Iscas Intelectuais
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 109 – Zeitgeist Tropical
Cafezinho 109 – Zeitgeist Tropical
E hoje? Qual é o zeitgeist do Brasil?

Ver mais

Cafezinho 108 – O Ismo Quântico
Cafezinho 108 – O Ismo Quântico
O Ismo Quântico é o fenômeno que acontece quando o ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

A década esbanjada

A década esbanjada

Paulo Rabello de Castro - Iscas BrasilEficiente -

Texto de Paulo Rabello de Castro

O Ministro Joaquim Levy acaba de admitir, em Nova York, que o PIB de 2014 deve fechar com variação negativa. A prévia do Banco Central (BC) para a evolução do ano passado aponta uma queda de 0,15%. O problema não é tanto o que já passou, mas o que virá. Nossa consultoria, RC Consultores, já estima em 1% a queda do PIB em 2015. Se levarmos em conta uma inflação da ordem de 7% este ano, portanto estourando o teto da meta, devemos estar preparados para a explosão do que chamo de “taxa de desconforto social”, um indicador combinado de inflação para cima com produção, emprego e renda para baixo.

Evidentemente, algo vai muito mal. Não podemos mais nos deixar enganar com mentirinhas bobas como alguém no governo querendo justificar dois PIBs negativos seguidos, num país com a força potencial desse nosso Brasil, por conta dos efeitos do período eleitoral ou da Copa do Mundo (a mesma Copa que, você lembra, iria empurrar o PIB e os investimentos para as nuvens!). Falemos sério. Afinal, estamos em plena Quaresma, tempo de reflexão.

Primeiro, vamos combinar uma coisa: o novo ministro não é o mágico Houdini, nem tem cara de Papai Noel.  Joaquim Levy é um homem que sabe economia como poucos. Entretanto, Levy não pode ser, sozinho, o que o governo não consegue ser como um coletivo. Nem Mantega, que era membro efetivo do PT, conseguiu emplacar uma reforma tributária fatiada.  Passou muitos anos lá, teve tempo de sobra e deu no que deu. Embora ainda sem prazo para avaliar uma gestão – seria cruel colocar juízo de valor em cima de 60 dias à frente da Fazenda – o fato é que Levy não tem mandato para ir além do convencionalismo fiscal, que é tentar conter gastos e continuar a enfiar a mão no bolso dos pagadores de impostos (nós). Levy haver começado pelos impostos não é coincidência: mostra o quanto ele está limitado a extrair mais e mais da população indefesa e como os gastadores eméritos de Brasília e nos estados continuarão livres para fazer o que quiserem. Não preciso comentar que o convencionalismo fiscal – que alguns chamam, por erro, de ortodoxia – será recessivo ao extremo. Não ressuscitará o PIB de 2015 e o Levy se frustrará. Pobre colega de Chicago!

O segundo ponto é o mais grave. Se não é justo comparar Levy ao Mantega, que pegou o País em pleno ciclo de boa-venturança das commodities. Menos justo é esperar que Levy seja capaz de vender a um governo, já colocado politicamente nas cordas, a transformação que precisa ser feita no País e nas suas instituições econômicas para nos fazer retornar a um ciclo de prosperidade. Esqueçam. Entramos na DÉCADA ESBANJADA, ainda lá atrás, quando tínhamos a faca, o queijo e o caixa na mão para iniciar reformas transformadoras e enriquecedoras. Jogamos aquela chance fora, bem ao estilo do “7 a 1” fatídico no Mineirão. Sabe-se lá o quanto isso nos terá custado. Futuras gerações nos cobrarão por nossa total irresponsabilidade na gestão do futuro. Imaginem que estamos indo para um período de maior retração industrial e econômica desde os terríveis anos 1980, em que quebramos por excesso de dívida externa. Os economistas convencionaram chamar os anos 1980 de década perdida. Agora é diferente. Não tem nada contra nós. Não tem ianque nem FMI, não há falta de dólares, não é o preço do petróleo (nem falar nessa palavra!). Não, agora a maldade mora dentro de casa; é ela quem põe a mesa e nos serve a comida fria, que nos rouba o que de mais precioso há: o futuro e a liberdade de podermos deliberar sobre para onde queremos ir. Esta década não é perdida; nós é que a pusemos a perder, ao admitir que esbanjadores do potencial brasileiro tomassem conta do leme.

Os efeitos da DÉCADA ESBANJADA já estão ai para quem quiser ver. Um desses efeitos, talvez o mais grave, é a intensidade da recessão que está sendo provocada pela inadimplência da Petrobras sobre toda a cadeia produtiva dos que dela dependem. São milhares de empregos e empresas esbanjados. Há gente fechando as portas, sem liquidez, porque não recebe há meses. Incrível como ninguém no governo abra a boca para ao menos tocar no assunto. Como a Petrobras é assunto “de Estado”, a quebra do setor privado, que dela depende, passou a ser responsabilidade do governo também. Mas ninguém dá um pio, nem mesmo as principais lideranças empresariais, o que é espantoso!

Quanto ao desfecho da tragédia – e essa é apenas uma delas -, me pergunto se aprenderemos com a terrível lição. Creio que estamos longe disso. Como disse antes, transformar o País não é nomear um novo presidente para a Petrobras. Seria, sim, redefinir a governança do setor estatal produtivo como um todo. Definir as bases de um novo estatuto de gestão pública. E mais. Enquanto as estatais não pertencerem DE FATO aos brasileiros credores do Estado (os contribuintes do INSS, por exemplo) não teremos governança séria nessas empresas de governo. Mas isso já é sonhar alto demais. Aqui, nem no Carnaval.

 

(*) Paulo Rabello coordena o Movimento Brasil Eficiente e convida quem queira se manifestar sobre o tema deste artigo ou participar do movimento a visitar o site www.assinabrasil.org.  Autor de “O Mito do Governo Grátis” (Ed. de Janeiro, 2014).

 

Ver Todos os artigos de Paulo Rabello de Castro