Iscas Intelectuais
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

601 – Alfabetização para a Mídia II
601 – Alfabetização para a Mídia II
Publicamos um videocast sobre Alfabetização para a ...

Ver mais

600 – God Save The Queen
600 – God Save The Queen
Café Brasil 600... Chegou a hora de comemorar outra ...

Ver mais

599 – Gastando tempo
599 – Gastando tempo
Quem ouve o Café Brasil há algum tempo sabe da minha ...

Ver mais

598 – O bovárico
598 – O bovárico
Madame Bovary é um livro clássico que nos apresenta a ...

Ver mais

LíderCast 97 – Michael Oliveira
LíderCast 97 – Michael Oliveira
Michael Oliveira, que é criador e apresentador do ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e ...

Ver mais

Como não combater a inflação
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Como não combater a inflação  O livro que, infelizmente, poucos leram “Os controles são profunda e intrinsecamente imorais. Substituindo o governo da lei e da cooperação voluntária no mercado ...

Ver mais

Como vencer um debate tendo razão
Bruno Garschagen
Ciência Política
O estrondoso sucesso do psicólogo canadense Jordan Peterson tem mostrado coisas extremamente interessantes sobre como parte da sociedade reage diante de alguém que sabe defender corajosamente as ...

Ver mais

O oitavo círculo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Faz uns bons anos, no departamento de trânsito de uma pequena e pacata cidade do interior paulista. Um cliente sofreu alguns danos em seu carro, devido aos quebra-molas exagerados, muito acima ...

Ver mais

Cafezinho 48 – As reformas
Cafezinho 48 – As reformas
Reformas estruturais implicam em mudanças na forma como ...

Ver mais

Cafezinho 47 – Os poblema
Cafezinho 47 – Os poblema
Como as mídias sociais revelaram o tamanho do desastre ...

Ver mais

Cafezinho 46 – Experimente
Cafezinho 46 – Experimente
Experimente abrir uma empresa. Seja o dono.

Ver mais

Cafezinho 45 – O louco
Cafezinho 45 – O louco
Na semana passada, quase sete anos após a apresentação ...

Ver mais

A difícil arte de segurar a onda

A difícil arte de segurar a onda

Mauro Segura - Transformação -

leadership3

Há muito tempo atrás, quando eu estava dando os meus primeiros passos como gerente, eu fui liderado por um gerente muito competente tecnicamente. Ele era uma espécie de gênio, altamente talentoso e profundo conhecedor técnico da função. No entanto, ele “não segurava a onda”. Por diversas vezes ele era pressionado pelo superior dele, o diretor da área, que era um cara muito emotivo, ansioso e muitas vezes desestruturado. O diretor colocava pilha no meu gerente, pressionando por prazos absurdos e objetivos que muitas vezes pareciam ser “impossibilidades matemáticas”. Até aí tudo bem, eu acredito que na maioria das empresas a pressão é enorme e os objetivos devem ser agressivos e realmente ousados, com a ideia de sempre “subir a barra”. O problema é que meu gerente não conseguia filtrar muito bem a pressão e passava integralmente a ansiedade dele e do diretor para todo o time liderado por ele, formado por toda sorte de profissionais, inclusive jovens como eu naquela época. O time sentia na pele as consequências de cada reunião complicada que o gerente tinha com o chefe pois ele não conseguia “segurar a onda”.

Liderar pessoas é uma arte. Saber equilibrar inspiração com execução é complicado. Pedir para as pessoas pensarem quando um cronograma imenso de atividades vem por trás, como um tsunami, parece ser impossível. Foram dois anos convivendo com aquele gerente meio “bipolar”, que algumas vezes jogava imensas doses de pressão incalculada sobre o time.

Passaram-se alguns anos e logo apareceu um novo gerente na minha vida. Esse novo gerente era o oposto do outro, ele era muito “relax” e raramente nos trazia problemas. Descobri mais tarde que ele concentrava muito as coisas que vinham da estrutura acima dele. Ele não costumava compartilhar com o time as ansiedades e as pressões que recebia. O time gostava disso, mas com o passar do tempo eu comecei a sentir o time muito relaxado e desconectado das prioridades. Descobri isso quando comecei a ler as comunicações assinadas pelo presidente, sempre falando de urgências e prioridades da companhia, enquanto que o meu gerente quase nunca falava sobre isso. Enfim, o tempo foi passando e aquela sensação foi me deixando angustiado.

Nunca mais esqueci dessas duas experiências. Esse foi um aprendizado importante e que moldou muito o meu estilo gerencial.

Confesso que nos últimos tempos as coisas têm sido mais difíceis, especialmente em função dos funcionários estarem sempre conectados e disponíveis através de seus dispositivos móveis, sejam smartphones, tablets ou notebooks. A percepção de tempo mudou, parece que ninguém mais está disposto a esperar o dia seguinte. É tudo para agora. A pressão por velocidade e acessibilidade tem sido enorme, o que vem moldando líderes mais ansiosos, conectados 24 horas por dia, inclusive nos finais de semana, e que esperam o mesmo comportamento de seus liderados. Como lidar com isso? Não sei a resposta. Por isso é muito válido o sonho de consumo de trabalharmos com líderes mais criteriosos, parceiros, parcimoniosos e “quase humanos”. Brinco com “quase humanos” por conta de um post passado que escrevi no meu blog chamado “Os executivos são quase seres humanos“.

Enfim, as duas experiências que descrevi nunca mais me saíram da cabeça. Saber “segurar e soltar a onda” é minha preocupação constante. Acredito que eu saiba compartilhar minha ansiedade quando necessário, por isso desenvolvo com meu time uma relação transparente e de confiança. eles sabem que podem contar comigo quando precisar. Enfim, essa é minha auto avaliação, mas somente quem trabalhou comigo é que pode dizer se consigo exercer esse equilíbrio que tanto procuro.

Ver Todos os artigos de Mauro Segura