Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Eu acho que você já deve ter sido questionado sobre ...

Ver mais

Café Brasil 718 – No lugar do outro
Café Brasil 718 – No lugar do outro
É nos momentos de tempestade, de crise, quando não há ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 10 – Va Pensiero
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 10 – Va Pensiero
Sempre tivemos um sonho trazer ópera para o Café ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 9 – Rua Ramalhete
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 9 – Rua Ramalhete
O programa de hoje é uma homenagem a um artista ...

Ver mais

LíderCast 200 – Marcio Ballas
LíderCast 200 – Marcio Ballas
Apresentador de televisão, ator e palhaço profissional. ...

Ver mais

LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
Empreendedor, fundador da Ramper, uma conversa ...

Ver mais

LíderCast 198 – Hélio Contador
LíderCast 198 – Hélio Contador
Ex-executivo de grandes empresas do setor automotivo, ...

Ver mais

LíderCast 197 – Luciana Cardoso
LíderCast 197 – Luciana Cardoso
A jovem executiva que coordena um dos grandes desafios ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Produtividade é a arte de dizer NÃO!

Ver mais

QI, educação e literatura
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
O QI médio em praticamente todos os países do mundo cresceu muito nos últimos 100 anos.   Na Alemanha e nos EUA, o crescimento do QI médio foi de mais de 30 pontos. No Quênia e na Argentina, foi ...

Ver mais

Perfeccionismo só é defeito quando mal utilizado
Henrique Szklo
Iscas Criativas
Ao ser questionada sobre quais são seus defeitos, muita gente coloca, envergonhadamente, o perfeccionismo como um dos mais tóxicos, como está na moda dizer. Muitos, inclusive, culpam este ...

Ver mais

A economia criativa pode ser essencial para o pós-pandemia?
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A economia criativa pode ser essencial para o pós-pandemia? “… as crises econômicas inevitavelmente dão origem a períodos críticos em que uma economia é refeita para que possa recuperar-se ...

Ver mais

Samba no céu
Chiquinho Rodrigues
Por volta dos anos 90 a Som Livre lançou um álbum com o infeliz nome de “Samba no Céu”. Eu me lembro de alguns nomes como Elis, Cartola, Pixinguinha, Gonzaguinha e outros artistas que já haviam ...

Ver mais

Cafezinho 284 – A polarização de araque
Cafezinho 284 – A polarização de araque
Assistir a rinha de galos diária tem o mesmo efeito que ...

Ver mais

Cafezinho 283 – COVID 20
Cafezinho 283 – COVID 20
Precisamos reconhecer quem fez um bom trabalho e punir, ...

Ver mais

Cafezinho 282 – O cochilo de 50 anos
Cafezinho 282 – O cochilo de 50 anos
Passada a pandemia, teremos de ser ainda mais ...

Ver mais

Cafezinho 281 – O freestyle cognitivo
Cafezinho 281 – O freestyle cognitivo
Você aí no seu pedaço tem valor, viu? E faz coisas que ...

Ver mais

A escatologia no jogo político

A escatologia no jogo político

Jota Fagner - Origens do Brasil -

A palavra escatologia representa tudo que chega em sua fase final, incluindo a história humana. De origem grega – que novidade! –, eschatos significa “último”, “fim”; e logos significa “palavra”, “discussão”, “instrução”, “ensino”, “assunto”, “tema”, “lógica”. Portanto, escatologia é o estudo do fim ou o estudo das últimas coisas, ou ainda o estudo dos últimos dias.

O cristianismo é, portanto, uma religião escatológica, que acredita numa sucessão de etapas que precisam acontecer – por isso ela é etapista – para que se chegue a um fim em que o bem vencerá o mal e os escolhidos viverão em paz para todo o sempre.

Religiões como o budismo e o hinduísmo têm uma concepção diferente da existência humana, nossa vida é encarada como um breve momento de um ciclo cósmico. A salvação, nesse caso, viria com a ruptura desse ciclo. Quando o indivíduo consegue sair desse processo de repetição infinita, ele atinge o estado de liberdade. As antigas religiões gregas e romanas – aquelas anteriores ao cristianismo – também seguiam um conjunto de crenças muito parecido.

Mas não é só o cristianismo que assume a linha escatológica. As religiões nórdicas, para ficar no exemplo mais difundido pela grande mídia, possuíam a crença no Ragnarok, uma espécie de apocalipse viking. Nesse processo, haveria uma batalha que culminaria na morte de vários deuses – incluindo Thor, Loki e seu pai, Odin. Haveria uma série de catástrofes naturais, o mundo seria tragado pelas águas e ressurgiria mais fértil. Os deuses renasceriam e se uniriam aos humanos sobreviventes para repovoar midgard – o reino dos homens.

Essa ideia da escatologia está tão enraizada na nossa cultura que nem nos damos conta de sua origem religiosa. Por exemplo, no final dos contos infantis é comum a frase: “e viveram felizes para sempre”. Quase toda a produção ficcional do Ocidente se baseia na eterna luta do bem contra o mal. Romances, peças de teatro, cinema, desenhos animados, histórias em quadrinhos, novelas, séries e movimentos políticos. Sim, movimentos políticos. Todos eles possuem uma linha norteadora completamente ficcional. É sempre a história de nós contra eles, o bem contra o mal, o mocinho contra o bandido.

O Brasil, em sua origem, possui tradição católica, cristã, escatológica. Reconhecemos esse dualismo como algo inerente à realidade humana. É muito mais fácil para um cidadão médio entender as disputas entre os diferentes discursos ideológicos como parte da eterna dualidade entre bem e mal. “Nós”, os mocinhos, estamos combatendo “eles”, os vilões. Toda vez que o outro lado leva a melhor, fica a sensação de retrocesso. “Eles”, os vilões, estão atrasando as etapas necessárias para que a revolução se concretize.

Muitas vezes, dependendo de quem esteja no poder, perdemos realmente alguns avanços importantes. Mas isso ocorre porque a história é dinâmica, cheia de tensões e rupturas. A crença num processo linear, etapista, escatológico, teleológico, é parte de um ideário religioso que substituiu a vontade divina pela intervenção política. E a intervenção política se fortalece com a militância, que invariavelmente ganha contornos de evangelização fervorosa.

Tente convencer um religioso que bate à sua porta, buscando te evangelizar, que a religião dele está errada. Tente explicar que a religião correta é a sua. O que vai acontecer? Você vai convertê-lo? Ele vai aceitar seus argumentos? Agora, subvertamos o jogo. Quem garante que a sua crença é a correta? Quem garante que você não precisa ser evangelizado? Quem garante que tudo na teoria da oposição está errado, que nada ali pode ser aproveitado?

Estamos todos tão cheios de nós mesmos que nem nos damos conta de obviedades como essas. Todos corremos o risco de apresentar sintomas do efeito Dunning-Kruger, aquele fenômeno pelo qual indivíduos com pouco conhecimento sobre um assunto acreditam saber mais que outros com melhor nível de instrução. É assim que chegamos a resultados indesejados, decorrentes de decisões incorretas.

É preciso ter humildade. É preciso constante reflexão. As únicas certezas que temos na vida, parafraseando Benjamin Franklin, é a morte e os impostos.

 

José Fagner Alves Santos

Ver Todos os artigos de Jota Fagner