Iscas Intelectuais
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

A Dissolução e o Imaginário

A Dissolução e o Imaginário

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

A construção da ilusão e do negativismo

A psicose política já por nós a anos citada impõe ao mercado a ilusão como forma básica de socialização. Aparentar tornou se mais importante que ter ou ser. A variante infindável de linhas de crédito, parcelamentos, carnês transformou o mercado de consumo no Brasil. Todo mundo, especialmente a classe política, falava de crescimento se transformando naquilo que jamais sonhou. “Ressurgiu” das cinzas uma classe média que não se contentava a pertencer a este grupo, e queria mais: mordomia, viagens ao exterior, todos bens de consumo antes distantes agora podiam ser adquiridos e  desejados.  A mesma coisa na classe D e… tudo é possível com uma linha de crédito ou carnê. Como é que vai se pagar tais dividas, outro problema, isto não se escreve no contrato assinado. O importante nisto tudo foi e é dar lucro a bancos, a empresas de empréstimo consignado,  telefonia, a grandes montadoras, a um pequeno segmento de empresas beneficiadas, as mais amigas dos que estão no poder. O discurso oficial da ilusão com isto toma forma: que o mercado cresceu, que existem mais empregos, a economia reconstrói o milagre econômico brasileiro e saímos do subdesenvolvimento chegando a possibilidade de dizer que nos tornamos um país de primeiro mundo. Ilusão e delírio, uma obsessão, ou fascinação que impede o individuo de perceber a realidade, apenas discurso, oratória, manipulação dos meios de comunicação ou das estatísticas, ou dos números dos balancetes da economia hoje contestados.

O imaginário é rei e senhor no processo da dissolução. A ideologia contaminada que outrora versava sobre  movimentos políticos com identidade, hoje faz da bolsa de valores e do crédito especulativo seu avatar. Produção real besteira, jogar com números, trocar cheques em várias contas e fingir mais presente que imaginamos. A propaganda vira a alma do negócio e o produto final… hoje é uma choradeira, falta de confiabilidade, corrupção, e o choque da observação que a realidade é bem diferente do apregoado pela classe política nos últimos 16 anos.

O movimento psicológico decorrente deste jogo social é o de um profundo pessimismo. Hoje é cena comum na vivência das pessoas não acreditar e ser negativo ao extremo em um processo que beira a obsessão. Sem a capacidade de perceber a realidade distorcida, em um ato de fé que não mensurou o auto-cuidado, o salutar desconfiar e ou ver as reais possibilidades. Este é o sentimento geral coletivo, quase à semelhança de um indivíduo que recém descobre o par de cornos que carrega posto pela eleita amada, digna de suas promessas de amor. chifre e traição. O traído que descobre que iludido laceou demais e descuidou, deu bobeira, em momentos estratégicos nos quais não poderia vacilar e se entregar. O dilema de Sancho Pança que seguia a loucura de Dom Quixote, seus delírios e que acomodado ou por mero interesse se viu imerso nos problemas…ah, malditos feitiços…

Nossa atualidade é regida por um amplo negativismo que nada mais é que a ressaca do período pós ilusão, no qual o sentimento de onipotência imperava. Mas o que é este ser negativo que não consegue perceber a realidade, mas tanto reclama, faz protestos e vota nos mesmos indivíduos que o expoliam?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima