Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

A maldição de Temer e a dúvida de Sêneca

A maldição de Temer e a dúvida de Sêneca

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Se não houver um cataclismo político, Dilma Rousseff será afastada temporariamente da presidência nesta semana. Assumirá o atual vice-presidente Michel Temer, que iniciará o seu governo carregando nas costas a maldição de ter ajudado a eleger e a reeleger Dilma Rousseff e por seu partido, o PMDB, ter sido base de apoio fundamental no Congresso e no Senado até recentemente.

Mas antes de qualquer análise sobre as propostas de seu eventual futuro governo é bom relembrar da carta que Temer escreveu em dezembro do ano passado e que marcou o seu rompimento com o governo do PT. A epístola, embora hoje esquecida, continua importante por desnudar alguns aspectos politicamente relevantes e que devem ser objeto de reflexão neste momento de transição. A começar pela pergunta: por que, afinal, Temer decidiu romper com Dilma?

A carta indica claramente um ressentimento de Temer pela desconfiança da presidente e por não ter sido prestigiado como achou que deveria, além de sua própria suspeita em relação à Dilma. A situação foi agravada na época pela tentativa explícita do governo de enfraquecê-lo e de neutralizá-lo politicamente no Congresso e de provocar divisão interna do PMDB a partir da substituição de nomes ligados ao vice-presidente.

Se Temer tivesse sido privilegiado pelo governo provavelmente não haveria rompimento, muito menos o apoio do PMDB ao impeachment–mesmo que o país estivesse no mesmo poço sem fim onde hoje se encontra. Se a política é a arte do diálogo e da negociação há sempre aquele momento em que ao caráter dos homens se impõe um dilema ético. E é tal escolha que revelará o homem–e o político.

Os interesses de Temer, assim como a condução do processo pelo deputado Eduardo Cunha, afastado do mandato na semana passada pelo Supremo Tribunal Federal, maculam o impeachment em curso? De forma alguma. Se coube aos políticos do PMDB serem os instrumentos políticos para afastar o PT da presidência não é de todo desagradável utilizá-los para tal imprescindível finalidade.

Não será o afastamento da presidente que mudará a natureza do PMDB nem a escolha ética feita por Temer, mas as evidenciará de forma tão marcante que a sociedade terá condições de perceber de forma mais nítida quem é quem no jogo político. Temer, se assumir a presidência, terá pouco tempo para mostrar a que veio. Enfrentará o peso de sua aliança com o PT, a crise política e econômica e uma parcela numerosa da sociedade que não aceitará e reagirá vigorosamente contra governos como o atual.

Com o PT fora da presidência, porém, o país poderá iniciar a grande mudança que exige, antes, uma reforma cultural que também permita a formação de uma elite política virtuosa, fundamentada em ideias corretas e capaz de enfrentar os desafios sem aumentar o tamanho do Estado e as atribuições do governo. Porque não se modifica a política formal sem antes mudar a mentalidade dos homens.

Mas o PT, mesmo fora da presidência, não estará morto. Os petistas, que já eram profissionais em fazer uma oposição perigosa, maléfica e desonesta, agora sabem o que é ser governo e como usar a máquina do Estado a seu serviço. Por isso, a sociedade brasileira terá que ter o espírito firme e vigilante para que não seja convertida em instrumento útil do PT quando for necessário se opor ao governo Temer.

Numa das célebres cartas a Lucílio, Sêneca perguntou-lhe a respeito de sua intenção de recolher-se à obscuridade: “o que preferes tu: uma indigência que te sacia ou uma abundância que te deixa esfomeado?”. Os petistas jamais aceitarão a indigência política porque sempre terão fome de poder.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen