grau de conservadorismo da sociedade brasileira é das coisas mais estúpidas que o Ibope já fez.

Ver mais

A nova onda
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A vitrine acima é um quadro de uma animação de Mauricio Ricardo em https://www.youtube.com/watch?v=j7GJT3jALx4 A moda agora é “ter lado” sobre o vídeo de Gleisi Hoffman – que só é senadora ...

Ver mais

A Copa do Mundo Socioeconômica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Copa do Mundo Socioeconômica[1] Considerações preliminares No próximo dia 14 de junho terá início a 21ª edição da Copa do Mundo da FIFA (Fedération Internationale de Football Association), um ...

Ver mais

As 50 empresas mais inovadoras do mundo
Mauro Segura
Transformação
Saiu a edição 2018 do estudo "As 50 empresas mais inovadoras do mundo" do BCG, que apresenta os principais movimentos que grandes organizações estão fazendo para inovar e impactar a sociedade.

Ver mais

Cafezinho 65 – A burrice
Cafezinho 65 – A burrice
Qualquer semelhança com gente que você conhece é pura ...

Ver mais

Cafezinho 64 – Outra piada
Cafezinho 64 – Outra piada
O caso do triplex no Guarujá começou em setembro de ...

Ver mais

Cafezinho 63 – Sai fora
Cafezinho 63 – Sai fora
As pessoas com as quais você anda, as fontes das quais ...

Ver mais

Cafezinho 62 – Dona Terezinha
Cafezinho 62 – Dona Terezinha
Aos domingos à tarde, a companhia da dona Terezinha de ...

Ver mais

A maldição de Temer e a dúvida de Sêneca

A maldição de Temer e a dúvida de Sêneca

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Se não houver um cataclismo político, Dilma Rousseff será afastada temporariamente da presidência nesta semana. Assumirá o atual vice-presidente Michel Temer, que iniciará o seu governo carregando nas costas a maldição de ter ajudado a eleger e a reeleger Dilma Rousseff e por seu partido, o PMDB, ter sido base de apoio fundamental no Congresso e no Senado até recentemente.

Mas antes de qualquer análise sobre as propostas de seu eventual futuro governo é bom relembrar da carta que Temer escreveu em dezembro do ano passado e que marcou o seu rompimento com o governo do PT. A epístola, embora hoje esquecida, continua importante por desnudar alguns aspectos politicamente relevantes e que devem ser objeto de reflexão neste momento de transição. A começar pela pergunta: por que, afinal, Temer decidiu romper com Dilma?

A carta indica claramente um ressentimento de Temer pela desconfiança da presidente e por não ter sido prestigiado como achou que deveria, além de sua própria suspeita em relação à Dilma. A situação foi agravada na época pela tentativa explícita do governo de enfraquecê-lo e de neutralizá-lo politicamente no Congresso e de provocar divisão interna do PMDB a partir da substituição de nomes ligados ao vice-presidente.

Se Temer tivesse sido privilegiado pelo governo provavelmente não haveria rompimento, muito menos o apoio do PMDB ao impeachment–mesmo que o país estivesse no mesmo poço sem fim onde hoje se encontra. Se a política é a arte do diálogo e da negociação há sempre aquele momento em que ao caráter dos homens se impõe um dilema ético. E é tal escolha que revelará o homem–e o político.

Os interesses de Temer, assim como a condução do processo pelo deputado Eduardo Cunha, afastado do mandato na semana passada pelo Supremo Tribunal Federal, maculam o impeachment em curso? De forma alguma. Se coube aos políticos do PMDB serem os instrumentos políticos para afastar o PT da presidência não é de todo desagradável utilizá-los para tal imprescindível finalidade.

Não será o afastamento da presidente que mudará a natureza do PMDB nem a escolha ética feita por Temer, mas as evidenciará de forma tão marcante que a sociedade terá condições de perceber de forma mais nítida quem é quem no jogo político. Temer, se assumir a presidência, terá pouco tempo para mostrar a que veio. Enfrentará o peso de sua aliança com o PT, a crise política e econômica e uma parcela numerosa da sociedade que não aceitará e reagirá vigorosamente contra governos como o atual.

Com o PT fora da presidência, porém, o país poderá iniciar a grande mudança que exige, antes, uma reforma cultural que também permita a formação de uma elite política virtuosa, fundamentada em ideias corretas e capaz de enfrentar os desafios sem aumentar o tamanho do Estado e as atribuições do governo. Porque não se modifica a política formal sem antes mudar a mentalidade dos homens.

Mas o PT, mesmo fora da presidência, não estará morto. Os petistas, que já eram profissionais em fazer uma oposição perigosa, maléfica e desonesta, agora sabem o que é ser governo e como usar a máquina do Estado a seu serviço. Por isso, a sociedade brasileira terá que ter o espírito firme e vigilante para que não seja convertida em instrumento útil do PT quando for necessário se opor ao governo Temer.

Numa das célebres cartas a Lucílio, Sêneca perguntou-lhe a respeito de sua intenção de recolher-se à obscuridade: “o que preferes tu: uma indigência que te sacia ou uma abundância que te deixa esfomeado?”. Os petistas jamais aceitarão a indigência política porque sempre terão fome de poder.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen