Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

626 – AlôTénica – A Podpesquisa
626 – AlôTénica – A Podpesquisa
O programa reproduz a conversa entre Luciano Pires, Leo ...

Ver mais

625 – João Amoêdo
625 – João Amoêdo
Continuando a conversa com candidatos a Presidente nas ...

Ver mais

624 – Paulo Rabello de Castro
624 – Paulo Rabello de Castro
Na medida do possível, estamos conversando com ...

Ver mais

623 – A lógica da adequação
623 – A lógica da adequação
O tema de hoje é negociação, partindo da famosa análise ...

Ver mais

LíderCast 120 – Alexandre Correia
LíderCast 120 – Alexandre Correia
Luciano: Bom-dia, boa-tarde, boa-noite. Bem-vindo, ...

Ver mais

LíderCast 119 – Fabiano Calil
LíderCast 119 – Fabiano Calil
Educação financeira é seu mote, até o dia em que ele ...

Ver mais

LíderCast 118 – Maria Luján Tubio
LíderCast 118 – Maria Luján Tubio
Jovem argentina, com vivência em vários países e que ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Os millennials não são tão criativos quanto pensam
Henrique Szklo
Tenho um amigo, o Rodriguez, que parece ter sido gerado não pelo útero da mãe, mas pelo intestino grosso dela. Seu mau humor é folclórico. E infinito. Estamos num boteco um dia desses quando ele ...

Ver mais

Precisamos reaprender a olhar
Mauro Segura
Transformação
Numa era em que o tempo parece escoar pelos dedos, ironicamente precisamos reaprender a "sentar e observar".

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Homenagem aos Economistas 2018 Memoráveis citações  “Aquele que for somente um economista não tem condições de ser um bom economista, pois todos os nossos problemas tocam em questões de ...

Ver mais

Empurrando com a barriga
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Empurrando com a barriga  Cenários da economia brasileira “A arte da previsão consiste em antecipar o que acontecerá e depois explicar o porquê não aconteceu.” Winston Churchill  Considerações ...

Ver mais

Cafezinho 98 – Os poetas da corrupção
Cafezinho 98 – Os poetas da corrupção
Os advogados e jornalistas que insistem que não existe ...

Ver mais

Cafezinho 97 – Os ciclos
Cafezinho 97 – Os ciclos
A vida acontece, em ciclos. E fica a cada dia mais ...

Ver mais

Cafezinho 96 – A cozinha e a lixeira
Cafezinho 96 – A cozinha e a lixeira
O Brasil é uma grande cozinha. Nela existe uma lixeira. ...

Ver mais

Cafezinho 95 – Banco traseiro
Cafezinho 95 – Banco traseiro
A fila anda! A gente muda! O tempo passa! O mundo é ...

Ver mais

A Igreja do Diabo

A Igreja do Diabo

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                             Ah, Roraima… pouca notícia vem desse longínquo estado setentrional, no qual habitam roraimados e roraimadas, segundo Dilma I, rainha dos gentílicos. Roraima é mais conhecida pela mania estúpida criada pelos repórteres da Globo ao referir-se a ele como “Roráima” em vez de “Rorãima”, que é o correto. E não há sotaque, regionalismo nem prosódia que justifique essa cretinice. Mania de aparecer, pura e simples. Uma bobagem.

                                             Mas eis que da capital “roraimada” nos chega notícia revoltante; esta sim, a cara do Brasil: Os salários nababescos dos nobres vereadores da única capital brazuca situada no hemisfério norte. Os tais sujeitos deram-se um aumento de 80% no salário e nas verbas de representação (legislar em proveito próprio é outra das nossas jabuticabas), e Boa Vista passou a gastar R$ 86.000,00 com cada impoluto edil. Essa safadeza foi revertida aos valores antigos – que já não eram baixos – graças à coragem do povo, que chiou, e ao ministério público, que ouviu o chiado e acionou a justiça. Em resumo, coisa de cafajeste. Dois dos vereadores, lulistas de carteirinha, se dizem “surpresos” com a decisão da justiça, afirmando que o aumento está “dentro da lei”. Tenha dó, é muita cara de pau. Parabéns aos boa-vistenses e ao MP local. Os ventos que sopram do distante e evoluído Paraná fazem escola.

                                             Essa coisa podre, suja, é a cara do Brasil. Estamos com a corda no pescoço, a economia em ruínas. Como exemplo, vale lembrar que nosso PIB per capita baixou para um terço do alcançado pela mesma Grécia que enfrenta crise nunca vista, em vias de ser expulsa do rico clube do Euro e entregue à demência de seus partidos comunistas.

                                             Enquanto isso, na ilha da fantasia, Dilma promete reduzir ministérios, cortar salários, mandar embora 3 mil apaniguados do serviço público federal, como provas de que ela “corta na carne” em tempos de crise. As tais juras completam 7 meses, e nada de serem cumpridas. Cara de Dilma. Enquanto isso, a dondoca presidencial gasta R$ 800.000,00 no aluguel de uma frota blindada de carros de luxo em seu inútil passeio a Nova York para zurrar na ONU e propor ao mundo a estocagem de vento, envergonhando o Brasil, torrando dólares com o icônico Aerolula e hotéis luxuosíssimos, frequentados apenas por milionários esnobes. Perguntado sobre, Até Barack Obama disse preferir hotéis mais baratos quando está em NY. Pra nós, fica a conta e o passa-moleque.

                                             Cara de um país demente, estúpido, que se rende à mais nova maneira de roubar os contribuintes: O tal Simples Doméstico, que nada tem de simples e simplesmente não funciona. Pior: em vez da Previdência, quem tange essa demência virtual é a Receita Federal; esta anuncia que não quer nem saber se o portal empaca. Quem não pagar as guias que a própria Receita nega, está sujeito a pesada multa diária. Cara de Dilma, cara de Brasil, cara de Lula.

                                             Nessa insânia burocrática, São Paulo não fica de fora. Para desespero dos advogados no estado mais rico da nação, a Fazenda Pública foi contaminada pela estupidez dos primos federais. Há uns anos, cada inventário devia ser apresentado na Fazenda para apuração de impostos; o valor era calculado, pago, e fim da história. Hoje, o advogado tem de fornecer endereço e telefone do falecido (!), passar todas as informações imagináveis pelo portal fazendário, juntar um sem-fim de declarações, fazer upload de tudo isso… pra depois imprimir tudo e levar os mesmos papéis à própria secretaria – que já guarda essas dezenas de documentos em arquivo digital! Coisa de hospício.

                                             Antigamente, um passaporte estrangeiro era sonho, desejo distante; tá se tornando necessidade, mecanismo de fuga. E quando se lembra que a moda foi reforçada através da família de Lula, com seus ilegais passaportes diplomáticos e os demais italianos, dá vontade de vomitar. Marisona, a primeira-companheira, dizia que eles eram necessários porque “não se sabe o dia de amanhã”. Considerando a bancarrota nestes tristes trópicos e o camburão da Federal a rondar os Lula da Silva, até que ela tinha razão.

Como refletia Machado de Assis em seu conto A Igreja do Diabo, se o tinhoso abrir uma seita aqui, a virtude vai ser muito praticada, mas apenas como pecado. Sugiro a leitura; é curto e interessante: 

http://www.virtualbooks.com.br/v2/ebooks/pdf/00141.pdf

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes