Iscas Intelectuais
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

661 – A teoria do valor subjetivo
661 – A teoria do valor subjetivo
O mercado é o resultado da interação entre milhões de ...

Ver mais

660 – Na esquina da sua casa
660 – Na esquina da sua casa
Não espere que o Estado se preocupe com o indivíduo. O ...

Ver mais

659 – Empreendedorismo no Palco
659 – Empreendedorismo no Palco
Muitos anos atrás, acho que uns 20, fui convidado para ...

Ver mais

658 – Chá com a gente
658 – Chá com a gente
Este programa reproduz a edição especial do Podcast Chá ...

Ver mais

LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
Empreendedor, que vem lá do nordeste para mudar a vida ...

Ver mais

LíderCast 148 – Bruno Busquet
LíderCast 148 – Bruno Busquet
CEO da Tupiniq,In Inside Out Agency e president do ...

Ver mais

LíderCast 147 – Sherlock Gomes
LíderCast 147 – Sherlock Gomes
Músico, um guitarrista e baixista excepcional cuja ...

Ver mais

LíderCast 146 – Cândido Pessoa
LíderCast 146 – Cândido Pessoa
Um intelectual, professor no Paradigma centro de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Que falta faz Roberto Campos!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Que falta faz Roberto Campos!  Homenagem em três livros “O bem que o Estado pode fazer é limitado; o mal, infinito. O que ele nos pode dar é sempre menos do que nos pode tirar.” Roberto Campos ...

Ver mais

O copo, a água e o STF
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157256876268631 RESUMO DAS LIVES ANTERIORES: https://www.youtube.com/playlist?list=PL7XjPl0uOsj8TxfUISqzcl4YrxYBC0vOw

Ver mais

O Rock, Bruce Springsteen e uma lição sobre liderança!
Jeison Arenhart De Bastiani
Outro dia assisti boquiaberto algo que não sei muito bem como descrever, mas posso afirmar que foi incrível e vou contar para você como um músico (que confesso não acompanhar muito) me deu uma ...

Ver mais

100 dias de Bolsonaro
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
100 dias de Bolsonaro Mais dúvidas e incertezas do que avanços concretos “O discurso liberal, que parece ser o principal pilar da agenda econômica, está sendo obscurecido por dois outros ...

Ver mais

Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Há silêncios e silêncios. Há o silêncio das pedras. Há ...

Ver mais

Cafezinho 168 – O que nos define
Cafezinho 168 – O que nos define
O que nos define são os adversários que vencemos.

Ver mais

Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
“O otimista é o pessimista bem informado”, lembra ...

Ver mais

Cafezinho 166 – O nobre
Cafezinho 166 – O nobre
Este Brasil de 2019 é muito diferente daquele de 2015.

Ver mais

A difícil arte de segurar a onda

A difícil arte de segurar a onda

Mauro Segura - Transformação -

leadership3

Há muito tempo atrás, quando eu estava dando os meus primeiros passos como gerente, eu fui liderado por um gerente muito competente tecnicamente. Ele era uma espécie de gênio, altamente talentoso e profundo conhecedor técnico da função. No entanto, ele “não segurava a onda”. Por diversas vezes ele era pressionado pelo superior dele, o diretor da área, que era um cara muito emotivo, ansioso e muitas vezes desestruturado. O diretor colocava pilha no meu gerente, pressionando por prazos absurdos e objetivos que muitas vezes pareciam ser “impossibilidades matemáticas”. Até aí tudo bem, eu acredito que na maioria das empresas a pressão é enorme e os objetivos devem ser agressivos e realmente ousados, com a ideia de sempre “subir a barra”. O problema é que meu gerente não conseguia filtrar muito bem a pressão e passava integralmente a ansiedade dele e do diretor para todo o time liderado por ele, formado por toda sorte de profissionais, inclusive jovens como eu naquela época. O time sentia na pele as consequências de cada reunião complicada que o gerente tinha com o chefe pois ele não conseguia “segurar a onda”.

Liderar pessoas é uma arte. Saber equilibrar inspiração com execução é complicado. Pedir para as pessoas pensarem quando um cronograma imenso de atividades vem por trás, como um tsunami, parece ser impossível. Foram dois anos convivendo com aquele gerente meio “bipolar”, que algumas vezes jogava imensas doses de pressão incalculada sobre o time.

Passaram-se alguns anos e logo apareceu um novo gerente na minha vida. Esse novo gerente era o oposto do outro, ele era muito “relax” e raramente nos trazia problemas. Descobri mais tarde que ele concentrava muito as coisas que vinham da estrutura acima dele. Ele não costumava compartilhar com o time as ansiedades e as pressões que recebia. O time gostava disso, mas com o passar do tempo eu comecei a sentir o time muito relaxado e desconectado das prioridades. Descobri isso quando comecei a ler as comunicações assinadas pelo presidente, sempre falando de urgências e prioridades da companhia, enquanto que o meu gerente quase nunca falava sobre isso. Enfim, o tempo foi passando e aquela sensação foi me deixando angustiado.

Nunca mais esqueci dessas duas experiências. Esse foi um aprendizado importante e que moldou muito o meu estilo gerencial.

Confesso que nos últimos tempos as coisas têm sido mais difíceis, especialmente em função dos funcionários estarem sempre conectados e disponíveis através de seus dispositivos móveis, sejam smartphones, tablets ou notebooks. A percepção de tempo mudou, parece que ninguém mais está disposto a esperar o dia seguinte. É tudo para agora. A pressão por velocidade e acessibilidade tem sido enorme, o que vem moldando líderes mais ansiosos, conectados 24 horas por dia, inclusive nos finais de semana, e que esperam o mesmo comportamento de seus liderados. Como lidar com isso? Não sei a resposta. Por isso é muito válido o sonho de consumo de trabalharmos com líderes mais criteriosos, parceiros, parcimoniosos e “quase humanos”. Brinco com “quase humanos” por conta de um post passado que escrevi no meu blog chamado “Os executivos são quase seres humanos“.

Enfim, as duas experiências que descrevi nunca mais me saíram da cabeça. Saber “segurar e soltar a onda” é minha preocupação constante. Acredito que eu saiba compartilhar minha ansiedade quando necessário, por isso desenvolvo com meu time uma relação transparente e de confiança. eles sabem que podem contar comigo quando precisar. Enfim, essa é minha auto avaliação, mas somente quem trabalhou comigo é que pode dizer se consigo exercer esse equilíbrio que tanto procuro.

Ver Todos os artigos de Mauro Segura