Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

A ética e o compromisso social da lei

A ética e o compromisso social da lei

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Por Adalberto Piotto

Por que precisaríamos de uma justiça de homens se apenas as tecnicalidades são levadas em conta?
Um algoritmo dentro de um computador seria mais rápido e eficiente.

Evidências, sejam quais forem, sobretudo as que se assemelham a provas cabais, como as escutas que revelaram a trama de Dilma para dar a Lula foro privilegiado ao nomeá-lo ministro, escapando de suas responsabilidades na Justiça de primeiro grau, precisam ser levadas em conta.

Se acometidas por lapso de tempo ou não, entre uma ordem judicial para gravar e outra para encerrar a gravação, é um detalhe preponderante para a tecnalidade jurídica na assunção de provas contra o réu, mas igualmente também o é para a transparência de um processo.

É compreensível os que defendem a invalidação da escuta baseando-se na estrita aplicação do regramento jurídico que envolve a validade de uma prova. No entanto não se pode ensurdecer-se ante um fato notório: se aquém ou além de seu limite, o grampo fora antes autorizado pela Justiça, ou seja, não era ilegal na sua origem. Se resultou excessiva, não originou-se assim e mostrou algo além, concernente e revelador para a causa investigada.

A temporalidade do fato aflige a ambos os propósitos, quer seja de uma Justiça cega e técnica, quer seja de uma Justiça de olhos e ouvidos bem abertos para fatos que tentam ludibriá-la.

Se a tecnicalidade da letra fria da lei é afrontada com a validação de escuta fora de seu tempo de permissão, ignorar sua evidência para a comprovação de um ilícito, como nos parece o caso, gera também descrédito e afronta não apenas o processo legal, mas a confiança na firmeza da Justiça.

Tenho como legítima a escuta que se fez, mesmo que a temporalidade seja controversa, porque não se pretende aqui, sem atentar contra a legalidade, estabelecer hora para se cometer um crime e hora para investigá-lo, com dissonância garantida entre ambos, o que revelar-se-á lição número um para advogados de criminosos e sua consequente absolvição ao arrepio da lei.

Não ater-se às evidências com poder de prova, mesmo que não tecnicamente provas no stricto sensu, é desumanizar a Justiça.

Por que precisaríamos de uma justiça de homens se apenas as tecnicalidades são levadas em conta?

Um algoritmo dentro de um computador seria mais rápido e eficiente.

E transformador de uma sociedade de humanos em robôs.

Prefiro uma Justiça de juízes, não de máquinas.

 

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto